Homem reage em auto-defesa e é condenado à 30 anos de prisão nos EUA

Há aqueles que usam a inocência de Kyle Rittenhouse para argumentar por leis e punições mais duras. O caso de Andrew Coffee IV mostra porque essa é uma péssima ideia. A oposição ao veredicto de Kyle Rittenhouse – que viu um júri aceitar a alegação de auto-defesa do adolescente depois que ele atirou em dois homens e feriu outro durante uma noite de agitação civil – foi dividida em duas categorias principais: um lado afirma que o júri estava errado. O outro lado argumenta que mesmo que o júri estivesse tecnicamente correto, novas leis precisam ser elaboradas para garantir que tal veredicto não volte a acontecer.

Este último argumento reflete uma “tentativa bem intencionada” de corrigir as disparidades raciais e de classe no sistema de justiça. No entanto, outra decisão recente, proferida na Flórida no mesmo dia que a da Rittenhouse, é um estudo de caso sobre por que outras medidas punitivas podem prejudicar aqueles que já enfrentam consequências desproporcionais.

O caso de auto-defesa de Andrew Coffee IV

Andrew Coffee IV foi acusado da tentativa de assassinato contra um oficial da lei, que na verdade foi auto-defesa, e do assassinato de sua namorada, Artelia Woods. Os delegados do Indian River County Sheriff’s Office dispararam 10 tiros contra Woods durante uma busca de apreensão de drogas contra o pai de Coffee em 2017. Coffee disparou contra um delegado que invadiu seu quarto naquela noite, acordando com confuso e pensando que o oficial era um intruso. O deputado disparou de volta e matou Woods.

De acordo com a regra do crime de homicídio, o governo pode acusar alguém de ter matado uma pessoa que ele não matou de fato, se estiver de alguma forma relacionado a um crime tangencial. O governo argumentou que se o Coffee não tivesse tentado se defender naquela noite, os oficiais não teriam atirado de volta. Portanto, Coffee teria sido considerado culpado de assassinar sua namorada.

O júri não seguiu essa regra, absolvendo o Coffee de ambas as acusações. “Eu estava tentando proteger a mim e Alteria, pensei que estava fazendo isso”, disse Coffee, “Mas eu sinto que não a protegi. Não consigo dormir com isso… Eles a mataram.”

As evidências de auto-defesa de Coffee

O caso de Coffee é muito mais grave do que o do Rittenhouse. Agentes do estado invadiram seu quarto, mataram sua namorada, admitiram que a haviam matado, e ainda assim tentaram prendê-lo. Enquanto a Rittenhouse foi inocentado, Coffee está enfrentando 30 anos de prisão. O júri o considerou culpado pela posse de uma arma de fogo por um criminoso condenado. A arma de fogo foi usada para autodefesa quando agentes invadiram sua casa para uma investigação de drogas com a qual ele nada teve a ver.

O estado pretende aplicar o máximo de 30 anos de prisão para ele

Disse o procurador assistente Chris Taylor em um comunicado.

Enquanto isso, a acusação de armas no caso de Rittenhouse foi descartada pelo tribunal depois que ficou claro que o Ministério Público interpretou mal o estatuto. Embora ainda fomentem falsidades e mal-entendidos sobre esse desenvolvimento, é de fato legal que um jovem de 17 anos de idade no Wisconsin esteja na posse de uma arma de fogo, desde que não seja de cano curto. Clamores por leis mais duras vieram ironicamente dos liberais (no sentido americano moderno, significando social democrata/progressista) que ao mesmo tempo, defendem a reforma da justiça criminal.

A medida pode ser um tiro pela culatra

Mas o fato de nosso sistema ser injusto em sua punibilidade não é uma razão convincente para torná-lo ainda mais punitivo. Um sistema que busca a justiça castigando a todos ainda mais, buscará o tipo errado de igualdade. E, como mostra o caso de Coffee, leis e punições mais restritivas terão o efeito oposto sobre os réus que a esquerda tenta proteger.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Elon Musk Senado
Direito

Após críticas a Moraes e Lula, Elon Musk é convidado a falar em comissão do Senado

Após uma série de críticas dirigidas ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Elon Musk, dono do X (antigo Twitter) foi convidado a participar de uma audiência pública na Comissão de Segurança do Senado. O convite foi aprovado em sessão realizada na terça-feira […]

Leia Mais
Elon Musk e Alexandre de Moraes
Direito

PF quer convocar representantes do X após críticas de Elon Musk a Moraes e Lula

Após críticas de Elon Musk a Lula e Alexandre de Moraes, a Polícia Federal (PF) quer convocar representantes do X (antigo Twitter) para prestar esclarecimentos sobre as ações do bilionário na plataforma. Investigadores afirmam que os depoimentos não têm data prevista. A medida é uma das estratégias da investigação da Polícia Federal, que apura se […]

Leia Mais
Neto de Lula
Direito

Neto de Lula desafia críticos a provarem que seu avô é ladrão

Em um vídeo no Instagram publicado no dia 1° de abril (conhecido como Dia da Mentira), o neto do presidente Lula, Thiago Trindade, fez um desafio aos críticos do petista: provar que seu avô é ladrão. “Fica o meu desafio a essas pessoas que acham que podem ficar fazendo o Brasil de refém com ameaças. […]

Leia Mais