sexta-feira, maio 20, 2022

Bitcoiners estavam certos: finanças utilizadas como armas acabaram de criar um planeta pós-dólar

A onda de sanções que atinge a Rússia destaca a complexa rede de conexões que compõem a sociedade global contemporânea – e sua fragilidade final.

A Rússia de Vladimir Putin está enfrentando uma onda de sanções financeiras sem precedentes em retaliação pela invasão à Ucrânia. As sanções revelaram o enorme poder que estava adormecido no sistema bancário global unificado por décadas. Mas provavelmente também marca o início do fim desse poder e o surgimento de algo mais fragmentado nas finanças.

O escopo das sanções que atingiram a Rússia na última semana mostrou a incrível teia de interdependências transfronteiriças alinhadas que compõem o tecido de todas as sociedades contemporâneas – e sua fragilidade final. Alguns bancos russos foram desconectados do sistema SWIFT, crucial para transferências internacionais. As ações de um dos maiores bancos da Rússia caíram 95% na Bolsa de Londres. O rublo despencou cerca de 50% em relação ao dólar em apenas uma semana, um golpe na economia russa que terá efeitos duradouros, mesmo que seja uma queda de curto prazo – o que não é o caso.

As restrições comerciais parecem igualmente devastadoras. Taiwan disse que interromperá as exportações de semicondutores para a Rússia. Observadores da indústria acreditam que a frota aérea comercial russa, composta em grande parte por aviões Boeing e Airbus, está a duas ou três semanas do fechamento completo por causa de um embargo de peças. O Apple Pay e outros serviços de pagamento ao consumidor foram cortados para alguns clientes, supostamente causando interrupções, incluindo lentidão no sistema de metrô de Moscou.

O impacto total atinge as entranhas da sociedade russa. Aparentemente, não foi um exagero, então, quando o ministro das Finanças da França prometeu na terça-feira , 1º de março, que “vamos causar o colapso da economia russa”.

Tudo isso deve ser considerado em um contexto histórico mais longo – até recentemente, essas oportunidades de ruptura simplesmente não existiam. O SWIFT só foi criado em 1978. Ainda em meados do século 20, os bancos internacionais ainda envolviam regularmente o envio de grandes quantidades de ouro em barcos.

… Foi-se

O elemento mais insano das sanções, porém, é o congelamento das reservas globais de divisas do banco central da Rússia. Isso é possível porque, como explicou Ousmene Mandeng ao Financial Times, “as reservas cambiais não são mantidas pelos bancos centrais”, mas sim por outros bancos ao redor do mundo. “Títulos e dinheiro nunca se movem, tudo é externo.”

Acredita-se que isso tenha afetado totalmente metade das reservas do Banco Central da Rússia, que recentemente totalizaram mais de US$ 630 bilhões. Essas reservas consideráveis, de acordo com a National Public Radio, faziam parte de um plano de longo prazo para tornar a Rússia “à prova de sanções”. Isso sugere fortemente que Putin cometeu um enorme erro de cálculo geopolítico sobre a natureza do sistema financeiro global. A Rússia se comportou como se confiasse nos bancos centrais europeus e americanos para continuar honrando suas reservas, mesmo após a invasão da Ucrânia. Isso teria permitido à Rússia continuar sustentando o valor do rublo, entre outras coisas, por meses, mesmo diante de sanções.

A Rússia se recusou a reconhecer a soberania e os direitos de propriedade da Ucrânia, por isso tem poucas pernas para se apoiar enquanto reclama do roubo das reservas. Mas essas sanções também irão minar permanentemente a suposição generalizada de que o sistema bancário global é um sistema meramente neutro e baseado em regras. Adam Tooze, escrevendo no Chartbook , argumenta que “fazer isso [congelamento de reservas] para um banco central colega envolve quebrar a suposição de igualdade soberana e o interesse comum em defender os direitos de propriedade”. Como Matt Levine apontou com brilho previsível na Bloomberg , as sanções mostraram que o sistema bancário global, como a maioria dos sistemas monetários, equivale a “uma maneira de acompanhar o que a sociedade acha que você merece”.

Esta é uma excelente forma de pensar sobre o iene para “dinheiro duro” que motiva muitos bitcoiners. Embora existam maneiras de os estados-nação restringirem o movimento do bitcoin, como proibir sua venda por meio de trocas, o bitcoin armazenado em uma carteira on-chain não pode ser apreendido ou congelado pelo tipo de decreto que cortou a Rússia. O Bitcoin pode ser descrito como um “ instrumento de portador digital ” e pode ser movido, comprado e mantido sem terceiros ou intermediários fora de sua própria rede.

Isso dá uma nova ressonância às caracterizações do bitcoin como “ouro digital”. O ouro sempre foi um instrumento particularmente útil em tempos de guerra ou outras rupturas, porque seu valor é considerado inerente ao objeto. (O ouro subiu quase 10% em fevereiro em meio a rumores de guerra). O Bitcoin é muito mais móvel que o ouro, mas também tem algumas desvantagens: em particular, o ouro não tem memória, enquanto o histórico de transações de cada bitcoin é preservado no blockchain. Isso apresenta problemas potenciais reais para o comércio de moedas anteriormente “sujas” , que podem acabar na lista negra das principais bolsas mesmo depois de não pertencerem mais a um pária global.

Uma vingança indesejável

Ainda assim, o que estamos vendo é uma justificativa significante do ceticismo subjacente do banco tradicional que impulsiona muitos em criptomoedas, e particularmente aqueles comprometidos especificamente com o Bitcoin. É sem dúvida o ponto de exclamação após anos de exemplos menores de sanções financeiras contra grupos que vão de profissionais do sexo a caminhoneiros canadenses.

Isso não significa que os bitcoiners estão dançando nas ruas, mais do que alguém alertando sobre o déficit de infraestrutura dos EUA deveria comemorar quando uma ponte desmoronar. Embora o Bitcoin seja uma lição prática e um modelo útil para o que um sistema de pagamentos global neutro poderia parecer, é improvável que no futuro próximo vejamos grandes estados usando o bitcoin ou outras criptomoedas para sair do status quo bancário. Em vez disso, há uma especulação considerável entre os profissionais de finanças de que a Rússia poderia começar a conduzir o comércio usando o renminbi da China e a infraestrutura bancária. Embora o dólar esteja atualmente em alta como um porto seguro, uma mudança russa para o RMB pode acelerar significativamente o declínio contínuo do domínio global do dólar .

Isso seria um grande passo para a repolarização de um mundo que antes pensávamos como geopoliticamente plano – ou apenas uma prova de que o sonho da universalidade liberal era uma ilusão o tempo todo.

Texto escrito por David Z Morris, traduzido e adaptado por Gazeta Libertária

(Caio Capaldo).

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

SourceCoindesk

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

CONFIRA