segunda-feira, outubro 3, 2022

Quem realmente foi Winston Churchill

Logo após vitória nas eleições 2018, em um discurso nas redes sociais, o presidente eleito Jair Bolsonaro mostrou um livro de um dos mais conhecidos políticos da história, o ex-primeiro-ministro britânico Winston Churchill.

No discurso, havia quatro livros na mesa: uma Bíblia, um livro do filósofo Olavo de Carvalho, e um livro de Churchill, assim como a Constituição Federal. O livro de Churchill foi mencionado pelo apresentador William Bonner da TV Globo, Bonner elogiou o político inglês como sendo um grande estadista do século passado.

Na mesma eleição, o candidato Ciro Gomes também citou o ex-primeiro ministro britânico durante o primeiro turno.

Recentemente, por ocasião da guerra na Ucrânia, algumas pessoas (até mesmo analistas políticos e propagandistas), usaram as redes sociais pra comparar o presidente ucraniano Zelensky com o estadista britânico, na tentativa, é claro, de elogia-lo.

Durante décadas, a propaganda da mídia ocidental, sobretudo inglesa, trabalhou incansavelmente para sustentar a imagem de Churchill como um exemplo de estadista, defensor da liberdade e salvador da ordem global. O mito fabricado de Churchill é provavelmente a maior mentira midiática do século passado. Infelizmente a verdadeira história sobre quem foi Winston Churchill se encontra ainda desconhecida para a maioria do público, cujo único contato com a existência do ex-primeiro ministro britânico foi por meio da própria mídia — leia-se “propaganda”. A história das guerras é contada pela interpretação do lado vencedor.

O Churchill que poucos conhecem

A verdade sobre o verdadeiro Churchill é que ele era “um homem do estado: do estado de bem-estar social e do estado de guerra” na frase de efeito do professor Ralph Raico. A verdade sobre Winston Churchill é que ele era uma ameaça para a liberdade e um desastre para a Grã-Bretanha, para a Europa, para os Estados Unidos da América e para a própria civilização ocidental.

A história de Churchill é um mito. Como veremos, o Winston Churchill sobre o qual nos falam não é o Churchill conhecido pela verdadeira história, mas sim uma versão fictícia do homem e suas ações. E essas palavras e ações produziram nossos “mitos políticos patrióticos”, como John Denson os chama, ou seja, são apenas as mentiras de guerra do vencedor e a propaganda escrita na ‘História Oficial’. A mitologia de Churchill é desafiada pela história verdadeira e honesta, e a realidade sobre Churchill envolve verdades duras, mas necessárias.

Churchill, o oportunista

Claro, central para a mitologia neocon construída em torno de sua idealização quase divinizada de Churchill é que ele defendeu (nas palavras de Bush comparando Tony Blair a Churchill), “a coisa certa, e não a coisa fácil”, um passo além da popularidade, acima do oportunismo.

Exceto que isso não é verdade. Churchill era acima de tudo um homem que ansiava pelo poder, e um homem que anseia pelo poder, anseia por oportunidades de progredir a qualquer custo.

O jornal Spectator disse sobre Churchill em sua nomeação como Primeiro Lorde do Almirantado em 1911: “Não podemos detectar em sua carreira quaisquer princípios ou mesmo uma visão constante dos assuntos públicos; seu ouvido está sempre no chão; ele é o verdadeiro demagogo. . . .”

O grande liberal clássico inglês John Morley, depois de trabalhar com Churchill, fez uma avaliação sucinta dele: “Winston”, disse ele, “não tem princípios”.

Entrando na política em 1900, Churchill (neto de um duque e filho de um proeminente conservador) naturalmente se juntou ao partido conservador do governo. Então, em 1904, ele deixou os conservadores e se juntou ao partido liberal, e quando eles estavam em declínio Churchill os largou e se juntou aos conservadores, proferindo sua famosa citação “Uma coisa é dedurar, outra é denunciar novamente”. Churchill supostamente fez seu movimento para os liberais na questão do livre comércio. No entanto, Robert Rhodes James, um admirador de Churchill, escreveu: “Acreditava-se [na época], provavelmente com razão, que se Arthur Balfour lhe tivesse dado o cargo em 1902, Churchill não teria desenvolvido um interesse tão ardente pelo livre comércio e se unido os liberais”. Clive Ponting também observa que “… ele já havia admitido a Rosebery, que ele estava procurando uma desculpa para desertar de um partido que parecia relutante em reconhecer seus talentos.” Como os liberais não aceitariam um protecionista, Churchill teve que mudar de tom.

