Países ricos, países pobres. Por que as diferenças?

Países ricos e países pobres

O flagelo da pobreza que atinge os cidadãos do mundo em desenvolvimento tem provocado muita discussão nos países ricos. De forma bastante irracional, os países ricos foram acusados de incitar a pobreza nos países pobres. Infelizmente, a suposição de que a prosperidade decorre da exploração ainda é muito popular no meio acadêmico e político. No entanto, o registro histórico lança sérias dúvidas sobre esse argumento.

O imperialismo era o padrão no mundo antigo, mas nenhuma potência imperialista alcançou o crescimento schumpeteriano. Por exemplo, os surtos de progresso econômico na Roma e na Grécia antigas fracassaram apesar das buscas imperiais. De fato, o tesouro nacional é ampliado quando os impérios cobram tributos dos estados conquistados, mas isso não resulta em padrões de vida superiores para as pessoas comuns. A riqueza do Estado não é um indicador de prosperidade individual.

Ao analisar a história, fica claro que a busca pela extração econômica não leva à prosperidade a longo prazo. Normalmente, os países com um histórico de exploração são mais pobres do que seus pares. Na África, o Benin é um anão econômico, apesar de sua história de rapina, mas seus pares menos agressivos, como Maurício e Botsuana, são estrelas econômicas. Da mesma forma, a Costa do Marfim viveu alguns de seus melhores anos quando o país investiu em políticas pró-mercado.

No lado europeu, o império provou ser bastante caro para a Suécia. A Suécia tornou-se a inveja do mundo após o colapso de seu império. Além disso, o sucesso econômico que coincidiu com o imperialismo sueco foi resultado de reformas econômicas e de governança, e não da construção de um império. O Japão experimentou a glória do império no final de sua história e, como em outros exemplos, as evidências mostram que foi um fardo.

Leia também: Descentralização e Ascensão do Ocidente: o Milagre Europeu Revisitado

Usar a influência política para explorar outros países não é uma estratégia de sucesso. Na verdade, a história revela que muitos países pobres fizeram a transição para a riqueza facilitando o comércio em vez de buscar colônias. A Finlândia era um país europeu pobre no início do século XX e não tinha colônias como a Suíça. No entanto, ambos são dois dos países mais bem-sucedidos do mundo.

A principal diferença entre países ricos e pobres é a produtividade. Ser produtivo gera oportunidades de inovação e criação de riqueza. A pobreza é a condição natural da humanidade, e os países enriquecem aumentando o estoque de capital do mundo. Taiwan, Coreia do Sul e Cingapura são países pobres em recursos em relação aos países africanos e latino-americanos, mas devido aos altos níveis de produtividade e inovação, eles se juntaram às fileiras das elites.

Outra característica dos países bem-sucedidos é a alta qualidade de suas instituições. Quando as instituições são projetadas para facilitar o empreendedorismo e a formação de capital, as pessoas se sentirão mais motivadas a produzir porque seus esforços não serão penalizados. De acordo com um estudo de referência, as diferenças entre países em termos de produtividade são uma consequência da qualidade institucional. Da mesma forma, a qualidade institucional também determina a capacidade de um país de atrair investidores.

O capital prospera onde é recompensado e foge de lugares onde é perseguido. Por exemplo, durante a última fase do colonialismo, houve uma mudança para políticas estatistas. Entretanto, após a independência, em vez de promover os mercados livres, as ex-colônias endossaram instituições estatistas que foram erguidas pelo poder colonial. A dependência de regulamentações para extrair recursos do setor e limitar as importações tornou-se a agenda em lugares como Gana e Tanzânia.

É interessante notar que a Tanzânia não enriqueceu, apesar de ser a principal receptora de ajuda externa da Europa. O dinheiro deve ser usado de forma eficiente para que seja valorizado. Distribuir fundos para países pobres é inútil se eles hesitarem em fazer reformas. Assim como a Tanzânia, a Jamaica foi a principal beneficiária da ajuda externa da União Europeia e dos Estados Unidos, mas sua economia só começou a apresentar pequenas melhorias depois de adotar um programa de reforma econômica patrocinado pelo Fundo Monetário Internacional (e isso poderia ter ocorrido sem a ajuda do FMI).

Também é fundamental para o sucesso dos países ricos o fato de eles serem usuários eficientes de capital e tecnologia, pois são mais produtivos. Os países ricos são adeptos da comercialização de produtos e do aprimoramento das tecnologias existentes. Um país pobre produzirá dez mil toneladas de açúcar; entretanto, um país rico sem vantagem comparativa na produção de açúcar produzirá vinte mil toneladas de açúcar com mais eficiência. Além disso, devido à qualidade do capital humano, os países ricos estão preparados para exportar bens de maior sucesso, enquanto os países pobres se concentram em bens de menor valor.

Portanto, a menos que os países pobres façam reformas e aumentem os níveis de capital humano, eles continuarão empobrecidos. Culpar os países ricos por sua pobreza apenas os isentará de responsabilidade e garantirá que eles continuem presos na pobreza.

Artigo escrito por Lipton Matthews, publicado em Mises.org e traduzido e adaptado por @rodrigo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MP da tarifa de luz
Economia

Segundo ex-diretor da Aneel, MP assinada por Lula para baixar a conta de energia terá efeito contrário

Segundo Edvaldo Santana, ex-diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica, a medida provisória para baixar o valor da conta de luz, assinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva na terça-feira (9), tem dispositivos que levarão ao efeito contrário. Segundo Edvaldo Santana e outros especialistas, haverá um aumento da tarifa para os consumidores. A MP […]

Leia Mais
Liga Hanseática
Economia

A Liga Hanseática: Um “Império” do Comércio

Era uma vez um fenômeno medieval do norte, tão sujeito a mitos universais e curiosidade quanto o das encantadoras cidades-república florescentes do sul: a Liga Hanseática dos séculos XIII ao XVI. “O Hansa” (alemão antigo para “associações”) ou “A Liga”, como era conhecido, começou como um tratado entre Lübeck e Hamburgo “para limpar a estrada […]

Leia Mais
Murray Rothbard Pânico de 1819
Economia

Pânico de 1819: A Primeira Grande Crise Econômica dos EUA

Em 1819, se iniciava a primeira grande crise econômica dos EUA. A primeira de muitas das grandes crises que vem abalando a maior economia do mundo. No entanto, essa crise teve algumas características que a diferenciam da maioria das crises subsequentes, como a não intervenção do estado para sua resolução, alem de sua curta duração: […]

Leia Mais