segunda-feira, outubro 3, 2022

Privatize Tudo! -Entrevista de Hans-Hermman Hoppe para o The Freedom Post

Quando se trata do tema da liberdade, ninguém supera Hans-Hermann Hoppe, que foi professor da Universidade de Nevada por muito anos.

O terror dos economistas não quer um estado enxuto, mas sim nenhum estado. Os impostos são roubos, diz ele. Karin Hiebaum, do The Freedom Post, encontrou-se com ele em Viena para uma entrevista: Professor Hoppe, você é considerado um anarco-capitalista, um paleolibertário.

Essa caracterização é verdadeira?

Hans-Hermann Hoppe: Sim, você pode dizer isso. E além disso, defendo a sociedade de direito privado puro. Todas as relações entre as pessoas devem ser reguladas pelo direito privado, o direito público deve ser abolido. Por que o Estado deveria fazer cosias que os seus cidadãos não estão autorizados a fazer?

Hiebaum: De fato o estado expropria pessoas por meio de impostos e as envia para a guerra. De onde vem essa rejeição ao estado?

Hoppe: Ludwig von Mises, e também Hermann Schulze-Delitzsch, propagavam um estado mínimo que só se preocupa com a lei e a defesa nacional. Isso é bom, mas vou além disso. Porque o problema é que: cada estado mínimo automaticamente se desenvolve em um estado máximo. Porque um Estado tem a última palavra em todas as disputas, mesmo aquelas em que está envolvida. Então ele resolverá todos os conflitos a seu favor.

Ele pode legislar e pagar os juízes com dinheiro de impostos. Aqueles que têm tais poderes sempre vão querer expandi-los. Uma vez que o princípio básico de que todos têm os mesmos direitos foi violado, não há como recuar.

Hiebaum: Eles chegam à conclusão de que o Estado como o conhecemos deve ser abolido. Seria, de certa forma, apenas uma organização privada.

Hoppe: Exatamente. Se alguém quer pertencer ao Estado, é claro que ele deve ser autorizado a fazê-lo – com todos os direitos e obrigações, como o pagamento de impostos. Mas se você não quer isso, você tem que ter o direito de fazê-lo.

Hiebaum: Então muitos provavelmente iriam embora. Você não tem medo que isso leve ao caos e à anarquia. À um mundo em que apenas a lei do mais forte se aplica?

Hoppe: Não. Afinal, existem prestadores de serviços de segurança e seguros no mercado. Eu posso ter a mim e minha propriedade segurada. Eu só preciso pagar um certo preço por isso. Caso surjam conflitos, seria do interesse de todos resolvê-los eficientemente. As companhias de seguros têm regulamentos internos para resolução de litígios entre seus membros. E então você também poderia concordar com tribunais neutros – claro também privados – de arbitragem. Muitas empresas ativas internacionalmente já estão fazendo isso. Há também serviços de segurança privada, por exemplo, nos EUA.

Hiebaum: Mas então como você lida com a violência, com os infratores que não se submetem ao seguro ou à regulamentação voluntária?

Hoppe: É simples: a seguradora da vítima irá rastrear o criminoso e o condená-lo. Mesmo agora são sentenciadas pessoas que não reconhecem a lei. As companhias de seguros teriam um código de penalidade destinado a reparar os danos. Indenizar a vítima seria a prioridade. Esse não é o caso agora. O Estado prende as pessoas e a vítima ainda tem que pagar pela prisão do agressor com o pagamento de seus impostos.

Hiebaum: Segundo o senhor, o Estado também é uma organização criminosa. Você também prega: impostos são expropriação, política social é roubo, falência do Estado é uma benção. No momento, no entanto, o estado está mais forte do que nunca. Ele regula os bancos e cobra novos impostos. O que deu de errado?

Hoppe: O problema é o seguinte: o Estado tornou agora grande parte da população dependente de dele. Apenas um terço das pessoas nos países industrializados são independentes do Estado quando em questão de renda. Os restante da população é formada por pensionistas, funcionários públicos, beneficiários líquidos, desempregados ou empresas que vivem do Estado como seu principal cliente. E todos votam nas eleições para que as coisas permaneçam assim.

Hiebaum: Quais países estariam mais próximos do seu ideal?

Hoppe: A Suíça é certamente um país meio exemplar. Liechtenstein, Hong Kong e Cingapura também estão entre eles. De qualquer forma, os estados pequenos são melhores do que os estados de bem-estar social, como a Áustria ou a Alemanha.

Hiebaum: Na Áustria, os economistas liberais ficariam felizes se a taxa de impostos caísse para 40%. Como você reduziria os impostos?

Hoppe: Qualquer medida que reduza impostos está correta para mim. Sou apenas contra as reformas tributárias neutras em termos de receita, ou seja, onde um imposto é substituído por outro. As poucas pessoas produtivas e pagadoras de impostos que ainda existem teriam que criar um lobby para resistir – até mesmo a ponto de um boicote fiscal. Um passo importante também seria se os empregadores não cobrassem mais impostos sobre a folha de pagamento em nome do Estado. As empresas deveriam dizer: “Não iremos mais fazer esse trabalho por você. Se você quer impostos, cobre-os você mesmo. Se cada indivíduo tivesse que pagar seu imposto no final do ano, a resistência seria muito maior do que é agora.

Hiebaum: Existe realmente uma forma de imposto que você poderia aceitar?

