sexta-feira, fevereiro 3, 2023

Os mercados negros de Cuba têm uma importante lição econômica

Mesmo os estados totalitários precisam de mercados para coordenar a produção e organizar os recursos

Os mercados negros sempre foram considerados como redes onde compradores e vendedores negociam bens e serviços notórios por serem moralmente errados. Coisas como drogas pesadas, prostituição ilegal ou armas não registradas estão entre os muitos elementos que as pessoas citam quando alguém introduz a conversa sobre mercados negros na mesa. No entanto, poucos falaram profundamente sobre como os mercados negros podem funcionar e melhorar o bem-estar geral de uma nação. Para isso, não há melhor ponto de partida do que Cuba.

Cuba é conhecida por sua apologia ao comunismo e pela prática de diferentes políticas a ele associadas. A questão de saber se Cuba é uma nação comunista deve ser deixada ao critério do leitor. O que se pode dizer, porém, é que o país tem um governo com capacidade universal de ditar preços. Em 2019, Cuba impôs uma política de controle total dos preços dos produtos que os empresários e vendedores vendiam no mercado. E embora o regime cubano tenha sido mais educado recentemente em abrir setores específicos da economia (aqueles que não afetam o poder dos políticos), a realidade é que nada mudou drasticamente.

Como muitos podem inferir, em uma economia onde o controle de preços é estabelecido, a escassez surgiria como resposta à política ineficiente passada pelo governante. Como disse Henry Hazlitt:

“A fixação de preços e salários é sempre prejudicial. Não há maneira certa de fazer isso. Não há maneira certa de fazer algo errado. Não há maneira justa de fazer algo que não deveria ser feito. ‘nem mesmo definir um preço justo ou um lucro justo ou um salário justo à parte do mercado, à parte do estado de oferta e demanda.”

Tal é o caso que recentemente Cuba teve protestos sobre a escassez de alimentos e remédios; isso de um país cuja principal propaganda tem sido, ao longo dos anos, a defesa do proletário contra o capitalista e a preocupação com o bem-estar social de seu povo. No entanto, os políticos que governam a ilha – principalmente a família Castro – não estão equipados com o conhecimento econômico básico para saber que, se você colocar um preço máximo em um produto, poderá criar escassez. Mas o que é ainda mais prejudicial é que, ao estabelecer preços fixos, a outrora funcional economia que poderia alocar recursos eficientemente deixa de fazê-lo e, em vez disso, surgem maus investimentos.

Os cubanos até gostam de chamar isso de “embargo interno” como uma resposta satírica aos que dizem que a principal causa da destruição econômica em Cuba se deve ao embargo americano. Embora o embargo possa causar algumas dificuldades com as operações de diferentes microempresas na ilha, não é a principal razão pela qual os cubanos sofrem de pobreza maciça. Se esta afirmação não for suficientemente convincente, o fato de Cuba ter terminado o ano passado em 175º lugar no índice de liberdade econômica pode esclarecê-la.

Como as condições na ilha pioraram após o “triunfo” da revolução cubana, os cubanos encontraram uma solução para a escassez de suprimentos e serviços: os mercados negros. Esses mercados fornecem principalmente bens de capital e de consumo que foram vendidos nos mercados por burocratas corruptos – daí a intenção dos burocratas de criar escassez de propósito – ou importados para a ilha por meio de voos comerciais. (Essas importações não devem ser consideradas contrabandeadas por lei, pois são bagagens dos clientes que chegam ao aeroporto. No entanto, o objetivo é que sejam vendidas em mercados não regulamentados.)

Alguns podem perguntar até que ponto esses mercados são acessíveis aos consumidores ou quão perceptíveis são para as autoridades. Bem, a verdade é que existem guias para mostrar aos estrangeiros e turistas na ilha como aceder aos mercados negros. As operações de câmbio negro foram tão normalizadas em Cuba que a única maneira que o governo teve de lutar contra esses comerciantes foi começar a distribuir licenças. Embora o governo tenha formalizado alguns setores de operações de venda, a maior parte do mercado negro em Cuba permanece inalterada.

Os mercados negros cresceram nos últimos quatro anos graças ao acesso à Internet em dispositivos móveis. A introdução da Internet na ilha foi prolongada devido às regulamentações e políticas para monitorar e controlar rigorosamente o que os cubanos carregam em suas redes sociais. No entanto, os esforços para fazer isso são limitados porque a maioria dos cubanos usa aplicativos baseados em texto criptografado como Telegram, Signal ou WhatsApp para comunicar suas ofertas.

Antes do uso desses aplicativos, as trocas eram feitas localmente, dependendo do conhecimento da existência de compradores e vendedores. No entanto, os mercados evoluíram consideravelmente, e algumas pessoas agora vão para outras províncias para comprar os produtos. Em circunstâncias normais, os compradores podem enviar esses produtos e tê-los à sua porta no dia seguinte. Isso é impossível, no entanto, considerando que o serviço de correio de Cuba é altamente corrupto. Muitas vezes, se alguém envia um item, ele é roubado.

Ao trazer itens para vender na ilha, os cubanos não se constrangem. A necessidade é tão generalizada que até o ibuprofeno é escasso. Após o golpe do Covid-19, a necessidade de medicamentos aumentou a ponto de os cubanos que vivem fora da ilha embarcarem drogas e as venderem ilegalmente. Bitcoin também é utilizado em transações por causa do nível de inflação que o peso está sofrendo. Steve Hanke disse que a inflação cubana foi registrada em julho passado em 85% ao ano.

Mesmo assim, alguns libertários como Martha Bueno expressaram preocupação com as plataformas específicas que os cubanos usam para essas transações. Essas plataformas podem transformar o Bitcoin dos cubanos em uma moeda digital do banco central (CBDC) chamada MLC (“Moneda Libremente Convertible“). Esta moeda não tem lastro e foi criada pelo governo cubano para arrecadar divisas estrangeiras e remessas que familiares fora da ilha enviavam a seus parentes. Por isso, Bueno sugere o uso de moedas como o Monero, onde os endereços não podem ser decifrados; dessa forma, ninguém pode determinar quando a transação foi feita ou onde ocorreu.

Novamente, o ponto aqui não é sugerir que Cuba está em transição para um sistema de livre mercado, mas demonstrar como os mercados negros surgiram como resposta a regulamentações prejudiciais e mostrar como seu desenvolvimento impactou a vida dos cubanos.

A ascensão desses mercados negros mostra que a intervenção governamental não é uma solução e, na verdade, funciona contra nossos desejos e necessidades – os consumidores.

Para o bem ou para o mal, mesmo os estados totalitários precisam de mercados para coordenar a produção e organizar os recursos.

Artigo escrito por Carlos Martinez, publicado em FEE.org e traduzido e adaptado por @rodrigo

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

spot_img

CONFIRA