sábado, dezembro 3, 2022

Sendo criativo como Bastiat

O que seria necessário para mais uma vez fazer liberdade “uma ideia cuja hora chegou”? Ou como Leonard Read colocou, “do quê é a filosofia da liberdade mais precisa?”

Sua resposta foi “alguns milhares de pensadores criativos, escritores, comunicadores — como Frédéric Bastiat foi para a filosofia da liberdade…”

Read estimou que dez mil podem fazer o truque.

“Dez mil Bastiat?” Ele escreveu, sabendo que isso seria uma ordem alta”. Bem, é difícil. Mas parece possível que possamos alcançar tantas aproximações razoáveis”.

O que isso deveria significar para qualquer um de nós, como um pensador e escritor criativo, para tornar-se uma “aproximação razoável” de Frederic Bastiat, o economista e filosofo politico do século 19?

Uma explosão prolifica de brilho

Bastante, porque Frédéric Bastiat foi um gênio criativo e um herói histórico mundial. (Para um relato completo de suas realizações, veja o perfil de Jim Powell.)

O que é especialmente surpreendente sobre a carreira fenomenal de Bastiat é como foi de curta duração. Ele começou sua carreira como um intelectual público pela liberdade em 1844 e morreu de tuberculose em 1850 aos 49 anos. Nesses breves seis anos, ele publicou uma torrente de panfletos e ensaios de obras-primas expondo e defendendo a filosofia da liberdade e a economia sólida, incluindo A Lei, O Que Se Vê e O Que Não Se Vê, A Petição do Fabricante de Velas e muitos mais. Além disso, Bastiat também estava ocupado desempenhando um papel de liderança no movimento de livre comércio como organizador e, após a Revolução de 1848, como membro da Assembleia Nacional Francesa.

O impacto das obras de Bastiat reverberaria por gerações e barreiras linguísticas. Suas traduções desempenharam um papel importante na inspiração de um novo movimento de liberdade no mundo de língua inglesa. E não admira. Os escritos de Bastiat brilham com eloquência e sagacidade, brilham com lógica e lucidez e queimam com paixão pela verdade e justiça.

A Marcha dos Dez Mil

Podemos esperar aproximar-nos até mesmo de uma figura como Frédéric Bastiat? Até mesmo tocar a bainha de sua roupa seria uma proeza tremenda. Mas Read pode estar correta: a causa da liberdade exige nada menos que dez mil campeões surgindo para enfrentar esse desafio. Para aqueles que são chamados a genuinamente promover a liberdade, é um objetivo digno de se aspirar. Mesmo aqueles que não alcançarem esse nível serão os melhores para tentar.

Se você fosse assim chamado, como você faria para imitar Bastiat como pensador e criador? Isso significaria esforçar-se para se tornar um elucidador prolífico, como ele foi. Para fazer isso, você deve realizar seu potencial criativo. E para isso, você deve otimizar seu processo criativo.

Seria ótimo se você pudesse aprender com o próprio processo criativo de Bastiat. Mas, que eu saiba, ele não documentou isso. Mas dois dos poucos indivíduos que realmente conseguiram se aproximar de Bastiat documentaram como eles conseguiram. Então, aprender com eles seria sua melhor aposta.

Dez milhões de palavras

Um dos maiores emuladores de Bastiat foi Henry Hazlitt, autor de Economia Em Uma Única Lição. No prefácio da primeira edição desse livro clássico, Hazlitt escreveu:

“Minha maior dívida, com relação ao tipo de estrutura expositiva na qual o presente argumento se baseia, é com o ensaio de Frédéric Bastiat [O Que Se Vê e O Que Não Se Vê], agora com quase um século. O presente trabalho pode, de fato, ser considerado como uma modernização, extensão e generalização da abordagem encontrada no panfleto de Bastiat.”

Como Bastiat, Hazlitt era um mestre de seu assunto e de seu ofício. H.L. Mencken (ele próprio um dos maiores criadores de palavras do século 20) escreveu sobre Henry Hazlitt: “Ele é um dos poucos economistas da história humana que realmente sabe escrever”.

