quarta-feira, dezembro 7, 2022

Regime ucraniano separa pais de suas famílias para “servirem” na guerra

Assim como o regime ucraniano impôs a lei marcial após a invasão da Rússia, aparentemente também impôs uma nova ordem de recrutamento.

Segundo relatos, o Serviço de Guarda de Fronteira do Estado da Ucrânia anunciou que homens de 18 a 60 anos estão proibidos de deixar o país.

“Em particular, é proibido que homens de 18 a 60 anos, cidadãos da Ucrânia, deixem as fronteiras do país”, disse um comunicado do serviço, segundo a CNN . “Este regulamento permanecerá em vigor durante o período da lei marcial. Pedimos aos cidadãos que levem em consideração esta informação.”

Naturalmente, para impor isso aos recrutas relutantes, os oficiais ucranianos terão que forçar fisicamente os homens a servir e enviá-los para onde o regime julgar necessário.

No Twitter, por exemplo, surgiram alguns vídeos que pretendem mostrar homens sendo sequestrados por autoridades ucranianas e forçados a servir. De acordo com uma fonte postando fotos e vídeos da Ucrânia, os soldados ucranianos estavam parando carros e ônibus e arrancando qualquer homem de 18 a 60 anos para se alistar no exército ucraniano. Em um lugar, um comissário estava gritando “diga adeus às suas filhas, mães e namoradas; você deve voltar e lutar contra o invasor russo!”. Ou, como outro agente do governo colocou mais diretamente: “Esqueça sua esposa, esqueça sua filha, lute pela Ucrânia!”.

A formulação deste chamado às armas ajuda a destacar a verdadeira natureza do recrutamento imposto aos relutantes: o Estado se sente no direito de se sobrepor aos interesses dos homens e de suas famílias. Tradução: sua esposa e filha são menos merecedoras de sua atenção do que assuntos de estado.

Esta situação é tão dramática porque mostra tão claramente o conflito fundamental entre os interesses das famílias e os interesses do regime.

Ficar do lado do regime neste caso exige que aceitemos que os tecnocratas e políticos do governo devem estar em posição de anular o julgamento de um homem sobre a melhor forma de servir sua família. Muitas pessoas, é claro, acreditam nisso. Essa atitude é o que torna possíveis os bloqueios e os mandatos de vacinas. Tanto com o recrutamento quanto com a covid, o estado se torna a instituição que toma decisões íntimas sobre o que você deve fazer com sua família “para seu próprio bem”.

Na verdade, porém, os agentes do Estado carecem tanto da autoridade moral quanto da informação necessária para tomar tais decisões.

O Estado não tem precedência sobre as famílias

Nos esforços do Estado para capturar homens para o “serviço” do regime, encontramos um claro conflito entre o Estado e a família.

Se um marido e pai de família decidiu que é melhor para ele acompanhar sua família a um país vizinho – ou a qualquer lugar – essa prerrogativa está entre as mais fundamentais encontradas na sociedade civilizada. Nenhuma instituição na terra é mais adequada para tomar tais decisões do que a própria família. Nenhuma instituição está em posição moral para coagir um homem a abandonar seus filhos e esposa em nome de servir ao vago e indefinido grupo de pessoas que é “o país”.

Não apenas nenhum político ou tecnocrata em posição moral para exigir tal coisa, mas nenhum agente do governo sequer possui o conhecimento específico necessário para fazer um julgamento sobre o que é apropriado para inúmeras famílias, cada uma com suas próprias necessidades específicas e únicas.

Na verdade, para alguns homens, o curso de ação correto é acompanhar suas famílias em segurança através da fronteira e apoiá-los lá. Para outros, pode significar lutar em uma operação militar. Para outros ainda, a emigração pode não ser preferível, e o homem pode ser necessário para garantir comida e abrigo para a família durante um período de agitação.

Sem dúvida, alguns homens – e até algumas mulheres – podem voluntariamente deixar suas famílias para trás para se engajar no serviço militar. Quando feita livremente, esta é uma escolha legítima que as pessoas podem fazer se acharem que isso é apropriado para suas famílias.

