O ‘Wokismo’ é o culpado pela falência do Silicon Valley Bank? Não e Sim

O wokismo foi responsável pela falência do SVB?

Nos dias que se seguiram ao rápido e chocante colapso do banco do Vale do Silício, se desenvolveu uma narrativa de que o “wokismo” estaria no coração do súbito colapso do banco da Califórnia. Tudo começou com uma aparição do co-fundador, Bernie Marcus, no Fox News by Home Depot.

“Eu me sinto mal por todas essas pessoas que perderam todo o seu dinheiro neste banco woke”, disse Marcus ao anfitrião Neil Cavuto. “Sabe, foi mais angustiante ouvir que os funcionários do banco venderam suas ações antes que isso acontecesse”.

Críticas semelhantes foram feitas por membros do Partido Republicano, incluindo o presidente da House Oversight, James Comer, que criticou a “política e investimento do tipo ESG” da SVB.

As acusações provocaram uma avalanche de respostas da mídia tentando desmascarar as afirmações de que o “wokismo” tinha algo a ver com o colapso do SVB ou a angústia de outras instituições financeiras, tais como o Signature Bank.

“Não há evidências de que as iniciativas de investimento sustentável ou diversidade da SVB tenham contribuído para seu colapso”, escreveu Julian Mark, repórter de negócios e tecnologia do Washington Post.

“Não, a diversidade não causou o colapso do Silicon Valley Bank”, o New York Times assegurou aos leitores em uma manchete.

O que é o ‘wokismo’?

Wokismo ou simplesmente ‘woke’ (acordado/consciente) é um termo surpreendentemente complicado para definir – basta perguntar a Bethany Mandel, que recentemente se tornou viral.

Ela congelou na TV depois de ter sido convidada a defini-la – em parte porque significa coisas diferentes para pessoas diferentes.

O que está claro é que “woke” está interligado com o conceito de Diversidade, Equidade e Inclusão (DEI), uma ideia amplamente definida como uma “estrutura que procura promover o tratamento justo e a plena participação de todas as pessoas, especialmente no local de trabalho, incluindo as populações que historicamente têm estado sub-representadas ou sujeitas a discriminação”.

Tratar todas as pessoas de forma justa não é uma ideia particularmente controversa ou revolucionária, mas os críticos do “woke” reclamam que as iniciativas da DEI vão além do tratamento justo e igualitário dos indivíduos, dando tratamento preferencial aos grupos historicamente marginalizados. Além disso, há uma preocupação de que as iniciativas corporativas da DEI estejam enfatizando causas sociais em detrimento de práticas comerciais sólidas e maximizando o valor para os acionistas.

Por exemplo, a SVB se comprometeu ao fornecer pelo menos US$ 5 bilhões “em financiamento sustentável e operações neutras em carbono para apoiar um planeta mais saudável”. O banco – que está atualmente em processo de falência – também doou US$ 73 milhões para a Black Lives Matter e causas similares de justiça social.

Enquanto isso, surgiu o vídeo do presidente do Signature Bank, Scott Shay, cujo banco foi recentemente fechado pelos reguladores, oferecendo um longo tutorial sobre o uso adequado de pronomes neutros em termos de gênero.

Os próprios proponentes das iniciativas da DEI provavelmente admitiriam que estas são práticas “woke”. Mas será que as palestras e programas “woke” tiveram alguma coisa a ver com o colapso do SVB e do Signature Bank, ambos injustamente (e perigosamente) receberam resgates do governo federal?

Leia tambem: A falência do Banco do Vale do Silício destaca os perigos do sistema de reservas fracionárias

Um Conselho de Administração Negligente

Muitos especialistas financeiros astutos eliminam as alegações de que o “wokismo” causou o acerto de contas enfrentado pela SVB, apontando, com razão, que fatores macroeconômicos desencadearam o caos financeiro em todo o mundo. (O banco suíço Credit Suisse também teve que ser resgatado, e há poucas evidências de que seu colapso estivesse relacionado ao wokismo).

Nos Estados Unidos, o aumento das taxas de juros resultou em muito menos empréstimos, particularmente para startups de tecnologia, que são os principais clientes de bancos como o SVB. Enquanto isso, o SVB havia se abastecido de Títulos do Tesouro (aparentemente de baixo risco), que viram seu valor despencar quando o Federal Reserve começou a aumentar acentuadamente as taxas de juros para combater a inflação desenfreada. Barron informou que mais da metade dos US$ 211 bilhões do SVB em ativos financeiros eram compostos por esses títulos em dificuldade no final de 2022.

