O preço da farra do Fed já chegou

O preço da farra do Fed já chegou

O que os economistas austríacos já vinham prevendo nos últimos anos já está perto de se concretizar: a recessão econômica está chegando! A farra do Fed com impressão de dinheiro e expansão artificial do crédito para manter investimentos insustentáveis e manter assim uma falsa aparência de economia saudável, foi uma tentativa fracassada de adiar o inevitável.

Economia americana em pânico

A expectativa dos economistas mainstream de que as injeções de dinheiro do Fed poderiam manter o crescimento da economia americana, vem sendo frustrada pela queda na Bolsa de Valores, aumento de demissões, redução no consumo e queda nas negociações imobiliárias.

A Bolsa de Valores, por exemplo, teve uma perda de cerca de US$ 1,5 trilhão, com os índices voltando a cair nesta quinta-feira. As Bolsas de Valores da Europa, Ásia e do Brasil também fecharam em baixa nesta quinta-feira, refletindo a crise financeira que já está se espalhando no mundo todo. Em Wall Street, a Apple e a fabricante de chips Broadcom tiveram queda de 2,5% e 4,3%, respectivamente.

A realidade é que a inflação está subindo e as taxas de juros estão subindo”, disse Terry Sandven, estrategista-chefe de ações do US Bank Wealth Management em Minneapolis, Minnesota. 

A queda no consumo é outra consequência da crise sendo sentida pelas empresas. Com a alta da inflação, vários varejistas, como Walmart e Target, reduziram as previsões de lucros para o ano inteiro.

Isso levará a um crescimento mais lento do emprego nas indústrias de varejo e comércio eletrônico“, disse Bill Adams, economista-chefe do Comerica Bank em Dallas, Texas. 

A liquidação do mercado de ações pode diminuir o sentimento dos negócios e tornar algumas empresas mais cautelosas sobre as contratações, especialmente aquelas que têm fluxo de caixa negativo e dependem do dinheiro dos investidores para financiar operações como muitas startups

informou Adams.  

Com a redução dos lucros de muitas empresas e até quebra de outras, cortes nos custos são inevitáveis, e isso inclui demissões de funcionários. O aumento de desemprego também é preocupante, levando a um aumento de 21 mil pedidos de seguro-desemprego somente na última semana.

Diagnóstico errado

Ao contrário do que a mídia alinhada com a economia mainstream pensa, não é a decisão do Fed de subir a taxa de juros que está gerando essa crise (que inevitavelmente irá desembocar em uma ressecção), mas sim, as políticas anteriores do Fred, com expansão da oferta monetária e o crédito, levando à investimentos insustentáveis na conjuntura atual.

A decisão do Fed é na verdade uma tentativa de frear a inflação e quem sabe, adiar a ressecção. Consequentemente, isso irá adiar o que já estava por vir, com a consequente queda nos lucros de várias empresas e falência de outras, levando ao aumento do desemprego e desaceleração da economia.

No entanto, mesmo a elevação dos juros pelo Fed não pode evitar a ressecção que está por vir, apenas conseguindo no máximo adiantar o problema e evitar que ele se tornasse pior, caso ele persistisse em manter a taxa de juros artificialmente baixa.

Outra falha dos economistas mainstream, é em acreditarem que a pandemia (na verdade, as paralizações) e a guerra entre Rússia e Ucrânia são as únicas causas da crise. Ignoram a expansão da oferta monetária e do crédito como a principal causa, enquanto as já citadas apenas agravaram a situação.

O quê está por vir?

Caso os estados do mundo todo não interfiram, a ressecção que virá irá impactar fortemente várias indústrias, levando muito mais empresas à falência e muitas pessoas ao desemprego. Para aqueles não familiarizados com a Escola Austríaca de Economia, isso pode parecer algo que deva ser evitado a todo custo pelos estados. No entanto, para os familiarizados com a economia austríaca, isso é um processo doloroso, mas necessário, uma vez que permitirá que investimentos insustentáveis liberem recursos para empreendimentos que refletem as condições reais do mercado, e isso inclui a absorção da mão de obra que ficar desempregada.

Infelizmente, pelo histórico que temos da gestão do governos diante das crises, é possível presumir que provavelmente irão fazer de tudo para manter sua popularidade injetando mais dinheiro na economia e mantendo negócios insustentáveis apenas para evitar as dores da ressecção. Os economistas austríacos sabem que isso irá apenas arrastar o problema e evitar que o problema seja de fato resolvido.

Nos resta apenas torcer para que evitem ao máximo interferirem nisso, o que se tratando dos políticos é pouco provável.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vietnã
Economia

Como o capitalismo venceu o socialismo no Vietnã

Phung Xuan Vu, de oito anos, e seu irmão de 10 anos foram responsáveis por buscar comida para sua família, que estava em constante aperto de fome. Eles viviam no Vietnã na década de 1980, então isso exigia cartões de racionamento. Um dos bens mais importantes da família era um livreto de vales-alimentação. Como a […]

Leia Mais
Argentina
Economia

Ação Humana em seu 75º aniversário nos ajuda a entender como o estatismo dizimou a Argentina

O septuagésimo quinto aniversário do livro Ação Humana de Ludwig von Mises nos convida a refletir sobre as conquistas acadêmicas de Mises e como a corrente econômica dominante ainda não alcançou seus avanços na economia. Como Jesus Huerta de Soto aponta em seu estudo preliminar para a versão em espanhol da décima terceira edição de […]

Leia Mais
Tomate
Economia

Saboreie o gosto da Independência, cultive-a você mesmo!

Cultivar os seus próprios tomates pode ser muito mais gratificante do que o doce sabor da sua colheita. Os benefícios adicionais tradicionais fazem com que muitos de nós regressem estação após estação. Se é um jardineiro, conhece a grande sensação de agir diretamente sobre a natureza para produzir os alimentos que come. Cultivar tomates leva-o […]

Leia Mais