Não é uma surpresa que neoconservadores americanos como o ex presidente George W. Bush e seus apologistas na mídia domesticada louvaram e veneraram Churchill, pois ele era como o ex presidente Bush o descreveu; um homem que era sinônimo de guerra. Churchill adorava a guerra. Em 1925, ele escreveu: “A história da raça humana é a guerra”. Isso não é verdade, mas Churchill carecia de qualquer compreensão dos fundamentos do verdadeiro liberalismo clássico. A história da raça humana está aumentando a cooperação pacífica e os esforços de alguns para der as guerras. No entanto, para Churchill, os períodos sem guerra não ofereciam nada além de “os céus sem graça de paz e banalidade”.

Sem princípios ou escrúpulos, Churchill como membro proeminente do governo do partido liberal naturalmente desempenhou um papel no sequestro do liberalismo de e raízes no individualismo, laissez-faire, livre comércio e alta cultura, para sua transformação no “Novo Liberalismo” como um proxy para o socialismo e o estado onipotente na Grã-Bretanha e na América.

Churchill também foi um famoso oponente do comunismo e do bolchevismo em particular. Uma das razões pelas quais Churchill admirava o fascismo italiano era que Churchill acreditava que Mussolini havia encontrado uma fórmula que neutralizaria o apelo do comunismo, ou seja, o supernacionalismo com apelo social. Churchill chegou a dizer que o fascismo “provou ser o antídoto necessário para o veneno comunista”.

Então veio 1941. Churchill fez as pazes com o comunismo. Temporariamente, claro. Churchill deu apoio incondicional a Stalin, acolhendo-o como aliado, até abraçando-o como amigo e chamando o Destruidor de Nações de “Tio Joe”. Em sua obsessão por destruir o nacional-socialismo alemão (enquanto estabelecia seu próprio nacional-socialismo britânico) e levando adiante sua vingança imperialista britânica anterior à Primeira Guerra Mundial para destruir a Alemanha, Churchill falhou completamente em considerar o perigo de convidar o poder soviético e o comunismo para o coração da Europa.

Claro, sua mitologia auto-criada – principalmente através de seus próprios livros – afirma que ele sentiu o perigo e tentou alertar Roosevelt sobre Stalin, mas os registros da época não provam isso. Na verdade, a paixão de Churchill por Stalin chegou ao ponto em que, na conferência de Teerã em novembro de 1943, Churchill presenteou Stalin com a espada de um cruzado; Stalin, que havia assassinado milhões de cristãos, agora era apresentado por Churchill como um defensor do Ocidente cristão.

Mas para resumir a paixão de Churchill, sua razão geral para entrar na política, era o império. O Império Britânico era o amor permanente de Churchill. Ele lutou para expandi-lo, ele o defendeu e criou seu ódio pela Alemanha por décadas por causa disso. O Império estava no centro de sua visão do mundo. Mesmo em pleno 1947, Churchill se opôs à independência indiana. Quando Lord Irwin o incitou a atualizar seus pontos de vista sobre a Índia, conversando com alguns indianos, Churchill respondeu: “Estou bastante satisfeito com meus pontos de vista sobre a Índia e não quero que sejam perturbados por nenhum maldito indiano”. Tudo isso pela “democracia”.

Churchill, o Socialista

Churchill fez seu nome como um oponente do socialismo tanto antes quanto depois da Primeira Guerra Mundial, exceto durante a guerra, quando ele era um acérrimo promotor do socialismo de guerra, declarando em um discurso: “Toda a nossa nação deve ser organizada, deve ser socializada.” É claro que essa hipocrisia hierárquica era agora o aparato de Churchill, e não surpreendentemente, durante a eleição de 1945, Churchill descreveu seus parceiros no governo de unidade nacional, o Partido Trabalhista, como totalitários, quando foi o próprio Churchill quem aceitou o infame Relatório Beveridge que lançou as bases para o estado de bem-estar do pós-guerra e a (má) gestão keynesiana da economia.

Como Mises escreveu em 1950, “é digno de nota lembrar que o socialismo britânico não foi uma conquista do governo trabalhista do Sr. Attlee, mas do gabinete de guerra do Sr. Winston Churchill”.

Churchill foi convertido ao modelo bismarckiano de seguro social após uma visita à Alemanha. Como Churchill disse a seus eleitores: “Meu coração estava cheio de admiração pelo gênio paciente que havia acrescentado esses baluartes sociais às muitas glórias da raça alemã”. Ele se propôs, em suas palavras, a “impulsionar uma grande fatia do bismarckianismo sobre todo o lado inferior do nosso sistema industrial”. Em 1908, Churchill anunciou em um discurso em Dundee: “Estou do lado daqueles que pensam que um sentimento coletivo maior deve ser introduzido no Estado e nos municípios. Gostaria de ver o Estado assumindo novas funções”. Churchill chegou a dizer: “Vou mais longe; gostaria de ver o Estado embarcar em várias experiências novas e aventureiras”.

