Políticas ruins criam inflação e abrem as portas para ideias ainda piores

Políticas ruins criam inflação e abrem as portas para ideias ainda piores

Não é nenhuma surpresa para ninguém que regularmente compra mantimentos ou põe gasolina no carro que os preços estão subindo. A inflação atual é a mais alta dos últimos 40 anos, mordiscando as economias, zombando dos orçamentos e incitando medo sobre a capacidade das pessoas de dar conta do recado. O que é irritante é que esses preços em alta são em grande parte o resultado de escolhas políticas tolas e que há, na verdade, um eleitorado para dobrar a interferência política na economia para prejudicar ainda mais nossa liberdade e prosperidade.

“O público vê a inflação como o principal problema enfrentado pelos Estados Unidos – e nenhuma outra preocupação chega perto“, informou a Pew Research na semana passada. “Sete em cada dez americanos veem a inflação como um problema muito grande para o país, seguido pela acessibilidade dos cuidados de saúde (55%) e crimes violentos (54%).”

O foco compreensível na inflação vem depois de outro mês de alta de preços. Enquanto o Indíce de Preço ao Consumidor mostra que a taxa de inflação imergiu por um fio da porcentagem de 8.5% em Março para 8.3% em Abril, que continua “o maior crescimento em 12 meses desde o periodo de Abril de 1981,” de acordo com a Secretária de Estatísticas Trabalhistas dos Estados Unidos.

Essa queda pode ser atribuída em grande parte a uma queda nos preços da energia, que ainda deixou a categoria 30% mais cara do que no ano anterior. A gasolina estava 43% mais cara do que em abril de 2021. A comida, uma compra inevitável para praticamente todos nós, era 9,4% mais cara.

Analistas acreditam que a inflação atingiu o pico e é liderada por um ritmo anual de 4%, o qual continua acima do objetivo de 2% do Banco Central Americano. Mas o Índice de Preço de Produção, considerado o principal indicador de preços pagos por consumidor, mantendo a 11%, sugerindo que sentiremos mais dor antes de aproveitar cada modesto alívio. Enlouquecedoramente, esses preços ascendentes são pelo menos o resultado da tentativa de oficiais do governo de nos “ajudar” através da pandemia e mandatos de lockdowns.

“Desde a primeira metade de 2021, a inflação dos Estado Unidos tinha superado a inflação em outros países desenvolvidos,” Òscar Jordà, Celeste Liu, Fernanda Nechio e Fabián Rivera-Reyes escreveu uma análise de Março para o Banco Central de São Francisco. “Estimativas sugerem que medidas de suporte fiscal designadas para contrapor a severidade dos efeitos econômicos da pandemia devem ter contribuído para essa divergência no aumento através de alta inflação sobre 3% pelo fim de 2021”.

Os economistas do Fed tentam suavizar suas críticas argumentando que “sem essas medidas de gastos, a economia poderia ter caído em deflação total e crescimento econômico mais lento”. Mas isso é especulativo. Talvez esses efeitos negativos pudessem ter sido evitados com menos intervenções pesadas na economia, como fechamento de negócios, ou compensações sem inundar o mundo com dólares. Afinal, grande parte do planeta evitou aumentos de preços comparáveis.

“Governos de todo o mundo gastaram muito para combater a pandemia, é claro, mas poucos distribuíram dinheiro diretamente aos cidadãos como o governo americano fez”, observou Eric Boehm, da Reason.

Jordà, Liu, Nechio e Rivera-Reyes não estão sozinhos em suas conclusões sobre gastos exagerados.

“A partir de março de 2020, em resposta às interrupções do Covid-19, o governo dos EUA criou cerca de US$ 3 trilhões em novas reservas bancárias, equivalentes a dinheiro, e enviou cheques a pessoas e empresas”, argumentou John Cochrane, economista da Hoover Institution, em um recente relatório. “O Tesouro então emprestou outros US$ 2 trilhões e enviou mais cheques. A dívida federal geral aumentou quase 30%. É uma surpresa que um ano depois a inflação estoure? É difícil pedir uma demonstração mais clara da inflação fiscal, uma imensa queda do helicóptero fiscal.”

O presidente está submerso em todos os aspectos, mas a média de pesquisas da RealClearPolitics sobre seu manejo da economia atualmente tem o índice de aprovação de Biden em um desanimador 37,1%.

“À medida que os preços nos EUA continuam a subir por ritmos não vistos em décadas, ficou claro que o estímulo teve um custo significativo e não intencional: inflação”, concordaram Santul Nerkar e Amelia Thomson-DeVeaux para FiveThirtyEight. “Não está claro se a inflação atingiu seu pico, mas a situação agora é econômica e politicamente tóxica, e deixou muitos dos mesmos formuladores de políticas, defensores e economistas agora perguntando se as verificações de estímulo foram um erro”.

Infelizmente, ajustes políticos anteriores em uma economia abrem a porta para ajustes políticos posteriores, à medida que a situação se deteriora de maneiras que o público nem sempre entende. Oferece uma oportunidade a ser explorada por autoritários que desejam maior controle governamental da produção, compra e venda.

