sábado, novembro 26, 2022

Os Bancos Centrais estão em Xeque Mate

Há décadas, os bancos centrais vêm baixando suas principais taxas de juros a cada sinal de uma correção econômica. Ao fazer isso, eles tentam encobrir o problema da estrutura de produção se afastando das necessidades do consumidor (“zombificação”) com dinheiro barato. Ajustes contínuos do lado da oferta às necessidades variáveis do lado da demanda seriam um pré-requisito central para uma economia saudável a longo prazo.

Devido a intervenções cada vez mais severas nas fases de correção, a economia, que cada vez mais contorna os consumidores, nunca foi capaz de se recuperar totalmente nas últimas décadas. Um potencial crescente de correção tem se acumulado. Também é problemático que as taxas de juros de referência mal tenham voltado aos níveis pré-crise e que a evolução das taxas de juros de longo prazo tenha apontado para baixo até alguns anos atrás, quando elas chegaram a cair para níveis negativos – um fenômeno que nem mesmo seria possível em uma economia de livre mercado e que mostra até que ponto já estamos presos em uma economia planejada.

As taxas de juros, que os bancos centrais manipulam cada vez mais abaixo do nível natural do mercado, têm o efeito de tornar a dívida mais e mais lucrativa. Não apenas porque os custos de juros dos mutuários são muito baixos, mas também porque sob estas condições cada vez mais dinheiro é criado: porque o dinheiro é criado no sistema monetário estatal como crédito emitido pelo banco central e pelos bancos comerciais aprovados pelo Estado. Isto reduz ainda mais o valor do de cada unidade monetária. Em termos nominais, o mutuário ainda deve a mesma quantia que quando tomou emprestado, mas em termos reais a dívida está cada vez mais corroída pela inflação.

Portanto, não é surpreendente que a dívida, tanto privada quanto pública, tenha aumentado de forma constante nos últimos anos. Isto é problemático porque significa que o banco central tem cada vez menos espaço para aumentar as taxas de juros. Se o fizer, desencadeará uma cascata de sobrecargas de dívidas e falências que terão conseqüências desastrosas e poderão arrastar toda a economia para o abismo. Um cenário de pesadelo.

Por outro lado, o monstro inflacionário que se aproxima está agora no horizonte e ameaça se espalhar fora de controle. Os preços têm subido acentuadamente nos últimos meses. Por um lado, devido à ruptura das cadeias de abastecimento globais causada pelas medidas excessivamente zelosas contra o Covid e pela guerra na Ucrânia, e por outro lado, devido à intervenção maciça da política monetária durante a crise do Covid e nos anos anteriores.

O cenário da inflação também não é cor-de-rosa: nosso dinheiro, nossa poupança e nossas pensões estão ameaçados pela desvalorização. Isto poderia até destruir a moeda nacional como meio de troca e valor, bem como uma unidade de conta, o que comprometeria seriamente a atual estrutura econômica, social e política. Também um cenário de pesadelo.

A única maneira de evitar este pesadelo inflacionário seria aumentar as taxas de juros e tirar bilhões e bilhões de dinheiro recém-criado da economia. Mas você adivinhou: Voltaríamos então ao segundo cenário de pesadelo de colapso econômico. Os bancos centrais se colocariam em cheque com sua política monetária míope.

É possível que os bancos centrais, com sua política monetária de alto risco, tirem sua cabeça da forca novamente, fazendo o público acreditar que o excesso de dinheiro e as baixas taxas de juros não são um problema de forma alguma. Introduzindo o dinheiro do banco central digital e abolindo o dinheiro para aplicar taxas de juros negativas ainda mais extremas. Utilizando a repressão financeira maciça do Estado para salvar jogadores cada vez maiores da bancarrota.

De qualquer forma, estas não são boas perspectivas para a liberdade e propriedade dos cidadãos, que enfrentarão enormes ataques no curso da coletivização da dívida.

Mas o fim da experiência do socialismo monetário, da política monetária planejada, certamente ainda está por vir, e só podemos esperar recuperar rapidamente deste choque e aprender as lições corretas.

Todas as áreas da sociedade reguladas por uma economia planejada estão condenadas ao fracasso mais cedo ou mais tarde, como sabemos pela economia. Somente as coisas que estão expostas à concorrência no mercado e, portanto, têm que provar seu valor repetidamente podem ser robustas, adaptáveis e, portanto, duráveis. O mesmo se aplica ao dinheiro.

A idéia de desnacionalizar o dinheiro, lançada pelo Prêmio Nobel Friedrich August von Hayek, certamente merece mais atenção para que o mesmo erro não se repita após o colapso: substituir a economia do plano monetário fracassado por uma nova economia do plano monetário que, mais cedo ou mais tarde, deverá entrar em colapso novamente.

O economista Roland Baader viu este jogo político historicamente recorrente como uma fraude, porque “reformas monetárias” não são reformas reais:

“Nada está sendo reformado, nem os gastos esbanjadores do governo nem os jogos do banco central com os políticos […]. Apenas uma coisa está sendo deformada: a riqueza dos cidadãos.”

A separação do sistema monetário do Estado também resolve, em grande medida, o problema politicamente induzido dos ciclos econômicos excessivos e dos investimentos errôneos em grande escala (“boom”), que levam a crises financeiras e econômicas recorrentes (“bust”), como o economista Ludwig von Mises salientou de forma convincente. Em vez de uma taxa de juros estabelecida por uma economia planejada, uma taxa de juros de mercado voltaria a prevalecer. Desta forma, as necessidades de consumo futuro dos consumidores seriam ajustadas às necessidades atuais de investimento.

Hoje, a despolitização do sistema monetário ainda pode parecer ilusória e utópica para muitos. Mas devemos tratar disso no nosso próprio interesse. Pois é a única maneira de criar um sistema monetário sustentável para nós e nossos descendentes que não ponha constantemente em perigo a liberdade, a paz e a prosperidade.

  • Se quiser entender melhor como os bancos centrais causam distorções econômicas, prejudicando principalmente você, clique aqui e baixe grátis o livro ‘Pelo Fim do Banco Central ‘, de Murray Rothbard

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

spot_img

CONFIRA