Houve realmente a tentativa de um golpe em 8 de janeiro?

Atos em Brasília dia 8 de janeiro

Hoje, 8 de janeiro, faz um ano que ocorreram os atos em Brasília contra o governo Lula. Com a aproximação da data, o ministro do STF, Alexandre de Moraes, chegou a até mesmo a alertar que quem comemorasse a data estaria “cometendo crime”, pois segundo ele, os atos foram uma “tentativa de golpe de estado”.

Mas afinal, realmente houve uma tentativa de golpe neste dia?

Os atos do dia 8 de janeiro

No dia 8 de janeiro de 2023, durante uma tarde de domingo, militantes invadiram a Praça dos Três Poderes em protesto ao governo Lula, não o aceitando como legítimo. Segundo o depoimento de vários deles, a expectativa é a de que as Forças Armadas intervissem para “impor a ordem”, já que Segundo os manifestantes as eleições haviam sido fraudadas e com isso o governo Lula não seria legítimo.

No entanto, além da ocupação pacífica do local, houve aqueles que realizaram várias depredações no local. Muitos inclusive chegaram a registrar suas ações e até mesmo publicar em suas redes sociais.

Não obstante, todos os manifestantes permaneceram no local na expectativa de que as Forças Armadas e policiais chegariam e atenderiam ao seu clamor. As Forças Armadas vieram. Mas o desfecho não foi o que os manifestantes esperavam.

Atendendo a ordens superiores, os militares e policiais prenderam os manifestantes, que foram mantidos em detenção ao ar livre, antes de serem enviados para centros de detenção provisórios.

A versão do mainstream político e midiático

Após o episódio, o mainstream político, e a esquerda em particular, afirmou que os atos em Brasília foram uma tentativa de golpe. Além disso, as ações dos bolsonaristas também foram classificadas como “atentado à democracia”, além da condenação pela depredação dos espaços ocupados.

A grande mídia, como de costume, fez com que o episódio parecesse mais grave do que realmente foi, reforçando a ideia de que as manifestações haviam sido mais do que atos de vandalismo. Havia de fato uma tentativa de golpe. E o poder judiciário não tardou em procurar provas e evidências de que houvesse de fato tal plano.

Mesmo após meses de investigação, a única testemunha que encontraram que poderiam usar para reforçar tal alegação foi o tenente do Exército, Mauro Cid, que admitiu que uma minoria irrisória de militantes flertava com a ideia de um golpe militar.

Ainda assim a grande mídia precisava manter sua audiência sobre a cobertura do caso, além de manter a sua aparência de voz da democracia.

O julgamento do caso

O dia 8 de janeiro foi a oportunidade que o judiciário e o governo Lula precisavam para justificar sua afirmação de que havia planos de um golpe de estado e que o STF havia salvo o Brasil de tal destino. E isso é mais verdadeiro ainda quando levamos em conta o tom na qual foi tratado o caso abordado como se fosse o maior crime do país nas últimas décadas.

O tom repressivo com a qual o judiciário tratou tal caso foi tão grande, que a maioria dos manifestantes presos (incluindo aqueles que não participaram das depredações) receberam penas dignas de praticantes de crimes hediondos.

Tal postura, é claro, serve como um lembrete para aqueles que ousarem desafiar o poder vigente e os privilégios funcionais daqueles que o representam. E isso é claro, usando a “defesa da democracia” como pretexto.

Afinal, houve realmente uma tentativa de golpe?

O mainstream político, midiático e o judiciário vem vendendo desde então a ideia de que os atos em Brasília no dia 8 de janeiro de 2023 foram uma tentativa de golpe. Mas foram mesmo?

Vamos analisar do ponto de vista estatista, e verificar se ao menos dentro desse ponto se vista houve o crime de tentativa de golpe de estado. E para tal análise irei recorrer ao Código Penal do estado brasileiro.

Segundo o Código Penal Brasileiro, uma tentativa de crime ocorre quando:

“iniciada uma conduta, o delito não se consuma por circunstâncias alheias à vontade do agente.”

Perceba: só se pode falar em tentativa de crime se tal crime não for consumado apenas mediante circunstâncias alheias à vontade do agente. No caso dos manifestantes, não havia nada que tornasse possível um golpe de Estado.

