sexta-feira, maio 20, 2022

Primeira desestatização portuária do Brasil será leiloada

O Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDS) aprovou a privatização da Companhia Docas do Espírito Santo (CODESA) que será então a primeira desestatização portuária do Brasil. O leilão já tem data marcada dia 25 de março.

O contrato terá vigência de 35 anos e será prorrogável por mais cinco anos, com previsão de R$ 334,8 milhões em investimentos privados, além de aproximadamente R$ 1 bilhão para custear as despesas operacionais. Se espera que com isso sejam gerados mais de 15 mil empregos diretos, indiretos e efeito-renda ao longo do contrato de arrendamento.

“A desestatização vai trazer muito mais flexibilidade em termos de gestão, o que implica mais facilidade na construção de inovações para os atuais arrendatários e para atrair investimentos de forma mais rápida

afirmou o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.

A concessão será a primeira desestatização portuária do país, iniciada sob a Lei dos Portos, de 2013. O projeto visa a atração de parceiros da iniciativa privada com capacidade técnica, operacional e financeira para trazer maior agilidade à gestão portuária, facilitando a realização de investimentos e o desenvolvimento de novos negócios nos portos organizados.

O contrato de concessão aprovado pela ANTAQ prevê ainda que o concessionário deverá observar indicadores de nível de serviço, visando a manutenção da qualidade das operações no complexo portuário. O acordo prevê também que o concessionário deverá assumir os compromissos e o endividamento existente na companhia.

Vencerá o leilão aquele investidor que oferecer o maior ágio à outorga mínima, fixada em R$ 1,00, e que deverá ser paga à vista. Além deste valor, a empresa que assumir a Codesa deverá pagar à União contribuições fixas anuais, no valor de R$ 24,75 milhões e contribuições variáveis equivalentes a 7,5% da sua receita. O futuro concessionário também irá pagar uma taxa anual de fiscalização à Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ) de R$ 3,188 milhões, que servirá para custear o trabalho de fiscalização e regulação no modelo de concessão.

Apesar do processo ser chamado de “privatização” não será uma privatização de fato uma vez que continuará existindo uma pesada participação do estado na empresa.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

CONFIRA