sexta-feira, maio 20, 2022

A criptografia protege ucranianos, dissidentes russos, e você

Nenhuma classe de governos pode ser confiável tendo acesso às comunicações privadas das pessoas

Após a invasão russa da Ucrânia, obter informações através de firewalls e passar pelos olhos dos censores tornou-se uma grande preocupação tanto para os ucranianos quanto para os russos críticos do regime de Putin. Essa criptografia surgiu como uma ferramenta importante que não deve surpreender exatamente ninguém que tenha prestado atenção à evolução dos esforços de ativistas, jornalistas e cidadãos privados para escapar do aviso dos governantes arruaceiros. Essa é uma lição a ser levada a sério não apenas para as pessoas no exterior, mas também aqui em casa.

“Comunicações seguras e criptografadas dão às pessoas o poder de organizar e acessar informações que os regimes autoritários não querem ver”, tweetou o senador Ron Wyden (D-Ore.) em 3 de março. “A criptografia de ponta a ponta é vida ou morte para pessoas que vivem em países autoritários como Rússia, China, ou Arábia Saudita”.

Wyden merece elogios por suas mensagens consistentes sobre este assunto. Ele é uma figura política rara que defende a privacidade, criticando recentemente os ataques legislativos à criptografia, assim como a divulgação da vigilância doméstica pela CIA. (Infelizmente, ele não é tão bom em liberdade econômica, pela qual foi chamado por seu próprio filho). O legislador do Oregon passou a especificar que os usuários devem ter cuidado com as ferramentas que utilizam: “Se um serviço não é criptografado de ponta a ponta por padrão, ele não é seguro”.

Esse conselho se aplica mais particularmente ao Telegram, que é muito popular na Europa Oriental em parte porque seu fundador, Pavel Durov, fugiu da Rússia para escapar do regime de Putin e foi inspirado para promover a tecnologia de mensagens seguras. Mas muitos de seus usuários entendem mal o aplicativo e pensam que todas as suas conversas on-line estão protegidas, quando apenas “bate-papos secretos” desfrutam de criptografia de ponta a ponta. A Electronic Frontier Foundation publicou um guia para o uso seguro do Telegram.

As complexidades do Telegram desencadearam uma discussão vigorosa sobre a melhor maneira de manter a informação a salvo de olhares curiosos. Essa é uma preocupação premente para os funcionários ucranianos, jornalistas cobrindo a guerra, russos criticando Vladimir Putin e qualquer um que se envolva em discussões potencialmente sensíveis e não totalmente certo apenas de quem possa estar de bota na garganta num futuro próximo. O Projeto Tor ofereceu um guia on-line para derrotar a vigilância e a censura e estabeleceu serviços, incluindo Meta, que é proprietária do Facebook e Instagram, a fim de permitir a criptografia de ponta a ponta.

“Se você precisa se comunicar com um grupo e é importante que o Telegram não tenha acesso aos dados ou metadados em torno dessas comunicações, mude sua comunicação para uma plataforma alternativa como o Signal (veja nossos guias para Android e iOS), Wire, Threema ou WhatsApp”.

Advertiu o EFF.

O que não está em disputa é a necessidade absoluta do “poder de organizar e acessar informações que regimes autoritários não querem ver”, como disse Wyden. Há poucas dúvidas de que os ucranianos organizando a defesa de seu país e a fuga de seus entes queridos, os russos soando sobre seu regime e buscando notícias confiáveis e os jornalistas cobrindo a carnificina precisam de comunicações seguras que não possam ser interceptadas por olhares curiosos. Essa capacidade também é importante para operações no exterior que buscam obter informações para aqueles envolvidos no conflito. Ironicamente, isso inclui a mídia patrocinada por governos com um histórico de hostilidade às comunicações privadas. A BBC do governo britânico publicou instruções sobre o uso de Psiphon que evita a censura e o anonimato para contornar as restrições russas à mídia estrangeira. Os serviços do governo dos Estados Unidos encorajam soluções semelhantes.

“A Rússia impôs uma censura sem precedentes em nossos sites de notícias em russo”, aconselha a Radio Free Europe/Radio Liberty. “Para continuar acessando nossa reportagem em russo, os leitores na Rússia podem usar uma VPN, como a nthLink, que é uma solução gratuita apoiada pelo Open Technology Fund. As VPNs também lhes darão acesso às plataformas de mídia social bloqueadas.

É um conselho útil, mas um pouco chocante considerando que esses serviços pertencem a governos dedicados a monitorar e controlar o fluxo de informações.

“O governo britânico e uma coalizão de instituições de caridade estão incitando o público britânico a pressionar o Facebook a não introduzir a criptografia de ponta a ponta (E2EE) em seu serviço Messenger”, informou a própria BBC há apenas algumas semanas. “O debate público provavelmente será feroz, pois os defensores da privacidade e as empresas de tecnologia argumentam que o sistema é necessário para proteger a privacidade pessoal e a segurança dos dados”. E a batalha está sendo acompanhada de perto ao redor do mundo, pois muitos governos também estão interessados em deter a disseminação da criptografia de ponta a ponta em sua forma atual”.

Entre os governos interessados em deter a disseminação da criptografia de ponta a ponta está o governo russo, do qual fugiu Pavel Durov, do Telegram, e em torno do qual a mídia ocidental agora cria conexões de dados seguras. Mas também inclui os governos da Austrália, Canadá, Índia, Japão, Nova Zelândia, Reino Unido e Estados Unidos. Em 2020, eles emitiram uma declaração conjunta insistindo que “implementações particulares de tecnologia de criptografia, entretanto, representam desafios significativos para a segurança pública. Os governos signatários pediram restrições de criptografia para salvar as crianças, o que é a justificativa para uma legislação autoritária de quase tanta autoridade. As crianças são a desculpa que os legisladores americanos exploram para pressionar as restrições de criptografia na lei EARN IT Act, atualmente pendente no Congresso.

“A criptografia de ponta a ponta é vida ou morte para pessoas que vivem em países autoritários como Rússia, China ou Arábia Saudita”, advertiu Wyden ao promover a tecnologia. Mas, como os ucranianos sabem, às vezes o autoritarismo atravessa a fronteira sem um convite. Os recentes ataques do governo canadense aos manifestantes de bloqueio mostram que países supostamente livres podem escorregar para o autoritarismo com poucos avisos. E ainda estamos tentando descobrir a importância total do programa de espionagem doméstico da CIA anos depois que Edward Snowden nos avisou sobre as bisbilhotices anteriores.

“O programa de vigilância da CIA lembra os programas de vigilância em massa conduzidos pela NSA, embora os detalhes divulgados até o momento tracem um quadro perturbador de potenciais violações em larga escala da privacidade das pessoas”, observou a EFF no mês passado. “Para começar, o programa da CIA aparentemente tem sido conduzido fora das reformas estatutárias e da supervisão da comunidade de inteligência instituída após as revelações de Edward Snowden em 2013”.

Não há nenhuma classe de governos em quem se possa confiar o acesso às comunicações privadas das pessoas, uma vez que o pessoal que faz as regras pode mudar ou se tornar muito menos confiável do que se imaginava anteriormente. A privacidade tem que ser protegida para todos porque não sabemos com antecedência quando será mais necessário. A criptografia deve ser aprimorada e disponibilizada mais precisamente porque os funcionários do governo se tornam infelizes quando protegemos nossas informações de seus olhos curiosos.

Artigo escrito por JD Tuccille, publicado no Reason e traduzido e adaptado por Gazeta Libertária

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

SourceReason

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

CONFIRA