Barra de chocolate da Garoto nos EUA chega a custar menos da metade do preço do produto no Brasil, onde ele é fabricado

Barra de chocolate Garoto

Em um vídeo que se tornou viral nas redes sociais, um brasileiro residente nos EUA ficou surpreso ao encontrar barras de chocolate da Garoto por menos da metade do preço encontrado no Brasil. E isso apesar do produto ser fabricado em território nacional.

O vídeo foi gravado pelo influencer Yuri Machado Souza, onde mostra que o preço da barra de chocolate da Garoto nos EUA é de $ 0,50 , o equivalente a R$ 2,50 no Brasil. Uma pesquisa rápida na internet mostra que o produto chega a custar até R$ 6,00 no varejo.

Abaixo, o vídeo onde Yuri mostra o preço nos EUA do produto fabricado no Brasil:

O quê causa essa diferença de preços?

O vídeo de Yuri gerou comentários diversos, com alguns reforçando que a diferença de preços do produto se deve aos impostos maiores no Brasil, e outros afirmando que é só fazer a conversão para a moeda nacional que a diferença não é tão grande. Já outros, comentaram sobre a diferença entre os impostos para importação e para exportação.

“O motivo é o câmbio”

Seria o motivo da diferença de preços, o câmbio entre as moeda dos dois países? Na verdade, não. Mesmo fazendo a conversão de dólar para real, o preço do produto nos EUA ainda está mais barato que o preço do mesmo produto vendido aqui no Brasil, que chega a ser quase o dobro em algumas lojas.

Os impostos

É verdade que os impostos impactam no preço, mas não exatamente como muitos pensam. Não há simplesmente um repasse do preço dos consumidores, já que se os vendedores pudessem aumentar o preço já o teriam feito antes dos impostos, como mostra o grande economista Murray Rothbard em sua obra Homem, Economia e Estado.

O que acontece, é que os impostos inviabilizam principalmente os estabelecimentos com menores rendimentos, os levando a fechar. Com isso, é reduzida a concorrência, o que permite aos estabelecimentos que sobreviveram no mercado (geralmente os que obtem maiores rendimentos) a elevar o preço dos produtos. Isso, claro, se houver uma demanda grande o suficiente por parte dos consumidores.

Impostos: importação vs exportação

Alguns chegaram a apontar muito bem para a diferença entre os impostos sobre importação e sobre exportação, onde os primeiros são maiores do que para o segundo. De fato, isso é um dos motivos da diferença de preços do mesmo produto em ambos os países, como já foi mostrado na sessão anterior.

No entanto, este não é o único motivo. Basta lembrar que também há impostos sobre importação e também impostos sobre venda de produtos nos EUA. Talvez a principal diferença esteja na alíquota de tais impostos, com os EUA tendo uma taxa muito menor.

Além disso, uma tributação menor permite que haja uma maior oferta e diversidade dos produtos, o que pressiona seus valores para baixo em comparação ao mercado brasileiro.

inflação

Além dos motivos aprsentados, ainda há a questão da inflação. Mesmo os EUA passando pela maior inflação dos últimos 40 anos, o impacto sobre o preço dos produtos ainda consegue ser menor em comparação ao caso do Brasil.

Seguindo a definição da Escola Austríaca de Economia, entendendo a inflação como expansão da oferta monetária e o aumento de preços como uma de suas consequências, é possível até mesmo afirmar que a inflação dos EUA é maior do que a do Brasil. No entanto, impostos comparativamente mais baixos e uma regulação mais flexível da economia, reduzem o impacto da inflação sobre os preços em comparação ao mercado brasileiro.

Com isso em mente, é possível mensurar o quanto uma série de fatores influenciam na redução do poder de compra e na qualidade de vida dos brasileiros.

“Ah, mas é só chocolate”

É previsível que alguém ao ler este artigo pense “ah, é apenas chocolate. Há coisas mais importantes”. De fato. Mas este caso serve para ilustrar o impacto dos impostos, regulação e inflaçã no Brasil. Todas estas medidas (sim, a inflação é criada propositalmente pelo governo) mostram os verdadeiros fatores que levam ao empobrecimento e estagnação econômica no país.

Apenas peguei este caso como exempo, porque é o caso que está viralizando no momento. Poderíamos apontar qualquer outro caso (e não são pouco conhecidos) de produtos fabricados aqui, porém sendo vendidos a preços muito mais baixos em outros países para onde eles são exportados.

Isso também não é uma demonstração de que os EUA seja um “paraíso do livre mercado”. Economistas da Escola Austríaca nos EUA estão cientes e preocupados sobre o quanto a economia americana está sendo ameaçada e arrasada pela intervenção estatal. No entanto, ao comparar a situação americana com a brasileira, fica evidente que estamos em uma situação muito pior.


GOSTA DO NOSSO TRABALHO? CONSIDERE UMA DOAÇÃO

Com sua a contribuição, poderemos nos dedicar integralmente a nossa missão: levar notícias e informação para o público de forma transparente e livre. E tudo isso, livre do viés estatista da grande mídia e em total defesa da liberdade

2 thoughts on “Barra de chocolate da Garoto nos EUA chega a custar menos da metade do preço do produto no Brasil, onde ele é fabricado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Praça de Maio
Economia

Mises na Argentina: lições do passado para hoje

Ludwig von Mises visitou a Argentina em junho de 1959 a convite do Dr. Alberto Benegas Lynch. As palestras que Mises proferiu na Universidade de Buenos Aires foram reproduzidas no livro ‘Economic Policy: Thoughts for Today and Tomorrow‘ (Política Econômica: Pensamentos para Hoje e Amanhã, lançado no Brasil como ‘As Seis Lições‘). Como o título […]

Leia Mais
Caridade
Economia

Entendendo o Verdadeiro Significado da Caridade

Na edição de janeiro-fevereiro da revista The Misesian, o economista Jörg Guido Hülsmann fala sobre os insights que o levaram a escrever seu livro ‘Understanding the True Meaning of Charity’ (‘Entendendo O Verdadeiro Significado da Caridade’, ainda sem tradução no Brasil). Confira abaixo a entrevista. The Misesian (TM): A economia das doações e da caridade […]

Leia Mais
Economia

A conta chegou: alta de inflação e dos juros e queda do PIB

Analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Banco Central (BC) mostraram um maior pessimismo em relação a economia do país, voltando a revisar para cima as projeções de juros e inflação para este ano. As informações foram divulgadas no Boletim Focus desta segunda-feira, 20. As previsões pessimistas são reflexo das políticas keynesianas nas quais o governo […]

Leia Mais