Hoppe: Sou contra todas as formas de impostos, mas um poll tax (todo cidadão paga exatamente a mesma quantia) ainda seria o melhor imposto porque certamente seria o mais baixo. Porque eles teriam que ser ajustados de tal forma que até os mais pobres poderiam pagar por eles.

Hiebaum: As cooperativas como associações voluntárias estariam legitimadas em seu mundo?

Hoppe: Não tenho objeções às cooperativas. Eles são uma maneira legítima de administrar um negócio.

Hiebaum: Eles não querem um estado e, portanto, também nenhum banco central. Neste caso então, como seria o sistema bancário?

Hoppe: Os bancos centrais são monopolistas que podem imprimir cédulas. Eles fazem uso maciço disso simplesmente porque podem. Quem não gostaria? Por isso devem ser extintos . O que resta são os bancos comerciais que devem fornecer dois serviços completamente separados: como bancos de depósito, eles devem manter o dinheiro das pessoas, processar transferências e cobrar uma taxa por isso. No entanto, esse dinheiro não pode ser emprestado. Os depositantes devem poder recuperá-lo a qualquer momento. Além disso, deve haver uma função de poupança e empréstimo. Os poupadores deliberadamente renunciam ao seu dinheiro por um determinado período de tempo, onde pode ser emprestado. O banco ganha com a diferença nas taxas de juros.

Teríamos então um sistema monetário de commodities novamente. Ainda haveria notas, mas seriam lastreadas em ouro ou prata. O papel-moeda só valeria alguma coisa se representasse a propriedade de bens que não sejam de papel. Você nunca aceitaria uma nota minha que dissesse: 100 Hoppes. Não haveria mais vantagem para os bancos neste cenário: Você tem medo de que as taxas de juros negativas venham em grande escala? Não neste cenário. Você poderia retirar seu dinheiro e guardá-lo em casa.



Mas se prevalecer a ideia do banimento do dinheiro, que já está no horizonte, essa forma de expropriação seria possível a qualquer momento com o apertar de um botão.

Hiebaum Como você investiria 100.000 euros no momento?

Hoppe: Eu mesmo investiria parte dele em ouro ou prata. Também compraria ações de empresas que acredito oferecerem um excelente produto.

Quando eu estudava empresas, me perguntava: o que está sendo fabricado? Você pode tocar no produto? Posso julgar por mim mesmo? Eu nunca investiria em coisas que não entendo. E é claro que eu nunca compraria títulos do governo. Se o fizesse, seria então um semi-criminoso porque estaria apoiando uma empresa criminosa.

Hiebaum: Este ano, em Alpbach, o senhor causou um certo furor com esta frase: não há direitos humanos além do direito de possuir o próprio corpo e o direito à propriedade. O que isso significa?

Hoppe: Significa apenas que esses dois direitos são suficientes. Não há, por exemplo, um direito humano à computadores ou a uma renda mínima.

Hiebaum: E quanto aqueles que não quiserem desistir do computador?

Hoppe: Para fazer cumprir isso, ele teria que violar os direitos dos outros.

Hiebaum: E quanto ao direito de asilo?

Hoppe: Embora o direito à emigração seja legítimo, não pode haver direito à imigração e nenhum direito à assistência. a ajuda deve ser voluntária.

Hiebaum: Como você lidaria com a pobreza?

Hoppe: Existem igrejas e instituições de caridade para isso. Eu cresci em uma aldeia, e nela havia alguns indigentes . Todos foram ajudados de forma totalmente voluntária. Há uma enorme diferença entre ser caridoso por vontade própria e roubar o dinheiro de outras pessoas como os políticos fazem para fazer isso. Isso se chama política social!

Hiebaum: O senhor também possui um problema com a democracia. Chegando até a afirmar que a monarquia é melhor. O senhor não estaria ignorando o poder das eleições livres?

Hoppe: Democracia significa que a maioria decide. No nosso caso, os contribuintes decidem sobre a minoria dos contribuintes. E políticos eleitos são apenas administradores temporários, então eles só têm coisas de curto prazo em mente. Um monarca, por outro lado, quer passar sua terra dentro da sucessão, ele é orientado para a preservação a longo prazo. Tomemos o exemplo de duas casas idênticas: uma é habitada pelo proprietário, que também pode repassá-la, a outra por um inquilino cujo contrato só dura cinco anos. Quem você acha que vai tratar melhor a casa?

Hiebaum: O estado não será abolido tão rapidamente, nem uma monarquia será restabelecida. O senhor teria alguma solução prática?

Hoppe: Os movimentos de secessão podem ser uma solução provisória: se há estados, então que sejam os menores possível . Assim, as pessoas poderiam votar com os pés: se os impostos forem muito altos em um país, eles poderão emigrar para outro. A descentralização e a concorrência fiscal entre os cantões também é o segredo do sucesso da Suíça. O pior seria um estado mundial. A pressão para reduzir o poder do Estado e baixar os impostos desapareceria completamente.

Hiebaum: Parece que nosso sistema econômico está condenado. O grande cash está chegando?

Hoppe: Sim, está chegando. O sistema de pensões entrará em colapso, os pensionistas ficarão empobrecidos. Os salários reais da classe média já não estão crescendo. Nosso estado de bem-estar falhará como o comunismo. Ele é apenas uma forma um pouco mais moderada dele, então por isso levará mais tempo para colapsar.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

spot_img

CONFIRA