Churchill afirmou que “a causa do Partido Liberal é a causa dos milhões deixados de fora”, e atacou os conservadores como “o Partido dos ricos contra os pobres, as classes e seus dependentes contra as massas, dos afortunados, dos ricos, felizes e fortes, contra os excluídos e milhões de fracos e pobres.” Churchill repreendeu os conservadores por não terem sequer um “plano único de reforma ou reconstrução social”, enquanto se gabava de que seu “Novo Liberalismo” oferecia “um esquema amplo, abrangente e interdependente de organização social”, incorporando “uma série maciça de propostas legislativas e administrativas”.

Churchill caiu sob o feitiço da Sociedade Fabiana e seus líderes Beatrice e Sidney Webb, que mais do que qualquer outro grupo, são responsáveis pelo declínio da sociedade britânica. Aqui ele foi apresentado a William, mais tarde Lord Beveridge, que Churchill trouxe para a Junta Comercial como seu conselheiro em questões sociais. Além de pressionar por uma variedade de esquemas de seguro social, Churchill criou o sistema de intercâmbio nacional de trabalho, afirmando a necessidade de “espalhar… uma espécie de rede germânica de intervenção e regulação estatal” sobre o mercado de trabalho britânico. Churchill até cogitou uma meta mais ambiciosa para a Junta Comercial. Ele propôs um plano pelo qual a Junta Comercial atuaria como o “departamento de inteligência” econômico do Governo, previsão de comércio e emprego na Grã-Bretanha para que o governo pudesse gastar dinheiro nas áreas mais merecedoras. Seria um Comitê de Organização Nacional para planejar a economia.

Churchill estava bem ciente do potencial eleitoral do “trabalho organizado”, então, naturalmente, Churchill tornou-se um defensor dos sindicatos. Foi um dos principais defensores da Trades Disputes Act de 1906, que reverteu as decisões judiciais que responsabilizavam os sindicatos por danos materiais e danos cometidos por seus agentes em nome dos sindicatos, concedendo aos sindicatos uma posição privilegiada, isentando-os da lei ordinária de a terra. É irônico que o imenso poder dos sindicatos britânicos, que fizeram da Grã-Bretanha o “Homem Doente da Europa” por duas gerações e se tornaram o contraponto de Margaret Thatcher, tenha se originado com a ajuda entusiástica de seu herói, Winston Churchill.

Só podemos concluir pelas ações de Churchill que a liberdade pessoal era a coisa mais distante de sua mente.

Churchill e a Primeira Guerra Mundial

A Grande Guerra destruiu a cultura europeia e o compromisso com as verdades. Em seu lugar, gerações abraçaram o relativismo, o niilismo e o socialismo, e das cinzas surgiram Lenin, Stalin e Hitler e suas doutrinas malignas que infectam a cultura contemporânea. Nas palavras do historiador britânico Niall Ferguson, a Primeira Guerra Mundial “foi nada menos que o maior erro da história moderna”.

Em 1911, Churchill tornou-se Primeiro Lorde do Almirantado e, durante as crises que se seguiram, aproveitou todas as oportunidades para atiçar as chamas da guerra. Quando veio a crise final, em 1914, Churchill era todo sorrisos e foi o único membro do gabinete que apoiou a guerra desde o início. Asquith, seu próprio primeiro-ministro, escreveu: “Winston muito belicoso e exigindo mobilização imediata… está com toda a sua pintura de guerra”.

Churchill foi fundamental para estabelecer o bloqueio ilegal de fome da Alemanha. O bloqueio dependia da dispersão de minas e era classificado como alimento contrabandeado para civis. Mas, ao longo de sua carreira, o direito internacional e as convenções criadas para limitar os horrores da guerra não significaram nada para Churchill. Uma das consequências do bloqueio da fome foi que, enquanto matava 750.000 civis alemães por fome e desnutrição, os jovens que sobreviveram se tornaram os nazistas mais fanáticos.

O Lusitânia

Ainda não está claro se Churchill realmente organizou o naufrágio do Lusitania em 7 de maio de 1915, mas está claro que ele fez todo o possível para garantir que americanos inocentes fossem mortos pelas tentativas alemãs de quebrar o bloqueio da fome.

Uma semana antes do desastre, Churchill escreveu a Walter Runciman, presidente da Junta Comercial, que era “mais importante atrair navios neutros para nossas costas, na esperança especialmente de envolver os Estados Unidos com a Alemanha”.

O Lusitania era um navio de passageiros civil carregado com munições. Anteriormente, Churchill havia ordenado que os capitães de navios mercantes, incluindo transatlânticos, abalroassem submarinos alemães, e os alemães estavam cientes disso. O governo alemão até publicou anúncios em jornais de Nova York alertando os americanos para não embarcarem no navio.

Churchill, ao ajudar a arquitetar a entrada dos Estados Unidos na Grande Guerra, iniciou a transformação da guerra em uma Jihad Democrática. O wilsonianismo levou à eventual destruição do Império Austríaco e à criação de um vasto vácuo de poder na fronteira sudeste da Alemanha que proporcionaria oportunidades frutíferas e aliados a Hitler para derrubar o Tratado de Versalhes.