E nem é possível alegar que a prisão dos manifestantes foram as “circunstâncias alheias” que impediram que tal ocorresse. Afinal, sem armas, sem apoio das Forças Armadas e da polícia, e sem um considerável apoio popular, seria impossível aos manifestantes imporem qualquer golpe de estado.

Eles apenas continuariam ocupando o lugar, com uma minoria continuando as depredações.

Mas se ainda restam dúvidas do quanto o próprio Código Penal refuta a acusação de tentativa de golpe, vejamos o que mais ele diz:

Para caracterização da tentativa, portanto, estabelece a doutrina a necessidade dos seguintes elementosa) início da condutab) a não consumação do crime por circunstâncias alheias à vontade do agente; c) dolo de consumação; d) resultado possível

O último ítem, d) resultado possível, é de vital importância para esta análise. Afinal, se há ausência de um resultado possível, ou seja, se uma ação não tem a possibilidade de ser consumada, mesmo na ausência de fatores alheios à vontade do agente, não é possível se falar em tentativa.

Também não é possível afirmar que a falta de apoio das Forças Armadas possa ser classificada como “circunstâncias alheias” aos manifestantes. Afinal, para que a tentativa do golpe fosse sequer possível, seria necessário justamente o apoio de tal grupo. O que não aconteceu.

Resumindo: o próprio Código Penal estatal brasileiro desmente a afirmação de que houve uma tentativa de golpe de estado no dia 8 de janeiro.

Mas e do ponto de vista libertário, que é o ponto de vista deste site?

Para o libertarianismo, o estado é somente o crime organizado em larga escala, que se sustenta via impostos (roubo) das suas vítimas. Assim, um golpe de Estado para um libertário é pura e simplesmente uma mudança da gangue que irá parasitar a sociedade. Do ponto de vista ético, todo estado é criminoso e um governo ter surgido por meio de um golpe não o torna mais ou menos criminoso.

E no caso do dia 8 de janeiro isso é mais irrelevante ainda, já que sequer houve tentativa de golpe de estado. Afirmar que houve uma tentativa de golpe de estado apenas porque muitas destas pessoas queriam um, é tão sem sentido quanto acusar alguém de tentativa de invasão alienígena apenas por que ela acampou em um lugar desejando e esperando que isso acontecesse.

O infame dia 8 de janeiro

No entanto, o STF vai continuar ignorando o Código Penal que ele supostamente deveria seguir, e irá continuar com sua narrativa de que o dia 8 de janeiro de 2023 foi uma tentativa de golpe para trazer uma ditadura militar repressiva e que as punições contra os manifestantes deverão ser duras e exemplares.

E não somente isso: além da condenação e estigmatização de todos os manifestantes, tal data deverá ser tornada uma data infame e maldita, incluindo a proibição severa de qualquer comemoração simpática aos atos realizados em Brasília.

Afinal, o STF precisa lembrar a todos o que acontece com quem desafia seu poder e autoridade e questiona seus privilégios funcionais. E isso é claro, com a máscara de “defesa da democracia”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sinais eletromagnéticos no cérebro
Política

A “Síndrome de Havana” é uma agressão russa ou outra teoria da conspiração da mídia?

Na noite de domingo, o programa 60 Minutes da CBS publicou um segmento sobre a série de episódios médicos misteriosos sofridos por oficiais de inteligência dos Estados Unidos e funcionários do governo que receberam o apelido de “Síndrome de Havana”. Por quase uma década, as autoridades e suas famílias relataram ouvir sons repentinos de zumbidos […]

Leia Mais
Lula Macron Urânio
Política

Governo Lula assina acordo com a França para explorar urânio no Brasil

Representantes dos governos brasileiro e francês assinaram nesta quinta-feira (28), em Brasília, um acordo que prevê colaboração para geração de energia nuclear. Segundo reportagem da CNN, um dos destaques do texto do acordo é um entendimento para a exploração de reservas de urânio no Brasil. O acordo é de grande interesse para o governo francês, […]

Leia Mais
Lula e Maduro
Política

De forma inesperada, governo Lula endurece o tom contra governo Maduro na Venezuela

De forma inesperada, O governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) endureceu o tom com o governo venezuelano de Nicolás Maduro, tradicional aliado das gestões petistas. A repreensão do governo foi feita por meio de uma nota divulgada na última terça-feira (26/3), pelo Itamaraty, onde foi manifestada uma preocupação com o andamento das eleições […]

Leia Mais