sábado, dezembro 3, 2022

O que você precisa saber sobre a Inflação

A palavra “inflação” é muito usada hoje em dia, mas nem sempre está claro o que se quer dizer com ela. A palavra inflação vem do latim “inflar”, que significa inflacionar, expandir. Hoje, inflação é entendida como um aumento no preço dos bens ao longo do tempo. Neste sentido, inflação significa que os bens se tornam mais caros e que você tem que pagar cada vez mais dinheiro por eles. Inflação nos preços dos bens significa que você recebe cada vez menos bens por seu dinheiro. Neste sentido, inflação significa uma perda do poder de compra do dinheiro.

Os preços de bens individuais podem às vezes aumentar acentuadamente em certos momentos – como os preços do petróleo e do gás ou de materiais de construção devido a faltas momentâneas ou aumentos de impostos. Entretanto, um aumento no preço não constitui, por si só, inflação. A inflação é quando os preços dos bens (mais cedo ou mais tarde) aumentam de forma generalizada e continuam a fazê-lo. E isso é o que está acontecendo em quase todos os lugares no momento.

Nos EUA, os preços dos bens de consumo aumentaram 7% em dezembro de 2021, em relação ao ano anterior, e 5% na zona do euro. Mas isso não é tudo. Os preços nos mercados de bens – isto é, os mercados de ações, títulos, casas e terrenos – vêm inflando de forma extremamente forte há anos. Somente em agosto de 2021, por exemplo, os preços das casas nos EUA aumentaram quase 20% em relação ao ano anterior. Na Alemanha, os preços das casas subiram incríveis 13% em setembro de 2021.

Os representantes da Escola Austríaca de Economia, por outro lado, entendem a inflação como uma expansão da oferta de dinheiro. Para eles, a inflação dos preços dos bens é um (possível) sintoma, e sua causa é a inflação da oferta de dinheiro. Esta visão é bem fundamentada (porque é derivada da lógica de ação): Um aumento na oferta de moeda faz com que os preços dos bens sejam mais altos em comparação com uma situação na qual a oferta de moeda não teria sido expandida.

Causa(s) da inflação

Como pode ocorrer a inflação nos preços das bens? A teoria econômica geralmente distingue entre duas explicações.

No primeiro campo estão economistas que dizem que a inflação (ou seja, o aumento dos preços dos bens ao longo do tempo) é um fenômeno não-monetário. Do ponto de vista deles, por exemplo, o aumento dos preços da energia, o aumento dos salários, uma desvalorização da moeda nacional, etc. levam a um aumento dos preços de todos os bens (“cost push effect”). Ou se refere a um “efeito de demanda”. De acordo com isto, a inflação ocorre quando a demanda excede a oferta, os bens se tornam escassos e caros, e seus preços aumentam com o tempo.

No segundo campo estão os economistas que dizem que a inflação é sempre e em todos os lugares um fenômeno monetário. A idéia aqui é que quando a oferta de dinheiro aumenta mais do que a oferta de bens, os preços dos bens disparam. O economista norte-americano Milton Friedman (1912-2006) colocou a questão da seguinte forma: A inflação é sempre e em qualquer lugar um fenômeno monetário, ou seja, um fenômeno monetário. Segundo Friedman, a inflação dos preços dos bens é o resultado de uma expansão excessiva da oferta de dinheiro, ou seja, “inflação monetária”[1].

Entretanto, as explicações não monetárias e monetárias da inflação não precisam ser incompatíveis. Embora a inflação sustentada dos preços dos bens seja dificilmente concebível sem uma inflação monetária subjacente, os desenvolvimentos não monetários nos mercados de bens podem muito bem desencadear a inflação dos preços dos bens, isto é, quando o banco central tiver expandido excessivamente a oferta de dinheiro.

A expansão da oferta monetária impulsiona a Inflação dos preços dos bens

Isto é exatamente o que está acontecendo atualmente no mundo todo. O BCE, por exemplo, aumentou a oferta de dinheiro M3 em quase 18% desde o início de 2020 a fim de lidar com as conseqüências do bloqueio politicamente ditado. Nos Estados Unidos, o Federal Reserve providenciou um aumento na oferta de dinheiro de até 36%. A situação não é diferente em muitos outros países. Neste sentido, o dano ainda em curso às cadeias de abastecimento internacionais é o terreno fértil sobre o qual a “provisão de dinheiro” pode descarregar no aumento da inflação dos preços dos bens.