Como Bastiat, Hazlitt foi prolífico. Ao contrário de Bastiat, ele começou sua carreira de escritor cedo e foi agraciado com uma longa vida, falecendo aos 98 anos. Hazlitt uma vez estimou que ao longo de sua carreira, ele escreveu dez milhões de palavras e que suas obras completas preencheriam 150 volumes.

Hazlitt compartilhou dicas sobre o processo criativo em “The Art of Thinking”, um epílogo para a edição de 1969 de seu primeiro livro Thinking as a Science (1916).

Dez Mil Dias


O próprio Leonard Read foi outro grande emulador de Bastiat. Seu ensaio clássico Eu, Um Lápis pode ser considerado uma modernização e destilação de alguns dos principais temas do tratado inacabado de Bastiat, Economic Harmonies.

Como Bastiat, Read foi um grande organizador e um grande autor da liberdade. Além de fundar e servir como presidente da Fundação para a Educação Econômica, deu inúmeras palestras e escreveu 34 livros. Ele também foi um correspondente prolífico e manteve um diário detalhado por mais de 10.000 dias consecutivos.

Read também compartilhou dicas sobre o processo criativo em “Aids to Leadership” (“Auxílios à Lideranças”), um capítulo de Elements of Libertarian Leadership (“Elementos da Liderança Libertária”) (1962).

Abaixo, organizei algumas das joias de sabedoria de Hazlitt e Read por tema.

Hazlitt escreve que “é necessária uma leitura e uma pesquisa extensiva antes que o leitor possa começar a “pensar por si mesmo ou tirar ‘conclusões independentes'”. Ele advertiu que “nenhum homem em qualquer ramo da ciência ou do conhecimento pode esperar fazer um trabalho original, ou mesmo um pensamento útil, a menos que tenha tido o trabalho de aprender o que já foi descoberto naquele ramo do conhecimento. Ele deve conhecer a condição anterior do problema. Ele verá então se pode fazer alguma contribuição própria”.

Hazlitt também celebrou a alegria de mergulhar em um tema que te fascina:

“Nenhuma prática supera a de folhear uma prateleira de biblioteca contendo livros sobre o assunto que despertou seu interesse e prová-los. Se me permitem uma nota pessoal, parece-me, olhando para trás, que as horas de mais pura felicidade de minha juventude foram passadas exatamente assim. Eu provava avidamente um livro após o outro, e quando a campainha tocava, e a biblioteca fechava à noite, e eu era forçado a sair, eu saía em um estado de intoxicação mental, com meus conhecimentos e ideias recém-descobertos girando em minha cabeça.”

Estude para criar

Hazlitt escreveu sobre “a necessidade de leitura e estudo extensivos antes que o leitor possa lançar-se em “pensar por si mesmo ou chegar a ‘conclusões independentes’”. ou ramo de conhecimento até que ele tenha se dado ao trabalho de aprender o que já foi descoberto naquele ramo de conhecimento. Ele deve saber o estado anterior da questão. Então ele verá se pode fazer alguma contribuição própria.”

Hazlitt também celebrou a alegria de mergulhar em um tema que te fascina:

“Escrever é a melhor maneira de formular ideias, até mesmo de ter ideias. Não se pode formular ideias por escrito sem pensar. Escrever é um mestre duro, uma disciplina severa. É fácil concluir que uma ideia é dominada – até que seja feita a tentativa de colocá-la por escrito. Instantaneamente, muitas de suas imperfeições se tornam aparentes. Uma ideia que não pode ser escrita é uma ideia não dominada ou possuída”.

De fato, o caminho de Hazlitt para se tornar um dos maiores expositores de economia da história começou assim. Encontrar The Common Sense of Political Economy, de Philip Wicksteed, na prateleira de uma biblioteca, foi o início de sua jornada autodidata pela toca do coelho da economia sólida que o levou a Ludwig von Mises e à Escola Austríaca.

Na era da hiperbiblioteca que é a internet, somos abençoados com ainda mais oportunidades de fazer essas jornadas intelectuais e experimentar os altos que Hazlitt viveu. Que tantos de nós optem por nos tornar miseráveis ​​brigando e fervendo nas mídias sociais não é culpa de ninguém, mas nossa.