Mas Churchill não era um estrategista. Tudo o que lhe importava, como disse a um visitante após o desastre de Gallipoli, era “a guerra, a derrota dos alemães”.

Churchill entre as guerras

Churchill, que havia sido nomeado secretário colonial, inventou dois reinos clientes, a Transjordânia e o Iraque, estados artificiais e instáveis. O objetivo de Churchill, é claro, não era a liberdade para os povos oprimidos, como seus admiradores gostam de reivindicar para ele, mas que a Grã-Bretanha dominasse o Oriente Médio para garantir que os poços de petróleo do Iraque e do Golfo Pérsico estivessem em segurança nas mãos britânicas.

O Crash de 1929

Em 1924, Churchill voltou ao Partido Conservador e foi nomeado Chanceler do Tesouro, onde devolveu a Grã-Bretanha ao padrão-ouro, mas não levou em conta a inflação de guerra do governo britânico, o que consequentemente prejudicou severamente as exportações e arruinou o bom nome do ouro. Mas, é claro, Churchill não se importava com ideias econômicas. O que lhe interessava era apenas que a libra seria tão forte quanto nos dias da rainha Vitória, que mais uma vez a libra “olharia o dólar de frente”. As consequências desta decisão tiveram um impacto de longo alcance e desastroso na civilização ocidental e o consequente apelo do socialismo, nazismo e comunismo: o Crash de 1929.

Foi a relação de câmbio irreal de Churchill que fez com que o Banco da Inglaterra e o Federal Reserve dos EUA conspirassem para sustentar a libra inflando o dólar americano, que por sua vez alimentou o boom especulativo durante a década de 1920 que entrou em colapso quando a inflação desacelerou.

A fama de Churchill – e sua mitologia – se origina durante o período dos anos 30. No entanto, a linha dura de Churchill contra Hitler foi pouco diferente de suas advertências usuais sobre a Alemanha Imperial pré-guerra e sua dura linha contra a Alemanha de Weimar entre guerras. Pois Churchill via a Alemanha em todos os momentos e de todas as maneiras como uma ameaça ao Império Britânico. Uma ameaça que tinha que ser destruída e mantida para sempre sob controle. Churchill, como Clemenceau, Wilson e outros líderes aliados, mantinha a crença irreal de que uma Alemanha derrotada se submeteria para sempre aos grilhões de Versalhes.

E o que os neoconservadores esquecem, ou não sabem, é que o primeiro-ministro Stanley Baldwin reconheceu na Câmara dos Comuns que, se tivessem contado a verdade ao povo, os conservadores nunca poderiam ter vencido a eleição de 1936. “Supondo que eu tivesse ido ao país e dito que a Alemanha estava se rearmando e que devíamos estar armados, alguém acha que nossa democracia pacífica teria reagido a esse grito?” Foi Neville Chamberlain quem iniciou o rearmamento da Grã-Bretanha após a crise de Munique, as armas que Churchill não teria durante a Batalha da Grã-Bretanha, incluindo a primeira implantação de radar, que Churchill zombou enquanto estava na oposição na década de 1930.

Mas, como em todas as coisas, mesmo com isso Churchill se inverteu. No outono de 1937, ele declarou:

“Três ou quatro anos atrás eu mesmo era um alarmista barulhento… Apesar dos riscos que aguardam a profecia, declaro minha crença de que uma grande guerra não é iminente, e ainda acredito que há uma boa chance dessa grande guerra não acontecer em vida… Não vou fingir que, se eu tivesse que escolher entre o comunismo e o nazismo, eu escolheria o comunismo.”

E em seu livro Step By Step escrito em 1937, Churchill disse o seguinte sobre o Inimigo Mortal: “…alguém pode não gostar do sistema de Hitler e ainda assim admirar sua conquista patriótica. Tão indomável para restaurar nossa coragem e nos levar de volta ao nosso lugar entre as nações.” É de se perguntar se Churchill estava se referindo a si mesmo em seu exemplo hipotético.

A mitologia midiática comum está tão longe da verdade histórica que até mesmo um ardente simpatizante de Churchill, Gordon Craig, sentiu-se obrigado a escrever:

“É razoavelmente bem conhecido hoje que Churchill era muitas vezes mal informado, que suas afirmações sobre a força alemã eram exageradas e suas prescrições impraticáveis, que sua ênfase no poder aéreo era equivocada”.

Além disso, como observou um historiador britânico: “Para constar, vale a pena lembrar que, na década de 1930, Churchill não se opôs ao apaziguamento da Itália ou do Japão”.