Bancos centrais e políticos se esforçam para esconder aos olhos do público a verdadeira causa da inflação dos preços das mercadorias, para negar a responsabilidade. Em vez disso, eles culpam, por exemplo, o aumento dos preços do petróleo, gargalos de abastecimento, baixa produtividade, desvalorizações cambiais e mais – fatores que eles não podem influenciar. Entretanto, eles se calam sobre o fato de terem expandido demais a oferta de dinheiro.

No atual sistema de dinheiro sem lastro (um sistema de “fiat money”), no entanto, o culpado pode ser claramente identificado: São os bancos centrais que detêm o monopólio da produção de dinheiro. Eles, em estreita cooperação com os bancos comerciais, ampliam a oferta de dinheiro através da concessão de crédito. Na crise de fechamento politicamente ditada, eles deliberadamente – como já mencionado – expandiram a oferta de dinheiro, ou seja, recorreram a uma política de inflação da oferta de dinheiro, cuja conseqüência agora é a inflação dos preços de bens que é óbvia para todos.

Nem sempre é fácil para o público ver a ligação entre o aumento dos preços dos produtos e o crescimento da oferta de dinheiro. A expansão monetária muitas vezes afeta os preços dos bens apenas com um longo intervalo de tempo. Alternativamente, os índices estatísticos de preços não refletem adequadamente as conseqüências da expansão monetária. Tem havido, por exemplo, uma inflação fulminante dos preços dos ativos (nos mercados de ações e habitação) nas últimas décadas, mas isto não tem sido visível nos números oficiais.

Basicamente, no entanto, pode-se imaginar o efeito que a expansão do fornecimento de dinheiro tem na economia nacional como um cano de água estourado na casa. No início, você nem percebe que o cano quebrou. Depois, porém, após um certo tempo, começa a ficar úmido no canto de um cômodo, depois a umidade aparece sobre uma grande área, se espalha para outros cômodos e, finalmente, todo o edifício está encharcado. De maneira muito semelhante, uma expansão da oferta de dinheiro ao longo do tempo resulta em preços mais altos para as mercadorias.

A inflação funciona por engano

O atual sistema de dinheiro sem lastro, o sistema de moeda fiduciária, é caracterizado pela inflação dos preços dos bens. É inflacionário: A oferta de moeda fiduciária é expandida para que os preços dos bens subam, ou seja, para que o poder de compra da moeda seja reduzido. O principal beneficiário (não apenas, mas também) é o Estado (e os grupos de interesses especiais que ele favorece). O sistema do fiat money permite ao Estado satisfazer sua fome insaciável por dinheiro sem problemas e silenciosamente.

Ele não apenas pode se pagar em condições favoráveis com dinheiro recém-criado, mas também pode colocar a economia em um ” falso boom”. Mas tal “ilusão de prosperidade” se baseia no engano. Ela só pode ser falsificada se a inflação surgir inesperadamente para os atores do mercado, se não for devidamente antecipada. Isto pode ser explicado da seguinte forma: Se os agentes do mercado confiam no banco central para manter a inflação dos preços dos bens em, digamos, 2% ao ano, eles baseiam seu crédito (prospectivo), salário e contratos de aluguel nesta taxa de inflação.

Após a conclusão de seus contratos, o governo interrompe o banco central para expandir a oferta de dinheiro, a fim de prever uma inflação de preços mais alta do que o prometido/esperado. O aumento dos preços de venda induz os empresários a expandir a produção e – devido aos salários reais mais baixos – exigir mais mão-de-obra. A economia entra em uma ascensão inflacionária, mas esta está fadada ao colapso assim que a “ilusão de inflação” se desfizer. Para evitar que isso aconteça, o banco central deve assegurar uma “inflação surpresa” ainda maior.

É previsível onde a continuação inabalável da política de inflação surpresa levará: a uma inflação alta ou mesmo hiperinflação. Ludwig von Mises (1881-1973) descreveu este processo de forma impressionante:

Mas uma vez formada a visão de que o aumento da oferta de dinheiro continuará em grande escala sem fim previsível e que, consequentemente, os preços do dinheiro de todos os bens e serviços também subirão inexoravelmente, então será o esforço dos proprietários para comprar o máximo possível e reduzir a posse de dinheiro a uma medida muito pequena. A detenção de dinheiro em tais circunstâncias envolve não apenas o custo conhecido como juros, mas também perdas muito consideráveis devido ao declínio do poder de compra. As vantagens de manter um saldo de caixa devem ser compradas por sacrifícios que parecem tão altos que se limita cada vez mais sua extensão. Este é o fenômeno que tem sido chamado de “vôo para ativos tangíveis” e o “boom do desastre” nas grandes inflações do pós-guerra[2].