Capture suas ideias

Quanto mais você estudar, mais ideias criativas você terá. É importante capturá-los, porque, como Read escreveu:

“Um insight ou uma ideia à medida que colide com a consciência – por mais efêmera ou evanescente que seja a ideia – é um aviso prévio para o indivíduo de que ele precisará disso mais tarde.”

E como Hazlitt aconselhou:

“… todo pensador sério, especialmente se espera ser um escritor profissional, deve manter um caderno ou um diário. Salientei, na primeira edição deste livro, que as boas ideias são muitas vezes fugidias e devem ser capturadas em pleno vôo – em outras palavras, que é uma excelente prática ter sempre um lápis e um bloco à mão, para anotar um bom pensou o momento depois que ilumina sua mente. A suposição complacente de que uma vez que uma idéia brilhante ou uma frase feliz lhe ocorre, é uma aquisição permanente, a ser invocada apenas quando necessário, muitas vezes se mostra falsa. Mesmo Nietzsche, uma das grandes mentes seminais do século XIX, descobriu que: ‘Um pensamento vem quando ele deseja, não quando eu desejo.'”

Ler encorajado a capturar até mesmo ideias aparentemente pequenas:

“Não fixe suas expectativas em uma grande ideia por que, ao fazê-lo, perderá a importância de suas partes aparentemente insignificantes – a pequena ideia. A ideia grandiosa, como o próprio cérebro, é apenas o florescimento de seus pequenos componentes. Em suma, conte como sucesso a descoberta de uma palavra ou a formação de uma frase que melhorará a compreensão e a comunicação.”

David Allen, autor de Getting Things Done, ofereceu conselhos semelhantes:

“Muitas das ideias que você tem, se não forem imediatamente e obviamente valiosas no momento, contêm o germe de algo que pode ser extremamente útil. Você simplesmente não pode vê-lo ainda. Dê a si mesmo a liberdade de capturar todos os tipos de pensamentos que você pode reavaliar mais tarde.”

E aqui está a leitura sobre retenção:

“No que diz respeito à memória, a escrita ajuda na indelibilidade. Entretanto, é a captura da idéia para uso posterior ou referência que conta. Todos nós já tivemos milhares de idéias sobre as quais agora estamos totalmente inconscientes ou, para citar Russell Dicks, “A mortalidade infantil de idéias recém-nascidas é enorme”.

Hazlitt chega a dizer:

“Aquele que procura ser um pensador claro e preciso também deve procurar ser um escritor claro e preciso. A boa escrita é o gêmeo do bom pensamento. Aquele que aprende a pensar deve aprender a escrever.”

E aqui está Hazlitt sobre como escrever ideias para dominá-las:

“Quando escrevemos nossas ideias, estamos ao mesmo tempo testando, desenvolvendo, organizando, cristalizando e completando-as. Imaginamo-nos não apenas tornando essas ideias claras para os outros, mas fazendo com que pareçam tão importantes para os outros quanto para nós mesmos. Assim, tentamos tornar preciso e definido o que era vago em nossas mentes; o que estava implícito, explícito; o que estava desconectado, unificado; o que era fragmentário, inteiro. Estruturamos uma generalização e depois tentamos torná-la o mais plausível possível; tentamos pensar em ilustrações concretas disso. E ao fazermos isso, também o expomos a nós mesmos – e às vezes, infelizmente, descobrimos que é vazio, insustentável ou puro absurdo.”

E aqui está Hazlitt sobre a escrita como auxílio à concentração:

“Uma vantagem incidental do hábito de escrever as próprias ideias é que ele promove a concentração como quase nenhuma outra prática faz. Como alguém que escreveu editoriais de jornais diários ou colunas de revistas semanais por muitos anos, posso testemunhar que nada nos força a reunir os pensamentos mais do que decidir sobre um assunto, sentar-se diante da máquina de escrever, alimentar uma folha de papel em branco e depois tentando enquadrar o tema, título e parágrafo de abertura exatos.”

Francis Bacon resumiu com insuperável concisão: ‘Ler faz um homem completo, conferenciar um homem pronto e escrever um homem exato.'”