Churchill e a Segunda Guerra Mundial

Depois de Munique, Chamberlain estava determinado que Hitler não teria mais vitórias fáceis, e quando a Alemanha invadiu a Polônia em setembro de 1939, a Grã-Bretanha declarou guerra à Alemanha, e Churchill foi chamado de volta ao seu antigo lugar como Primeiro Lorde do Almirantado. Aconteceu então uma coisa espantosa: o presidente dos Estados Unidos ignorou todos os canais diplomáticos comuns e iniciou uma correspondência pessoal, não com o primeiro-ministro, mas com Churchill. Essas mensagens foram cercadas por um sigilo frenético e culminaram na prisão de Tyler Kent, o funcionário americano de cifragem da embaixada dos EUA em Londres. Algumas dessas mensagens continham alusões ao acordo de Roosevelt antes da guerra de uma aliança com a Grã-Bretanha, contrariando suas declarações públicas e a lei americana.

Três meses antes da guerra, Roosevelt disse ao rei George VI que pretendia estabelecer uma zona no Atlântico para ser patrulhada pela Marinha dos EUA e, de acordo com as notas do rei, o presidente afirmou que “se ele visse um barco U ele a afundaria de uma vez e esperaria pelas consequências.” O biógrafo de George VI, John W. Wheeler-Bennett, considerou que essas conversas “continham o germe do futuro acordo Bases-for-Destroyers, e também do próprio Lend-Lease Agreement”.

Em 1940, Churchill finalmente se tornou primeiro-ministro, ironicamente quando o governo de Chamberlain renunciou ao plano abortado de Churchill de invadir preventivamente a Noruega. Depois que as forças armadas da França foram destruídas pela Blitzkrieg e o exército britânico fugiu para o Canal da Mancha, Churchill, o conservador, o “anti-socialista”, profanou a lei comum ao aprovar uma legislação totalitária colocando “todas as pessoas, seus serviços e suas propriedades à disposição da Coroa”, ou seja, nas mãos do próprio Churchill.

Durante a Batalha da Grã-Bretanha, Churchill fez talvez seu discurso mais famoso, no qual plagiou o primeiro-ministro francês Georges Clemenceau, e onde pronunciou sua famosa frase “Se o Império Britânico e sua Comunidade durarem mil anos, os homens dirão: “ Este foi o seu melhor momento!” Isso traz à mente a jactância de outro homem sobre um Reich de mil anos. Churchill também insinuou sua trama para arrastar a América para a guerra: “. . .nunca nos renderemos, e mesmo que . . . esta ilha. . . foram subjugados. . . então nosso império além-mar, armado e guardado pela frota britânica, continuaria a luta, até que, no bom tempo de Deus, o Novo Mundo, com todo o seu poder e força, avançasse para o resgate e a libertação do Velho Mundo. .” Mas, como os revolucionários marxistas, os milenaristas cristãos e outros excêntricos variados, Churchill não estava nem um pouco interessado no “bom tempo de Deus” ou em qualquer outra programação sobrenatural presumida, e trabalhou noite e dia para conspirar com Roosevelt para levar os Estados Unidos à guerra.

Como primeiro-ministro, Churchill continuou sua política de recusar qualquer acordo de paz. Mesmo após a queda da França, Churchill rejeitou as renovadas propostas de paz de Hitler. Isso, no entanto, mais do que qualquer outra coisa, deve ser o fundamento de sua grandeza. No entanto, que oportunidades foram perdidas para uma França, Grã-Bretanha e Países Baixos livres antes de 1940 para se rearmar e negociar estratégias de defesa militar? O que dizer do tempo perdido que poderia ter sido usado para estudar o método de guerra Blitzkrieg antes de cair na França? .

O historiador britânico John Charmley destacou o ponto crucial de que a recusa inflexível de Churchill até mesmo em ouvir as propostas de paz em 1940 condenava o que ele dizia ser mais caro para ele: o Império e uma Grã-Bretanha que era não socialista e independente nos assuntos mundiais. Pode-se acrescentar que, ao permitir que a Alemanha superasse seus vizinhos mais fracos quando a paz fosse possível, provavelmente também condenaria os judeus europeus. Quantos milhões de judeus e outros europeus foram assassinados por causa da estupidez de Churchill? Mas é politicamente incorreto, e até possivelmente um crime de ódio, sugerir que alternativas melhores estavam disponíveis durante a Segunda Guerra Mundial do que aquelas feitas pelos Aliados. Só porque algo acabou de uma maneira não significa que foi a única maneira que poderia ter acontecido ou foi o melhor resultado.

O campo da paz percebeu algo que escapou de Churchill, o romantismo do império: mesmo o Império Britânico e seus vastos recursos sozinhos não poderiam derrotar o poder concentrado que a Alemanha possuía na Europa. E ainda mais depois da queda da França, o objetivo de guerra de Churchill de vitória total só poderia ser realizado envolvendo os Estados Unidos em outra guerra mundial.

Envolver a América foi a política de Churchill na Segunda Guerra Mundial, assim como foi a política de Churchill na Primeira Guerra Mundial, e seria sua política novamente na Guerra Fria. Churchill colocou seu coração e alma para garantir que Roosevelt passasse.