No entanto, há uma enorme diferença entre essas escolhas voluntárias e os decretos emitidos por burocratas do governo para servir a qualquer objetivo que o estado tenha decidido ser o “melhor” para todas as famílias em conjunto. Na Ucrânia, isso deve ser especialmente destacado, já que o regime se destaca por ser um dos mais corruptos do mundo.

A proibição da emigração: um ato especialmente perigoso

O que acrescenta uma dimensão especialmente interessante ao exemplo ucraniano é o fato de que muitos desses homens estão sendo detidos enquanto tentam deixar o país.

Em essência, esses homens foram destituídos do direito fundamental de emigrar. A proibição da emigração – um dos direitos humanos mais fundamentais – tem sido um esquema empregado por regimes tirânicos como a Coreia do Norte, Cuba e a antiga União Soviética. Muitos outros regimes tirânicos restringiram a emigração para fins militares.

O fato de esses homens serem sequestrados durante o processo de emigração também põe em questão a lógica comum empregada pelos partidários do alistamento que afirmam que todos têm algum tipo de “dever” ou dívida para com seu Estado-nação. Essa atitude, é claro, tem como premissa a ideia bastante absurda de que as pessoas obtêm grandes benefícios ao habitar um determinado lugar e, portanto, devem algo ao regime que por acaso está governando esse lugar. Além disso, lembre-se de que a maioria das pessoas já paga impostos há muitos anos para apoiar financeiramente o regime. Mas, depois de serem espremidos financeiramente ano após ano, eles ainda recebem sermões sobre o que “devem” ao Estado.

Naturalmente, os defensores do recrutamento de homens emigrantes alegarão que algumas dessas pessoas planejam retornar. Nos dizem que esses homens podem retornar mais tarde de “carona” nos supostos benefícios obtidos com o “serviço” militar de outros. Portanto, esses potenciais emigrantes devem agora ao serviço militar estadual “pagar” os benefícios futuros recebidos na reentrada. Para comprar esse argumento, devemos primeiro ignorar o fato de que esses homens já pagaram impostos para fins de defesa militar. Mas, além disso, o argumento se baseia na afirmação de que os agentes de fronteira podem prever o futuro. Eles não sabem quem tentará a reentrada mais tarde…

Outros proponentes podem ainda tentar turvar as águas dessa questão, insistindo que o recruta não está prestando um serviço ao regime, mas à “comunidade”. Isso pressupõe que os interesses de toda e qualquer comunidade coincidam com os interesses do Estado – uma reivindicação bizarra na melhor das hipóteses. Além disso, o que é uma comunidade senão um conjunto de famílias? As comunidades não são mais bem servidas substituindo a vontade de um agente de recrutamento pela vontade dos membros da família.

Também muitas vezes esquecido é o fato de que a falta de soldados dispostos demonstra falta de confiança no próprio regime. É perfeitamente possível que, se o regime ucraniano fosse menos corrupto e menos inepto, mais pessoas se oferecessem para pegar em armas por ele. A falta de verdadeiro apoio ao regime é sempre uma dura realidade para um regime enfrentar. A história está cheia de monarcas delirantes que imaginaram que “o povo” se reuniria para proteger o rei dos usurpadores. Muitos desses monarcas ficaram amargamente desapontados, pois descobriu-se que as pessoas há muito taxadas e abusadas por “seu” rei tinham outras prioridades. Muitos outros tipos de regimes enfrentaram surpresas desagradáveis semelhantes. Pode muito bem ser que muitos cidadãos não valorizem o regime tanto quanto ele valoriza a si mesmo. Isso é muito ruim para os políticos no poder, mas tal situação dificilmente justifica o sequestro de pais na rua.

Escrito por Ryan McMaken, editor sênior do Mises Institute. Traduzido por Alex Motta

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

SourceMises.org
spot_img

CONFIRA