sábado, dezembro 3, 2022

O que As Piores Previsões Econômicas da História Podem nos Ensinar Sobre Economia

Os economistas preveem o curso futuro dos eventos econômicos para mostrar que temos senso de humor. Se pudéssemos fazer isso com precisão, seríamos todos muito ricos e não somos; estamos confortáveis, mas não fantasticamente ricos (exceto em nossa apreciação pela ciência sombria).

Por que não podemos prever o futuro? Porque o mundo é complicado e milhões de coisas estão acontecendo simultaneamente. Por exemplo, sabemos que se nada mais mudar e o governo aumentar a oferta de dinheiro, os aumentos de preços serão o resultado inevitável. Mas nunca poderemos fazer a suposição ceteris paribus (tudo o mais igual) de que esta será a única mudança na economia. As pessoas podem não comprar tanto quanto antes e economizar para um dia chuvoso. Nesse caso, a tendência de que mais dinheiro para a mesma quantidade de bens e serviços leva a aumentos de preços será um pouco atenuada.

Por quanto? Isso depende da rapidez com que as compras diminuem, e não temos uma bola de cristal para isso. Não podemos sequer determinar se o Fed ou o banco central irá aumentar a oferta de dinheiro em circulação. O curso futuro da inflação depende de qual lado da cama os funcionários do Fed saem, e também não temos nenhuma idéia sobre isso. Talvez eles mesmos também não saibam. Felizmente, temos uma lei econômica, mas ela não nos leva a lugar algum.

Tomemos outro exemplo. A lei econômica nos diz que aumentar o nível em que o salário mínimo é estabelecido aumentará o desemprego entre os pouco qualificados, desde que nada mais mude. Mas as coisas mudam o tempo todo. É bem possível que à medida que o salário mínimo aumentar, haja uma inovação que aumente a produtividade dos trabalhadores não qualificados. Se este for o caso, se esta força for suficientemente forte, e se o aumento do nível estatutário for modesto, é possível que nenhum trabalhador fique desempregado como resultado do salário mínimo mais alto.

Neste ponto, devo confessar, estou dando uma perspectiva econômica austríaca sobre o assunto. Os economistas da Mainstream discordariam. Segundo o economista Milton Friedman, ganhador do Prêmio Nobel (um não austríaco, ele): “O único teste relevante da validade de uma hipótese é a comparação da previsão com a experiência”. Isto é, se uma afirmação for verdadeira, deve levar a previsões precisas.

Mas a história da economia é uma história de falsas previsões.

Paul Krugman é outro ganhador do Prêmio Nobel de Economia. Sua previsão de 1998 era: “O crescimento da Internet vai diminuir drasticamente”.

Há mais exemplos.

Irving Fisher previu um boom na bolsa de valores; mas ele cometeu o erro de fazê-lo pouco antes da queda de 1929.

Em 1968, Paul Ehrlich, autor do livro The Population Bomb, previu a fome em massa nos próximos anos. A obesidade em massa acabou se revelando um problema muito maior.

Em 1987, Ravi Batra previu a Grande Depressão de 1990 em seu livro com esse título. Isso não aconteceu.

Eu acho que a recusa obstinada dos austríacos em fazer previsões econômicas é consistente com nossos poderes limitados. Podemos explicar a realidade econômica e compreendê-la bastante, mas a menos que “tudo mais seja constante”, o que nunca é o caso, não podemos prever, pelo menos não como economistas.

A modéstia intelectual é de grande valor.

Prevejo que os principais economistas irão um dia perceber seus erros a esse respeito? Espero que sim, mas como economista austríaco, eu não faço previsões.

Artigo escrito por Walter Block, publicado em FEE.org e traduzido e adaptado por @rodrigo

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

SourceFEE.org
spot_img

CONFIRA