PIX Internacional: Mais um Passo para uma Única Moeda Global

Para aqueles que acompanham o mercado e o Gazeta Libertária, não é novidade que o PIX foi uma porta de entrada criada para a implementação das moedas estatais digitais.

Há algum problema nisso? Pois bem, com a entrada das moedas estatais digitais (CBDC sigla em inglês para Central Bank Digital Currency), os Bancos Centrais passarão a ter controle total sobre a circulação da moeda, bem como a quantidade de dinheiro que você tem, todas as transações que você faz e assim por diante.

A existência de uma moeda digital estatal permite que o Banco Central (BC) não dependa mais do atual sistema bancário para realizar sua política monetária. Sendo assim, toda a política fiscal e monetária estará nas mãos do BC.

O PIX Internacional nesse contexto

Enfim, isto posto, o assunto agora é outro. Uma das pautas em discussão são as possíveis mudanças nas normas cambiais que visam abrir caminho para PIX internacional. O intuito é fazer com que as mudanças sejam em função de baratear e fortalecer pequenas transações entre as moedas.

Portanto, as próximas etapas do já em funcionamento PIX – sistema de pagamento instantâneo do BC – devem abarcar a implementação do PIX internacional, cujo objetivo é permitir a transferência de recursos do Brasil para o exterior e vice-versa. Isso porque o mundo caminha rumo às moedas digitais estatais. Conforme pesquisas, 80% dos bancos centrais já iniciaram projetos para desenvolvimento de moedas digitais e isso obviamente inclui o BC do Brasil, cujo presidente já declarou que imagina o real digital em circulação até 2023. A China, por exemplo, foi a primeira das grandes potências a lançar uma moeda digital.

Porém, ainda em estudo, a nova ferramenta (PIX internacional) não tem previsão para entrar em vigor. Entretanto, a tendência é que o BC do Brasil inicie uma série de mudanças nas normas cambiais em breve, planejando melhorar o atual sistema cambial e introduzir novas tecnologias.

Os Primeiros Passo na direção do PIX Internacional

Para se ter uma noção, de novembro de 2020 até janeiro de 2021, a autoridade monetária abriu uma Consulta Pública de nº 79 (CP 79), com intuito de receber sugestões da proposta de aperfeiçoamento da regulamentação cambial. O assunto já foi até mesmo discutido em um Webinar realizado pela Associação Brasileira de Internet (ABRANET). Este Webinar, que recebeu o nome de “CP 79: A Evolução dos Facilitadores de Pagamento Internacionais”, aconteceu no dia 13/04/2021.

De acordo com o chefe do Departamento de Regulação Prudencial e Cambial (DEREG), a CP recebeu mais de 300 contribuições e todas estão sendo analisadas pelo BC, antes da nova norma ser votada pela diretoria colegiada do banco.

Eles deixam claro que o propósito é trazer modernas formas de pagamento de maneira mais clara para dentro da regulamentação cambial, bem como abrir um leque de possibilidades de operações e potencializar os serviços prestados por meio digital. Portanto, podemos chegar à conclusão de que não só o Brasil, mas o mundo caminha a passos largos para um sistema internacional a fim de, em breve, ser implementada uma moeda única mundial e totalmente digital.

Isso não é algo novo, é um desejo antigo. Em 2009, por exemplo, a ONU defendeu a criação de uma moeda única global; já em 2020, o FMI propôs uma moeda digital global e chegou citar o fim do domínio do dólar; segundo a Forbes, a China propôs nesse ano uma regra global para moedas digitais de bancos centrais; e daí por diante.

Enquanto isso não acontece, resta-nos apenas ficar no aguardo dos próximos capítulos e, claro, sempre de olho no mercado internacional para que possamos nos manter atentos e sempre protegidos contra o leviatã.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Livrarias
Economia

Projeto no Senado pretende fixar preço de livros e limitar desconto

O projeto de lei 49/2015 do Senado, agora chamado de Lei Cortez, pretende fixar o preço dos livros e limitar os descontos, que não deverão ultrapassar 10% dirante o período de 12 meses após lançamento. A iniciativa é amplamente favorecida por várias livrarias que alegam sofrer “concorrência desleal” com empresas maiores, como a Amazon. A […]

Leia Mais
Vietnã
Economia

Como o capitalismo venceu o socialismo no Vietnã

Phung Xuan Vu, de oito anos, e seu irmão de 10 anos foram responsáveis por buscar comida para sua família, que estava em constante aperto de fome. Eles viviam no Vietnã na década de 1980, então isso exigia cartões de racionamento. Um dos bens mais importantes da família era um livreto de vales-alimentação. Como a […]

Leia Mais
Argentina
Economia

Ação Humana em seu 75º aniversário nos ajuda a entender como o estatismo dizimou a Argentina

O septuagésimo quinto aniversário do livro Ação Humana de Ludwig von Mises nos convida a refletir sobre as conquistas acadêmicas de Mises e como a corrente econômica dominante ainda não alcançou seus avanços na economia. Como Jesus Huerta de Soto aponta em seu estudo preliminar para a versão em espanhol da décima terceira edição de […]

Leia Mais