Em 1940, Churchill enviou o agente britânico “Intrepid” para os Estados Unidos, onde se estabeleceu no Rockefeller Center, onde, com o pleno conhecimento e cooperação de Roosevelt e a colaboração de agências federais, “Intrepid” e seus 300 agentes “interceptaram correspondência, fios grampeados, cofres rachados, seqüestrados,… boatos propagados” e difamavam incessantemente seus alvos favoritos, os “isolacionistas” (isto é, Jeffersonians) como nazistas e fascistas.

Em junho de 1941, Churchill, procurando uma chance de trazer a América para a guerra, escreveu sobre o navio de guerra alemão Prinz Eugen: “Seria melhor, por exemplo, que ele fosse localizado por um navio dos EUA, pois isso poderia tentá-lo a disparar contra aquele navio, proporcionando assim o incidente pelo qual o governo dos EUA ficaria muito grato.”

Em agosto de 1941, Roosevelt e Churchill se encontraram na conferência do Atlântico. Churchill disse a seu Gabinete: “O presidente havia dito que faria a guerra, mas não a declararia e que se tornaria cada vez mais provocador. Se os alemães não gostassem, eles poderiam atacar as forças americanas. . . . Tudo deveria ser feito para forçar um incidente.”

Depois que os EUA entraram oficialmente na guerra, em 15 de fevereiro de 1942, na Câmara dos Comuns, Churchill declarou sobre a entrada dos Estados Unidos na guerra: “Isso é o que eu sonhei, busquei, trabalhei e agora aconteceu.”

Essa aliança enganosa ilustra outra das falhas de Churchill. Sua subordinação dos objetivos políticos ao planejamento militar. Churchill fez a guerra por fazer a guerra, com pouca consideração pelos resultados políticos que se seguiram. Certa vez, ele até disse a Asquith que a ambição de sua vida era “comandar grandes exércitos vitoriosos em batalha”. E a Segunda Guerra Mundial foi sua oportunidade. Churchill e Roosevelt estavam ambos dispostos a fazer qualquer coisa para destruir a ameaça da Alemanha nazista, numa época em que Hitler havia matado talvez, até então, várias centenas de milhares, e para isso eles se aliariam ao ex-aliado de Hitler na invasão da Polônia, Joseph Stalin (o A União Soviética havia até sido convidada a se juntar ao Eixo em 1940), que já havia assassinado dezenas de milhões.

A verdade é que Churchill não se importava com nada além da Grã-Bretanha. As vidas, lares e culturas de não-britânicos ele tomou e destruiu sem se importar ou pensar duas vezes. Que tipo de ‘conservadorismo’ exige o assassinato de milhões de inocentes indefesos? Winston Churchill foi um homem que, junto com Roosevelt, Hitler e Stalin, investigou até que ponto a civilização ocidental poderia cair em apenas seis anos.

Churchill deu apoio britânico ao líder Partisan comunista Tito. O que significaria uma vitória para Tito não era segredo para Churchill. Quando um assessor apontou que Tito pretendia transformar a Iugoslávia em uma ditadura comunista no modelo stalinista, Churchill retrucou: “Você pretende morar lá?”

O objetivo de Churchill era, em suas palavras, a “prevenção indefinida de que [os alemães] se levantassem novamente como uma potência armada”. Não surpreendentemente, em vez de fazer todos os esforços para encorajar e ajudar os grupos de resistência antinazista na Alemanha, Churchill respondeu aos tentáculos enviados pela resistência alemã com silêncio, ajudando assim a prolongar a guerra e a matança. Ainda mais chocante, Churchill não tinha nada além de desprezo pelos oficiais heróicos após sua tentativa fracassada de assassinato de Hitler em julho de 1944, mesmo quando Hitler estava desfrutando de suas execuções filmadas.

No lugar da ajuda, Churchill apenas ofereceu aos alemães o slogan de rendição incondicional, o que apenas prolongou ainda mais a guerra. E, em vez de promover a derrubada de Hitler pelos alemães antinazistas, a política de Churchill foi o apoio total a Stalin. Retornando de Yalta, Churchill disse à Câmara dos Comuns em 27 de fevereiro de 1945 que não conhecia nenhum governo que cumprisse suas obrigações tão fielmente quanto a União Soviética, mesmo em desvantagem.

Os crimes de guerra

Que Churchill cometeu crimes de guerra – planejou-os, auxiliou-os e os incitou e os defendeu – está fora de dúvida. Churchill foi o principal “subverter” durante duas guerras mundiais das regras de guerra que evoluíram no Ocidente ao longo dos séculos.

Na conferência de Quebec, Roosevelt e Churchill adotaram o Plano Morgenthau, que, se implementado, teria matado dezenas de milhões de alemães, dando aos alemães uma imagem aterrorizante do que a “rendição incondicional” significaria na prática. Churchill estava convencido dos benefícios do plano, pois “salvaria a Grã-Bretanha da falência eliminando um concorrente perigoso”. Que o Plano Morgenthau era análogo aos planos pós-conquista de Hitler para a Rússia ocidental e a Ucrânia passou despercebido para Churchill, que, segundo Morgenthau, redigiu a redação do esquema.

