O que os recentes ataques à creche e escolas tem a nos dizer

fachada da creche onde ocorreu o ataque

Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Já é de longa data que ataques à escolas e creches vem acontecendo em vários países. Os EUA são um dos palcos onde estes casos aconteceram com destaque. O Brasil também é um dos países que foi cenário de muitas tragédias deste tipo. E os casos mais recentes – um em uma escola e outro em uma creche – reascendem do debate sobre estes acontecimentos.

O ataque à creche em Blumenau (SC)

O ataque mais recente aconteceu em Blumenau, SC. O local do ataque foi a creche Cantinho Bom Pastor, que fica na Rua dos Caçadores, no bairro Velha. As vítimas têm entre 4 e 7 anos, sendo quatro delas mortas e quatro feridas.

De acordo com a polícia, o autor do ataque, um homem de 25 anos, chegou de motocicleta na creche, pulou o muro iniciou o ataque contra as crianças com uma machadinha. As vítimas foram atingidas na região da cabeça. Após a chegada da polícia, o criminoso se entregou.

vídeo da creche onde ataque aconteceu | Reprodução: YouTube/UOL

Também foi descoberto que o autor do crime possui antecedente criminais:

Outros ataques similares

Um outro ataque similar ocorreu em 23 de março, dentro da Escola Estadual Thomazia Montoro, na Vila Sônia, na zona oeste de São Paulo (SP). O autor do crime foi um adolescente de 13 anos. Segundo a polícia, ele esfaqueou quatro professores e um aluno. Uma das vítimas, uma professora de 71 anos, não resistiu aos ferimentos e foi a óbito.

Nesta terça-feira, em uma escola em Osasco (SP), um aluno de 14 anos foi denunciado por portar um canivete e estiletes. Os professores suspeitaram que poderia se tratar de mais uma tentativa de ataque similar ao ocorrido em Vila Sônia.

A Secretária Estadual de Educação de SP (SEDUC-SP) informou que nos últimos meses tem havido várias ameaças de ataques à escolas de São Paulo. As ameaças começaram logo após o ataque realizado em março, na Vila Sônia.

Desde então, o órgão vem investigando o caso e verificando o que pode estar por trás destas ações, além da preocupação com a possiblidade de novos ataques.

Como casos como o da creche e das escolas poderiam ser evitados

Sempre que ataques à escolas acontecem (geralmente com arma de fogo), desarmamentistas entram em cena e gritam que o aumento das restrições do acesso às armas é a solução. Além disso ser uma falácia por não lidar corretamente com o problema – e também por atentar contra o direito dos indivíduos de se armarem – eles não levam em conta casos como os atuais, onde os ataques foram realizados com armas brancas.

Com ou sem armas de fogo, indivíduos decididos a realizar ataques encontrarão alguma maneira. Como foi o caso dos últimos ataques. E por mais que seja verdade que armas de fogo potencializem os ataques, a verdadeira raiz da questão está na falta de segurança nas escolas.

Desarmamentistas acham uma escândalo a ideia de vigilância armada em escolas, baseados puramente em um falso moralismo que demoniza a arma de fogo per se. Armas não matam pessoas. Pessoas matam pessoas.

Os partidários do desarmamentismo podem usar seu falso moralismo e manipulação das estatísticas à vontade, mas é inegável que espaços onde há vigilância armada são menos sujeitos a ataques como os que ocorreram na creche em Blumenau e na escola em Vila Sônia.

Se queremos evitar que crimes hediondos como estes que dizimaram a vida de crianças e adultos inocentes sejam evitados, não há alternativa a não ser garantir segurança armada nestes espaços. Alguns podem enxergar como um exagero. Mas não há exagero quando se trata de evitar perdas de vidas inocentes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

William Ling
Ética

Família Ling quer reconstruir pontes e estradas no Rio Grande do Sul

A família Ling — cujo patriarca começou a vida do zero e fez fortuna no Rio Grande do Sul — se comprometeu a doar R$ 50 milhões para obras emergenciais de infraestrutura. A iniciativa visa ajudar as comunidades a reconstruírem pontes e estradas destruídas pelas inundações. “Quando meu pai chegou no Rio Grande do Sul […]

Leia Mais
Michele Prado e Daniela Lima
Ética

Pesquisadora desmente afirmações de Daniela Lima da Globo e do ministro Paulo Pimenta sobre pesquisa da USP

A pesquisadora Michele Prado, que até então fazia parte de um grupo de pesquisa da USP, desmentiu afirmações da jornalista Daniela Lima, da Globo, e do ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social do Brasil, Paulo Pimenta, de que a pesquisa do grupo citava aumento de fake news durante a tragédia no Rio Grande do Sul. […]

Leia Mais
Enchentes Rio Grande do Sul
Ética

Arquitetos de Pomerode se unem à campanha “ReconstruSUL”, para ajudar na reconstrução de casas no RS

Uma iniciativa por parte de arquitetos na cidade de Pomerode (SC) está se mobilizando para iniciar a reconstrução das milhares de habitações destruídas pelas águas no Rio Grande do Sul. Chamada de “ReconstruSUL”, a campanha tem por objetivo arrecadar materiais de construção e móveis para serem doados aos gaúchos. A iniciativa surgiu no estado de […]

Leia Mais