“A regulamentação prudencial tradicional deveria ter pegado isso”, disse o Senador Mark Warner (D-Va.) durante uma recente audiência no Senado. “Onde estavam os reguladores?”.

É uma pergunta justa, e membros de ambas as partes estão perguntando . Os bancos devem passar por testes de estresse e supervisão semelhante para evitar o tipo de exposição que destruiu a SVB. Por que isso não aconteceu é uma pergunta que provavelmente será respondida durante as audiências no Congresso, mas pode ter algo a ver com o fato de que o CEO do SVB também fez parte do conselho do Banco da Reserva Federal de São Francisco, que teve supervisão regulatória.

As falhas regulamentórias, no entanto, não devem ofuscar as próprias falhas internas do banco, que são óbvias até mesmo para aqueles sem experiência em bancos de investimento. Por que a carteira do SVB não foi mais diversificada? Por que o banco se expôs a tanto risco e se agarrou à sua queda de títulos do Tesouro por tanto tempo? Por que tantos empréstimos foram estendidos aos tomadores de empréstimos subprime?

Estes são, francamente, erros de principiante.

“A combinação de um conselho de administração negligente com a administração idiota é o coquetel potente que levou a um resultado desastroso”, o investidor e anfitrião do Shark Tank Kevin O’Leary observou no Twitter, após o colapso da SVB.

O’Leary não está errado, mas ele não apontou porque a diretoria da SVB foi negligente.

Acontece que o conselho de administração da SVB era bastante fraco na experiência com bancos de investimento e forte nas conexões políticas. (Para ser justo, há também um bom incentivo econômico para nomear membros do conselho com poder político). Um membro do conselho – Tom King, que ingressou no conselho em setembro de 2022 – tem vasta experiência no setor, mas outros têm relativamente pouca ou nenhuma.

Este é um dos perigos do “wokismo” e da teoria da justiça social. Estes sistemas de valores são explicitamente hostis a conceitos como o mérito individual. A tentação de contratar pessoas com base em fatores – raça, gênero, ideologia, etc. – além do valor que elas podem trazer a uma organização, é ignorar o lucro e os acionistas e, em vez disso, servir a causas sociais maiores.

Se você duvida disso, considere esta entrevista de 2021 com Elizabeth ‘Busy’ Burr, membro do conselho da SVB. Na entrevista, Burr estimula a concentração em “números”. As palavras valor e acionista nem sequer aparecem. Seu foco é a equidade, inclusão e a “maré de racismo e supremacia branca” na América. Meses após a entrevista, a CCO juntou-se ao conselho do SVB. (Burr, ao contrário de outros membros do conselho, passou de fato vários anos no espaço de investimento bancário, trabalhando para a Morgan Stanley e Credit Suisse First Boston, de acordo com o SVB).

Para ser claro, ninguém nega que fatores macroeconômicos – particularmente o enorme bombeamento de dinheiro da Reserva Federal e os esquemas de taxas de juros – desempenharam um papel central no desaparecimento da SVB. Mas não desconsidere o impacto que o woke empresarial teve na criação de uma cultura que enfatizava as iniciativas e objetivos da DEI sobre a criação de valor, a obtenção de lucro e a supervisão adequada de uma empresa que administra bilhões de dólares.

Constantemente nos é dito que o capitalismo precisa ser consertado. Que ele precisa ser mais responsável. Que deve se concentrar mais nas preocupações “ambientais” e “sociais”. Que ele deve incluir mais “partes interessadas” externas.

O colapso da SVB, que era evitável, mostra que estes esforços de “reforma” do capitalismo podem muito bem ser o que o destrói. (O fato de que as autoridades federais intervieram rapidamente para proteger as partes das consequências de suas decisões mostra que, em certa medida, já o fizeram).

Além disso, a economia básica oferece mais uma pista.

Os recursos, nós sabemos, são finitos. Cada um vem com um “custo de oportunidade”, o que significa que cada serviço ou recurso – inclusive o tempo – resulta às custas de algo mais.

