O Bitcoin como exemplo de sustentabilidade

Bitcoin e sustentabilidade

Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Nos últimos anos, pela pressão da agenda ESG, as criptomoedas que utilizam o modelo de Prova de Trabalho, especialmente o Bitcoin, foram duramente atacadas por seu impacto ambiental. Atualmente, no entanto, sabe-se que essa crítica, que possui relação com os ataques estatais à nova tecnologia, não se sustenta.

Mais da metade da energia utilizada na mineração do Bitcoin é proveniente de fontes consideradas sustentáveis, com essa porcentagem tendendo a crescer ainda mais nos próximos anos. A rede já atingiu a maturidade que capacita seu crescimento em hash rate ser acompanhado por uma redução no volume de emissões. O carvão contribui com apenas 23%.

Com relação ao medo das instabilidades na rede elétrica derivadas do esforço de mineração, há uma tendência dos mineradores pela procura, até mesmo para fugir das flutuações de preço nos horários de pico, por alternativas off-grid, que não apenas deixam de impactar a rede elétrica de consumo geral, como criam novas oportunidades de utilização do que antes não era economicamente viável ou mesmo simplesmente desperdiçado.

O Bitcoin começou a ser minerado com o uso de gases combustíveis que seriam simplesmente queimados (flare), por, dentre outras, falta de estrutura para seu transporte que, pelo seu volume, não era economicamente vantajoso. Estima-se que, com a utilização dos gases que passariam pelo processo de flare, apenas nos EUA, a energia produzida é suficiente para rodar toda a rede de mineração do Bitcoin. Com sua utilização para gerar energia, as emissões de dióxido de carbono na atmosfera são drasticamente reduzidas.

Ainda, empresas no cenário de mineração estão cada vez mais utilizando, algumas mesmo totalmente, energia proveniente de fontes hidráulicas, eólicas ou solares.

Leia também: Mineração de Bitcoin se torna mais difícil a medida que a dificuldade da rede atinge um novo pico

Estudos recentes revelaram que estimativas anteriores do consumo energético da rede o estavam superdimensionando, bem como subdimensionando o uso de fontes renováveis de energia. Em verdade, não apenas a mineração de Bitcoin está implementando soluções sustentáveis a um ritmo muito superior a outros setores da economia, como mineração de ouro, produção de aço e agricultura, mas que a rede é dezenas de vezes mais energeticamente eficiente quando comparada ao sistema bancário tradicional.

Mesmo que não seja uma forma de justificativa, a mineração de Bitcoin atualmente libera na atmosfera menos de 35 milhões de toneladas de gases de efeito estufa por ano. Em comparação, desde o início da Guerra ao Terror, as forças armadas americanas liberaram 1,2 bilhão de toneladas. Esse número desconsidera todos os outros exércitos do planeta em suas atividades diversas. Creio que, como um importante meio de disseminar e exercer a liberdade, é um custo que vale a pena.

Com os novos dados e a clara tendência apresentada, as críticas pela falta de sustentabilidade na mineração do Bitcoin podem ser finalmente abandonadas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gabriel Camargo

Autor e tradutor austrolibertário. Escreve para a Gazeta com foco em notícias internacionais. Suas obras podem ser encontradas em https://uiclap.bio/GabrieldCamargo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Lula imposto sobre o Bitcoin
Criptomoedas

Governo Lula quer aumentar para 22,5% os impostos para todos os usuários de Bitcoin no Brasil

O governo Lula anunciou que pretende aumentar os impostos para todos os usuários de criptomoedas em até 22,5%. Segundo o governo, a proposta não é criar um novo imposto, mas aumentar ainda mais as taxas para os usuários que possuem criptoativos. A ideia é ‘fechar o cerco’ com àqueles que estão usando criptoativos para driblar […]

Leia Mais
Halving do Bitcoin
Criptomoedas

O halving do Bitcoin está cada vez mais próximo, com menos de 2.900 blocos restantes

No momento, restam menos de 2.900 blocos até o próximo halving do Bitcoin. Para compreender o conceito de halving, é bom entender primeiro como surgem os novos bitcoins, principalmente por meio do processo de mineração de bitcoins. Isso envolve entidades, conhecidas como mineradores, que validam blocos repletos de transações que aguardam confirmação. Em sua busca […]

Leia Mais
União Europeia ALM Criptomoedas
Criptomoedas

Novas leis contra lavagem dinheiro da UE visam transações em criptomoedas

Como parte das novas leis contra lavagem de dinheiro, o Parlamento da União Europeia proibiu carteiras de criptografia de autocustódia não identificadas para transações na região. A proibição tem como alvo as transações anônimas em dinheiro que excedam € 3.000 e as carteiras de auto-custódia em várias plataformas. Em uma publicação recente nas redes sociais, […]

Leia Mais