Uma das razões pelas quais Leonard Read mantinha um diário tão fielmente era que isso o ajudava a gerar ideias:

“Gostaria de recomendar a manutenção de um diário no qual as ideias são formuladas. De qualquer forma, escreva o registro de cada dia; pois a escrita induz a concentração e a concentração é o estado mais provável em que as ideias são recebidas, em que elas fluem para a consciência”.

“Formule suas ideias. Sempre que estiver de posse de uma ideia, elabore-a, pense nela, desenvolva sua plenitude, de uma só vez. Nunca permita que uma ideia não formulada confunda a mente. Deve ser chocado ou, para mudar a metáfora, trazido à tona. Aqui é onde o esforço consciente desempenha um papel tão importante. Pois, a menos que uma ideia seja retirada do receptor e colocada na memória, ou gravada de outra forma, o aparelho receptor não funcionará com alta fidelidade. De fato, pode-se ficar apenas “estático.” Duas ou três ideias não eclodidas causam confusão mental, a mente entope ou emperra, e ideias adicionais, se vierem, serão perdidas. A melhor maneira de fazer a lição de casa é comprometer uma ideia por escrito imediatamente após sua recepção.”

Escreva suas ideias

Tanto Read quanto Hazlitt enfatizaram a importância da escrita para formular, dominar e reter totalmente as ideias. Como Read escreveu:

E Read enfatizou a importância de trabalhar suas ideias antigas para ter novas:

Dee Hock, o fundador da Visa, ofereceu conselhos semelhantes quando escreveu:

“O problema nunca é como colocar pensamentos novos e inovadores em sua mente, mas como tirar os antigos. Cada mente é um edifício cheio de móveis arcaicos. Limpe um canto de sua mente e a criatividade o preencherá instantaneamente.”

Compartilhando sua compreensão,
Read enfatizou a importância de compartilhar sua compreensão com outras pessoas para “elevar o nível” de seus próprios estudos:

“A maioria dos indivíduos que têm alguma competência na filosofia libertária é convidada a escrever ou falar. Não seja como a jovem recatada que se recusa a tocar piano. Aceite! Inicialmente, isso exigirá coragem e muitas dores surgirão. É como dores de parto, pois as faculdades não utilizadas são postas em ação. Mas é espantoso quanta reflexão e estudo se fará – uma vez que um convite é aceito – não apenas para evitar fazer papel de bobo, mas para parecer aos outros tão inteligentes quanto ele, em seu íntimo coração, se considera! Os incentivos em tais circunstâncias são poderosos, de fato! Procure, em vez de fugir, de perguntas difíceis feitas por outras pessoas. A busca por respostas parece abrir torneiras da mente. Idéias até então inimagináveis ​​começarão a fluir.”

O primeiro livro de Hazlitt Thinking as a Science, que foi publicado quando ele tinha apenas 21 anos de idade, foi escrito principalmente como um exercício de auto-educação:

“Eu queria principalmente ensinar a mim mesmo como pensar de forma mais eficiente, independente e, se possível, original”. Eu já havia sentido que ‘quem ensina, aprende'”.

Como Read enfatizou, quanto mais nos aproximamos de compartilhar a filosofia da liberdade como um exercício para melhorar nossa própria compreensão – em oposição a reparar a de outro – mais lúcidas (e assim persuasivas) nossas exposições serão para outros. Para sermos um grande elucidativo como Bastiat, Hazlitt e Read, devemos antes de tudo elucidar nosso tema para nós mesmos: através do estudo, da reflexão e da escrita.

É o que é preciso para aproximar-se Frédéric Bastiat. E, como disse Leonard Read, dez mil próximos à um Bastiat podem ser o que será necessário para trazer um renascimento da liberdade. Se você se sentir chamado a se juntar a essas fileiras, seguir a orientação de dois dos maiores imitadores de Bastiat seria um ótimo lugar para começar.

Se quer aprender a ser mais criativo Com Bastiat, leia a coletânea de seus melhores artigos pela Editora Konkin, intitulado ‘Bastiat Ainda Invicto’.

Você pode adquiri-lo na versão física comprando aqui ou baixando a versão gratuita em PDF aqui.

Este artigo foi escrito originalmente por Dan Sanchez, publicado em FEE.org e traduzido e adaptado por @joaquim-gabriel

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

spot_img

CONFIRA