Vale ressaltar que o SVB tinha um executivo da DEI, mas, surpreendentemente, não tinha um gestor de risco. Isto é um grande negócio.

O custo de oportunidade nos mostra que os fundos usados para contratar aquele executivo da diversidade poderia ter sido usado, em vez disso, para contratar um gestor de risco. De fato, cada dólar que o banco gastou com diversidade e inclusão e outros programas e iniciativas “woke” poderiam ter sido gastos com outros recursos, incluindo oficiais de risco e testes de estresse que poderiam ter ajudado a SVB a identificar problemas de solvência e limitar a exposição aos fatores macroeconômicos que precipitaram seu colapso.

O “wokismo” pode não ter sido o fator primário para o colapso da SVB, mas a economia básica mostra que ela desempenhou um papel, grande ou pequeno.

Artigo escrito por Jon Miltimore, publicado em FEE, traduzido e adaptado por @rodrigo.

2 respostas para “O ‘Wokismo’ é o culpado pela falência do Silicon Valley Bank? Não e Sim”

  1. Avatar de Libertalks

    Conheço história de donos de Startups que conseguiram aportes milionários sem ter feito 1 venda sequer de sua solução. Eu vejo que até 2021 foi uma época de “dinheiro” fácil, onde ter uma boa lábia e um bom marketing sobre uma solução garantia aporte. Depois da crise pós-pandemia, o dinheiro fácil acabou. As Startups pararam de receber aportes milionários, começaram a fechar quartis em prejuízo, dando calote em investidores e bancos, enquanto seus sócios majoritários desfrutavam de todo valor recebido antes da crise.

    1. Avatar de Rodrigo
      Rodrigo

      A pandemia intensificou a crise. Mas não foi sua causa. Ela já estava em andamento devido à injeção de dinheiro e baixa artificial dos juros pelos bancos centrais. Isso não apenas levou a formação de bolhas, mas até mesmo empresas bem estabelecidas como o SVB a afundar junto

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 thoughts on “O ‘Wokismo’ é o culpado pela falência do Silicon Valley Bank? Não e Sim

  1. Conheço história de donos de Startups que conseguiram aportes milionários sem ter feito 1 venda sequer de sua solução. Eu vejo que até 2021 foi uma época de “dinheiro” fácil, onde ter uma boa lábia e um bom marketing sobre uma solução garantia aporte. Depois da crise pós-pandemia, o dinheiro fácil acabou. As Startups pararam de receber aportes milionários, começaram a fechar quartis em prejuízo, dando calote em investidores e bancos, enquanto seus sócios majoritários desfrutavam de todo valor recebido antes da crise.

    1. A pandemia intensificou a crise. Mas não foi sua causa. Ela já estava em andamento devido à injeção de dinheiro e baixa artificial dos juros pelos bancos centrais. Isso não apenas levou a formação de bolhas, mas até mesmo empresas bem estabelecidas como o SVB a afundar junto

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sinais eletromagnéticos no cérebro
Política

A “Síndrome de Havana” é uma agressão russa ou outra teoria da conspiração da mídia?

Na noite de domingo, o programa 60 Minutes da CBS publicou um segmento sobre a série de episódios médicos misteriosos sofridos por oficiais de inteligência dos Estados Unidos e funcionários do governo que receberam o apelido de “Síndrome de Havana”. Por quase uma década, as autoridades e suas famílias relataram ouvir sons repentinos de zumbidos […]

Leia Mais
Lula Macron Urânio
Política

Governo Lula assina acordo com a França para explorar urânio no Brasil

Representantes dos governos brasileiro e francês assinaram nesta quinta-feira (28), em Brasília, um acordo que prevê colaboração para geração de energia nuclear. Segundo reportagem da CNN, um dos destaques do texto do acordo é um entendimento para a exploração de reservas de urânio no Brasil. O acordo é de grande interesse para o governo francês, […]

Leia Mais
Lula e Maduro
Política

De forma inesperada, governo Lula endurece o tom contra governo Maduro na Venezuela

De forma inesperada, O governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) endureceu o tom com o governo venezuelano de Nicolás Maduro, tradicional aliado das gestões petistas. A repreensão do governo foi feita por meio de uma nota divulgada na última terça-feira (26/3), pelo Itamaraty, onde foi manifestada uma preocupação com o andamento das eleições […]

Leia Mais