Argentina irá criar estatal de alimentos para conter inflação

Argentina irá criar estatal de alimentos para conter inflação

Não bastasse a falha da Argentina na tentativa de controle de preços para desacelerar a “inflação”, o governo argentino tem mais uma “brilhante” ideia que poderá resolver o problema da alta crescente de preços: criar uma estatal de alimentos. Contém ironia.

A porta-voz do governo, Gabriela Cerruti, confirmou esta manhã que o governo está trabalhando na criação de uma Companhia Nacional de Alimentos na tentativa de controlar os preços.

A inflação está prejudicando a mesa do povo argentino e o governo está avaliando uma solução, não porque seja do seu interesse político, mas porque é seu dever mudar a vida das pessoas.

disse Cerruti.

Durante uma coletiva de imprensa na quinta-feira, a porta-voz afirmou que uma das prioridades da nova estatal será garantir que os legumes cheguem aos lares a preços mais baixos. “O governo está tentando ver como pode ajudar os produtores de pequeno e médio porte”, disse ela.

A luta contra a inflação tem a ver com o controle dos preços, mas também com a produção e as exportações, e com acordos internacionais como o FMI; todas estas questões são tomadas em conjunto e vistas como uma política global para ter sucesso na luta contra a inflação, que é um de nossos principais objetivos.

concluiu.

O Secretário de Comércio Interior Roberto Feletti reforçou o discurso de Cerruti, e disse que é necessário mais intervenção do estado nos preços dos alimentos.

Precisamos reconstruir instrumentos estatais que tornem possível regular o mercado livre na alocação de recursos alimentares. Para trigo, milho, carne e leite, precisamos de uma ligação com os preços internacionais.

disse Roberto Feletti, mesmo após a inflação de 3,9% em janeiro e da política de controle de preços falhar.

Quando questionada sobre o fracasso das políticas de controle de preços anteriores, Cerruti apenas disse que “as estratégias de longo prazo geralmente têm que esperar que o tempo passe, antes que possam ser consideradas um sucesso ou não”.

Sobre a viabilidade de um controle de preços e planejamento estatal sobre alocação e produçãode alimentos, o Diretor Nacional de Políticas Inclusivas do Ministério do Desenvolvimento Social, Rafael Klejzer, detalhou como funcionaria:

Uma Companhia Nacional de Alimentos, diretamente associada aos produtores, permitirá ao Estado desempenhar um papel ativo no planejamento, regulamentação, controle, produção, análise de custos e comercialização de alimentos, em um mercado atualmente altamente concentrado e nas mãos de grandes corporações

Segundo Klejzer, “desta forma, será possível gerar um preço de referência para produtos de consumo em massa e acabar com a ganância de empresas que vêem os alimentos como uma mercadoria e não como um direito social”, disse ele.

E continuou:

Normalmente, o aumento dos preços dos alimentos está acima da média inflacionária, o que significa que há um excesso de trabalho nas famílias argentinas e uma enorme transferência de recursos dos setores populares para os setores concentrados da economia.

A viabilidade de uma estatal de alimentos

A viabilidade de uma estatal de alimentos enfrenta às mesmas dificuldades que os demais tipos de estatais: falta de um sistema de preços legítimo que oriente a alocação de recursos e produção de bens.

Como já disse o economista austríaco Ludwig von Mises em seu ensaio O Problema do Cálculo Econômico Sob O Socialismo‘, sem propriedade privada dos meios de produção não há mercado. Sem mercado, não há formação de preços. Sem formação de preços, é impossível fazer um cálculo econômico para alocação dos recursos.

A própria experiência histórica mostrou todas as tentativas falhas de planejamento central do estado na produção de bens, como ocorreu na URSS, China Maoísta e Khmer Vermelho no Camboja.

Assim como a política de controle de preços, esse projeto também irá falhar e custará um alto preço para os argentinos com um possível aumento da escassez de alimentos e outros itens básicos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Greve das universidades federais
Política

Greve das Universidades Federais mantém tensão entre professores e o Governo Lula

A greve de universidades federais no país, que já dura quase dois meses, segue ativa, mantendo a tensão entre os professores federais e o Governo Lula. Por um lado, professores em greve afirmam que continuarão com a greve até receberem aumentos salariais. O governo, por sua vez, afirma que não há mais espaço no orçamento […]

Leia Mais
Macron
Política

Macron dissolve parlamento e convoca eleições legislativas antecipadas na França

No último domingo (9), o presidente da França, Emmanuel Macron, dissolveu o parlamento do país, a Assembleia Nacional, e convocou eleições legislativas antecipadas. A decisão do presidente francês foi tomada após uma pesquisa de boca de urna que mostrou que seu partido, Renascimento, seria derrotado pelo partido de oposição, União Nacional (RN), nas eleições parlamentares. […]

Leia Mais
Jorge Seif
Política

Senador Jorge Seif admite que defende imposto sobre importações porque paga o seu salário

O senador Jorge Seif (PL-SC), que se diz liberal, votou sim pela em 20% das compras internacionais até 50 dólares, que foi aprovada na última quarta-feira, 5, a taxação. O senador justificou seu voto, admitindo que tal imposto paga seu salário. O senador ainda recorreu às velhas falácias protecionistas e estatistas em defesa dos impostos […]

Leia Mais