sábado, novembro 26, 2022

Reunião entre Ucrânia e Rússia em Belarus

Após reunião sem acordo, explosões são ouvidas em Kiev.

Embaixadas da Ucrânia e da Rússia se reuniram nesta segunda-feira pela manhã na fronteira da Bielorrússia, numa tentativa de acabar com a invasão da Rússia à Ucrânia, enquanto as tropas russas continuam a atacar. A reunião terminou sem acordo entre os países, informou a Tass, agência de notícias russa.

Segundo o porta-voz ucraniano, os dois lados começaram a conversar no tio Pripyat, na fronteira, ao norte de Chernobyl, uma área que atualmente está sob controle militar russo.

As embaixadas ucraniana e russa realizaram hoje a primeira rodada de conversações, cujo principal objetivo era discutir as questões de um cessar-fogo no território da Ucrânia e as hostilidades. As partes identificaram uma série de tópicos prioritários sobre os quais certas decisões foram delineadas.

Disse Mikhail Podolyak, conselheiro do chefe do gabinete do Presidente da Ucrânia, após a reunião desta segunda-feira.

Podolyak acrescentou:

Para que estas decisões tenham algumas oportunidades de implementação, soluções logísticas, as partes partem para consultas em suas capitais. As partes discutiram a possibilidade de realizar uma segunda rodada de negociações no futuro próximo, na qual estes tópicos receberão prática concreta de desenvolvimento.

A Ucrânia disse que a questão-chave para as reuniões é um cessar-fogo imediato e a retirada das tropas russas. A Rússia sinalizou que deseja discutir a adoção da Ucrânia como “país neutro”.

A embaixada ucraniana incluiu Podolyak; David Arahamiya, membro da facção política Servant of the People; Oleksiy Reznikov, Ministro da Defesa da Ucrânia; Andriy Kostin, o primeiro deputado morto da delegação ucraniana no Grupo de Contato Tripartite; Rustem Umerov, membro do Parlamento da Ucrânia; e o Vice Ministro das Relações Exteriores Mykola Tochytsky.

A embaixada da Rússia inclui funcionários dos ministérios das Relações Exteriores e da Defesa e da administração presidencial.

“Vou ser honesto, como sempre: Eu não acredito realmente no resultado desta reunião, mas deixe-os tentar”, disse Zelensky. O presidente da Ucrânia acrescentou que se houvesse uma “chance” de terminar a guerra, ele deveria participar das reuniões.

Após a reunião entre representantes da Ucrânia e Rússia terminar, o presidente francês Emmanuel Macron e Putin conversaram por telefone.

De acordo com o escritório de Macron, Putin supostamente concordou em suspender todas os ataques militares em alvos civis e preservar estradas, principalmente a estrada ao sul de Kiev, capital da Ucrânia.

Durante o apelo, Emmanuel Macron reiterou um pedido da comunidade internacional para acabar com a ofensiva russa contra a Ucrânia e reafirmou a necessidade de implementar um cessar-fogo imediato. Macron também exortou Putin a respeitar o direito humanitário internacional e a proteção das populações civis, bem como a entrega de ajuda de acordo com uma resolução apresentada pela França ao Conselho de Segurança das Nações Unidas.

A Ucrânia havia anteriormente rejeitado uma proposta da Rússia para realizar as reuniões na cidade de Gomel, no sul da Bielorússia, alegando que a Bielorússia está diretamente envolvida no ataque da Rússia, tendo hospedado a força de invasão russa que agora se desloca para o sul na capital ucraniana, Kiev, e deixando a Rússia disparar mísseis de seu território.

O Kremlin sinalizou que deseja realizar conversações onde Zelensky discutirá o “status neutro” da Ucrânia, na esperança de negociar os termos de rendição de Kiev. Mas a administração de Zelensky disse que enquanto as conversas não forem para acabar com a matança na Ucrânia, não fará concessões.

“Não vamos nos render, não vamos capitular, não vamos desistir de um único centímetro de nosso território”, disse Dmytro Kuleba, Ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, em uma coletiva de imprensa.

Enquanto intermediava a reunião, Zelensky disse que Lukashenko prometeu que nenhum míssil ou aeronave realizaria ataques à Ucrânia enquanto as negociações estivessem em andamento. Mas em um sinal pouco promissor para as negociações, as autoridades ucranianas disseram que Belarus tinha lançado pelo menos dois mísseis balísticos Iskander na Ucrânia no domingo depois que o acordo para a reunião foi alcançado.

Foi também Lukasheko quem sugeriu que as delegações russa e ucraniana se reunissem na fronteira Bielorrússia-Ucrânia, disse Zelensky, acrescentando que embora ele não esteja otimista quanto a uma resolução, ele não quer que haja dúvidas de que ele não tentou parar a guerra.

O esforço diplomático veio quando as tropas russas continuaram a tentar pressionar seu ataque na Ucrânia, mas enfrentaram uma defesa feroz das forças ucranianas. Na segunda maior cidade da Ucrânia, Kharkiv, no nordeste do país, os defensores ucranianos conseguiram derrotar as unidades russas durante os combates de rua.

O ímpeto das forças russas na Ucrânia parece ter sido retardado pela escassez de combustível e logística, bem como por uma “forte resistência”, disse um alto funcionário da defesa dos EUA ao ABC News no domingo.

Artigo publicado originalmente na ABC News. Traduzido e adaptado por Gazeta Libertária.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

SourceABC News
spot_img

CONFIRA