Churchill chegou a pensar em lançar dezenas de milhares de “superbombas” de antraz sobre a população civil da Alemanha e ordenou um planejamento detalhado para um ataque químico em seis grandes cidades, estimando que milhões morreriam imediatamente “por inalação”, com outros milhões sucumbindo mais tarde.

Mas os maiores crimes de guerra de Churchill envolveram o bombardeio terrorista de cidades alemãs que matou 600.000 civis e deixou cerca de 800.000 feridos. Arthur Harris (“Bomber Harris”), chefe do Comando de Bombardeiros, declarou: “No Comando de Bombardeiros, sempre trabalhamos com a suposição de que bombardear qualquer coisa na Alemanha é melhor do que não bombardear nada”.

Churchill mentiu descaradamente para a Câmara dos Comuns e para o público, alegando que apenas instalações militares e industriais foram atacadas. Na verdade, o objetivo era matar o maior número possível de civis. Daí a aplicação do bombardeio “tapete” na tentativa de aterrorizar os alemães para que se rendessem.

O professor Raico descreveu o efeito da liderança de Churchill: “A campanha de assassinato pelo ar nivelou a Alemanha. Uma cultura urbana de mil anos foi aniquilada, enquanto grandes cidades, famosas nos anais da ciência e da arte, foram reduzidas a montes de fumaça fumegante. Ruínas…” Não admira que, ao saber disso, um europeu civilizado como Joseph Schumpeter, em Harvard, fosse levado a dizer “a qualquer um que quisesse ouvir” “que Churchill e Roosevelt estavam destruindo mais do que Genghis Khan”.

De acordo com a história oficial da Força Aérea Real: “A destruição da Alemanha estava então em uma escala que poderia ter chocado Átila ou Gengis Khan”. Dresden estava cheia de refugiados indefesos correndo para salvar suas vidas à frente do avanço do Exército Vermelho. A guerra estava praticamente terminada, mas por três dias e três noites, de 13 a 15 de fevereiro de 1945, bombas britânicas atingiram Dresden, matando 135.000 pessoas ou mais em três dias. Após o massacre, Churchill tentou renunciar à responsabilidade; mesmo dizendo casualmente “Eu pensei que os americanos tinham feito isso.”

O bombardeio terrorista da Alemanha e a matança de civis continuaram até meados de abril de 1945. Só parou, como observou Bomber Harris, porque basicamente não havia mais alvos a serem bombardeados na Alemanha.

Claro, Churchill apoiou o bombardeio atômico de Hiroshima e Nagasaki, que resultou na morte de outros 200.000 civis. Quando Truman inventou o mito das “500.000 vidas americanas salvas” para justificar seu assassinato em massa, Churchill sentiu a necessidade de superar sua mentira: as bombas atômicas salvaram 1.200.000 vidas, incluindo 1.000.000 de americanos. Era tudo apenas mais uma das fantasias de Churchill.

No entanto, depois de toda essa carnificina, Churchill escreveria: “O objetivo da Segunda Guerra Mundial [foi] reviver o status do homem”.

Churchill e a Guerra Fria

Entre os muitos crimes de guerra de Churchill, há também aqueles crimes e atrocidades pelos quais ele é culpado que ocorreram após a guerra.

Isso inclui a repatriação forçada de cerca de dois milhões de idosos, homens, mulheres e crianças para a União Soviética para a morte. Depois, houve os massacres realizados pelo protegido de Churchill, Tito: dezenas de milhares de croatas, eslovenos e outros “inimigos de classe” e anticomunistas foram mortos.

Na esteira dos exércitos do amigo e aliado de Churchill, começaram as deportações em massa. Mas Churchill não se comoveu. Em janeiro de 1945, ele disse: “Por que estamos fazendo tanto barulho sobre as deportações russas na Romênia de saxões [alemães] e outros? . . . . . . Eu mesmo não posso considerar que seja errado os russos levarem romenos de qualquer origem que eles gostem para trabalhar nas minas de carvão russas.” Aqui Churchill, o grande amigo da liberdade como Bush o descreveu, aprova a escravidão. Cerca de 500.000 civis alemães foram escravizados para trabalhar na Rússia soviética, de acordo com o acordo de Yalta, onde Churchill e Roosevelt concordaram que o trabalho escravo constituía uma forma adequada de “reparação”.