“Os preços que os americanos estão pagando por mantimentos e outros itens essenciais são os mais altos de todos os tempos”, bufou a senadora Elizabeth Warren (D-Mass.) na semana passada. “Uma das razões? Corporações gigantes estão manipulando preços e colhendo lucros recordes. Precisamos acabar com a extorsão corporativa que eleva os preços para as famílias.”

Os escritores do FiveThirtyEight apontaram que os democratas pressionaram por maiores verificações de estímulo como parte de seu esforço para vencer os segundos turnos do Senado da Geórgia. Dar dinheiro grátis às pessoas era uma maneira aparentemente promissora de comprar suporte contínuo. Em fevereiro de 2021, 78% dos democratas e 64% dos republicanos apoiavam fortemente a ideia de receber cheques gordos. Mas vastas infusões de dinheiro novo em uma economia corroem o poder de compra.

“Os eleitores não parecem estar recompensando os democratas e Biden pelo dinheiro extra concedido pelo estímulo”, acrescentaram Nerkar e Thomson-DeVeaux. “A maioria dos eleitores culpa Biden pela inflação – incluindo uma parcela considerável dos democratas – e desaprova sua maneira mais ampla de lidar com a economia.”

O presidente está submerso em todos os aspectos, mas a média de pesquisas da RealClearPolitics sobre seu manejo da economia atualmente tem o índice de aprovação de Biden em uma pontuação desanimadora de 37,1%.

Infelizmente, ajustes políticos anteriores em uma economia abrem a porta para ajustes políticos posteriores, à medida que a situação se deteriora de maneiras que o público nem sempre entende. Oferece uma oportunidade a ser explorada por autoritários que desejam maior controle governamental da produção, compra e venda.

“Os preços que os americanos estão pagando por mantimentos e outros itens essenciais são os mais altos de todos os tempos”, esbravejou a senadora Elizabeth Warren (D-Mass.) na semana passada. “Uma das razões? Corporações gigantes estão manipulando preços e colhendo lucros recordes. Precisamos acabar com a extorsão corporativa que eleva os preços para as famílias.”

Isso é BS, como os economistas apontam. Mas é uma forma de Warren e seus aliados ideológicos culparem o setor privado pelas falhas do governo. Eles propõem penalizar as empresas por responderem ao declínio do poder de compra do dólar com “aumentos de preços inconcebivelmente excessivos”, um termo “que foi perturbadoramente definido em nenhum lugar da legislação”, observou Liz Wolfe, da Reason.

É menos provável que o resultado de mais uma intervenção nos mercados sejam preços mais baixos do que disponibilidade reduzida de bens se os produtores não puderem recuperar os custos medidos em dólares que perdem valor a cada dia. Sem dúvida, os políticos verão isso como mais uma razão para culpar bodes expiatórios e pressionar para expandir seu próprio poder. Quando os políticos quebram a economia, eles nos prejudicam no curto prazo, mas também criam oportunidades futuras de causar danos em nome de desfazer o dano que infligiram.

  • Artigo escrito por J.D. Tuccille, publicado originalmente na Reason e traduzido por Joaquim Gabriel

One thought on “Políticas ruins criam inflação e abrem as portas para ideias ainda piores”

  1. Bolívia é reconhecida mundialmente por política econômica de sucesso contra inflação
    ——————————
    Conforme aponta Jorge Richter, porta-voz boliviano, país tem indicadores “que ninguém pode ocultar, manipular, nem ajeitar”
    https://dialogosdosul.operamundi.uol.com.br/america-latina/74778/bolivia-e-reconhecida-mundialmente-por-politica-economica-de-sucesso-contra-inflacao?fbclid=IwAR06pfxJOeWg8JPKZF3jXtwGw7IZdRRmmcZ-c1uInufDLIvr-iFtqYbFxuQ

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Lei sancionada por Lula pode aumentar os custos com autoescola

O presidente Lula sancionou na última quarta-feira, 15, a lei 14.92/24, que estabelece a idade máxima dos veículos destinados à formação de condutores. Tal medida poderá aumentar os custos das autoescolas, já que elas precisarão trocar os veículos utilizados nos cursos de condução com mais frequência. A lei A lei 14.92/24 estabelece a idade máxima […]

Leia Mais
Economia

Isenção do imposto sobre a carne é derrota de Lula, e não sua vitória

Após a inclusão da carne bovina entre os alimentos isentos de impostos ser aprovada no Congresso, Haddad se manifestou afirmando que a decisão seria uma vitória do presidente Lula. No entanto, falas anteriores de Lula sobre tributar carnes nobres mostram que isso não era uma pretensão do petista. Carne isenta de impostos Na última quarta-feira […]

Leia Mais
Economia

Superpopulação: Um Mito Antigo Refutado

O príncipe Philip disse certa vez: “Caso eu reencarne, gostaria de voltar como um vírus mortal, para contribuir de alguma forma para resolver o problema da superpopulação”. O falecido Duque de Edimburgo faleceu em 2021, mas o sentimento histérico que ele expressou sobre a superpopulação continua vivo. Uma pesquisa da YouGov revelou que as preocupações […]

Leia Mais