Vindo para ficar

A inflação é uma política que não pode ser implementada permanentemente se as pessoas estiverem cientes de sua verdadeira causa. Isto pode explicar porque, neste exato momento, os bancos centrais e os políticos e os economistas do mainstream querem novamente dar ao público a impressão de que a atual alta inflação dos preços dos bens é apenas uma “curva” temporária que logo desaparecerá; e que todos os tipos de fatores são responsáveis pelo aumento dos preços dos bens (falhas de produção, atrasos na entrega, impostos, preços de energia, etc.), tudo menos a expansão da oferta monetária causada pelos bancos centrais.

Infelizmente, o medo de que o problema da inflação se torne ainda maior não pode ser descartado. Algo como um consenso tácito surgiu de que o crescimento e o emprego têm precedência sobre todos os outros objetivos, incluindo o objetivo de manter baixa a inflação dos preços dos bens. Politicamente, isto é particularmente tentador numa época em que a dívida geral, especialmente a dos estados, atingiu índices altíssimos e a inflação dos preços dos bens “um pouco mais alta” parece ser um meio comprovado de se livrar dos onerosos encargos da dívida, pelo menos por “algum tempo”.

E por último, mas não menos importante, a política de crescimento monetário inflacionário desempenha um papel crucial na condução dos enormes custos das “políticas verdes”, a “Grande Transformação” das economias. Um aumento no preço dos bens tem um efeito empobrecedor, amortecendo a demanda dos consumidores, forçando um grande número de pessoas a apertar o cinto, a prescindir e a consumir menos recursos.

A expansão da oferta de dinheiro também ajuda a ocultar a verdadeira extensão da reestruturação econômica e social politicamente forçada. Como é usual em tempos de financiamento de guerra: através da pseudo-prosperidade que a inflação da oferta de dinheiro proporciona (pelo menos inicialmente), ela enfraquece a resistência da população às políticas do governo. E é somente com um lapso de tempo, quando os danos já foram irrevogavelmente causados, que o horror da inflação se torna aparente – o que se mostra não somente na destruição do valor monetário, mas sobretudo na ascensão do estado todo-poderoso.

A solução

A solução lógica para o problema da inflação é a privatização do dinheiro, como solicitado por Friedrich August von Hayek (1899-1992), o fim do monopólio estatal sobre o dinheiro, e a criação de um mercado livre para o dinheiro. Aqui, os fornecedores têm a liberdade de oferecer a seus clientes um bem que eles desejam exigir como dinheiro; e os demandantes de dinheiro têm a liberdade de usar o dinheiro que melhor se adapte aos seus propósitos. As pessoas poderiam exigir dólares americanos, euros, ou outros meios de troca, como ouro, prata e, mais recentemente, criptomoedas.

Mas um mercado livre para dinheiro não levaria ao caos (monetário)? A resposta é não. São os demandantes de dinheiro que decidem o que será usado como dinheiro. Eles exigirão dinheiro bom, não dinheiro ruim; e um meio de troca preferido surgiria relativamente rápido. Um mercado livre para o dinheiro pode ser facilmente posto em prática: Abole-se o valor agregado e os impostos sobre ganhos de capital em potenciais candidatos a dinheiro, criando assim uma “igualdade de condições” em relação ao dinheiro do governo existente. O resto é feito por fornecedores e compradores de dinheiro.

A inabalável adesão ao dinheiro do estado leva a maioria das pessoas a um beco sem saída, não apenas causando inflação crônica, mas, sobretudo, provocando coletivismo, socialismo e tirania. Portanto, se as pessoas valorizam sua liberdade e prosperidade, não devem tolerar o dinheiro do estado, mas se livrar dele.

Notas

  • [1] Friedman argumenta com base na teoria da quantidade. Portanto, devemos dizer mais precisamente: a inflação dos preços das mercadorias ocorre quando a oferta de dinheiro aumenta em uma quantidade maior e em uma velocidade maior que a oferta de bens.
  • [2] Mises (1940), Nationalökonomie, pp. 387-388.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

spot_img

CONFIRA