Depois houve a grande atrocidade da expulsão de 15 milhões de alemães de suas terras ancestrais na Prússia Oriental e Ocidental, Silésia, Pomerânia e Sudetos, de acordo com o plano louco de Churchill de desarraigar violentamente toda a população polonesa e mover a Polônia para o oeste, e à aceitação de Churchill do plano do líder tcheco Eduard Benes para a limpeza étnica da Boêmia e da Morávia. Cerca de dois milhões de civis alemães morreram neste processo. Toda uma cultura antiga foi obliterada. Esse tipo de jihad cultural costumava ser algo que os conservadores se opunham. Os neoconservadores de hoje, que evidentemente adotam a doutrina marxista de varrer o passado, certamente argumentariam que, para criar, é preciso primeiro destruir, ou, naquela velha frase stalinista, para fazer uma omelete, você deve primeiro quebrar alguns ovos.

Um grande fator na litania dos crimes de guerra de Churchill foi seu racismo. Churchill era um chauvinista inglês, um racista britânico e, como Wilson, detestava os chamados “brancos sujos”, os franceses, italianos e outros latinos, e eslavos como os sérvios, poloneses, russos etc. Churchill professava o darwinismo , e particularmente não gostava da Igreja Católica e missões cristãs. Ele se tornou, em suas próprias palavras, “um materialista até a ponta dos dedos” e defendeu fervorosamente a visão de mundo de que a vida humana é uma luta pela existência, com o resultado a sobrevivência do mais apto.

Em 1919, como secretário colonial, Churchill defendeu o uso de armas químicas contra os “árabes não cooperativos” no estado fantoche do Iraque. “Não entendo o escrúpulo sobre o uso do gás”, declarou. “Sou fortemente a favor do uso de gás venenoso contra tribos não civilizadas.” Alguns anos depois, matar seres humanos com gás tornaria outros homens infames.

Um exemplo das visões raciais de Churchill são seus comentários feitos em 1937: “Eu não admito que um grande mal tenha sido feito aos índios da América ou aos negros da Austrália. Eu não admito que algo errado tenha sido feito a estas pessoas pelo fato de que uma raça mais forte, uma raça de grau superior, uma raça mais sábia mundana, entrou e tomou seu lugar.”

Na obsessão obstinada de décadas de Churchill em impedir que um único poder hegemônico surgisse no continente europeu que representasse uma ameaça ao Império Britânico, ele não conseguiu ver que sua aliança com Stalin produzia exatamente isso. “À medida que os antolhos da guerra foram removidos”, escreve John Charmley, “Churchill começou a perceber a magnitude do erro que havia sido cometido”. Churchill é acusado de ter deixado escapar depois de finalmente perceber a escala de seu erro: “Nós matamos o porco errado!”

Mas era tarde demais. Durante décadas Churchill trabalhou pela destruição da Alemanha. No entanto, somente depois que Stalin devorou metade da Europa, esse “grande estadista” percebeu que destruir a capacidade da Alemanha de agir como um contrapeso à Rússia deixou a Europa pronta para a invasão e conquista por uma Rússia ressurgente.

Em 1946 Churchill estava reclamando com voz de indignação sobre a Cortina de Ferro da tirania que desceu sobre a Europa Oriental. Mas Churchill ajudou a tecer o tecido.

Com o equilíbrio de poder na Europa destruído por suas próprias mãos, Churchill viu apenas um recurso: ligar a América à Europa permanentemente. Assim, Churchill voltou à sua estratégia testada e comprovada, envolvendo os Estados Unidos em outra guerra. Desta vez, uma “Guerra Fria” que consolidaria o complexo militar-industrial e mudaria a América para sempre.

Conclusão

Com sua falta de princípios e escrúpulos, Churchill esteve envolvido de uma forma ou de outra em quase todos os desastres que se abateram sobre o século 20. Ele ajudou a destruir o liberalismo laissez-faire, ele desempenhou um papel no Crash de 1929, ele ajudou a iniciar a Primeira Guerra Mundial e, trazendo a América para ajudar, prolongou a guerra e criou as condições para a ascensão do nazismo, prolongou a Segunda Guerra Mundial, lançou as bases para a dominação soviética, ajudou a envolver os Estados Unidos em uma guerra fria com a Rússia e foi pioneiro no desenvolvimento da guerra total e minando os padrões civilizados ocidentais.

Chris Matthews descreveu Churchill como o “homem que salvou a honra do século 20”. Em vez desse grande prêmio, Winston Churchill deve ser classificado com Karl Marx, Woodrow Wilson, Vladimir Lenin, Adolf Hitler, Joseph Stalin, Herbert Hoover e Franklin Roosevelt como um dos destruidores dos valores e da grandeza da civilização ocidental.

E é apropriado que a exposição da Biblioteca do Congresso seja intitulada “Churchill e a Grande República” porque poucos homens fizeram mais para derrubar a(s) república(s) americana(s) e instituir a grande máquina de guerra global centralizada que tomou seu lugar.

Escrito por Adam Young, para o Mises Institute Adaptado e traduzido por Alex Motta, para o Gazeta Libertária

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

SourceMises.org
spot_img

CONFIRA