Inteligência Artificial: o novo bode expiatório

Inteligência artificial

No início desta semana, a CNBC expressou preocupações com relação à inteligência artificial:

“O regulador bancário do Fed adverte que a IA pode levar a práticas ilegais de empréstimo, como a exclusão de minorias”

O século XXI está se aproximando rapidamente da marca de um quarto. Com o surgimento de ferramentas de I.A. acessíveis e cada vez mais populares, não seria a pior aposta que o crescimento, o desenvolvimento e a eventual onipresença da I.A. são praticamente inevitáveis. Será fascinante testemunhar como a I.A. afetará as mudanças em vários setores, especialmente no setor financeiro e em Hollywood.

O aviso da CNBC veio de um discurso feito no mesmo dia pelo vice-presidente de supervisão do Fed, Michael S. Barr, intitulado Furthering the Vision of the Fair Housing Act:

“A economia digital produziu fontes de dados alternativas, algumas das quais podem fornecer uma janela para a capacidade de crédito de um indivíduo que não tem um histórico de crédito padrão.”

Até agora, tudo bem. Com um custo relativamente baixo, o aprendizado de máquina pode encontrar novas maneiras de ajudar aqueles que estão lutando para conseguir crédito. Entretanto, ele continua dizendo:

“Embora essas tecnologias tenham um enorme potencial, elas também apresentam riscos de violação das leis de empréstimos justos e de perpetuação das próprias disparidades que elas têm o potencial de abordar.”

A entrada ruim que leva a resultados ruins é preocupante. Pior ainda, podem existir problemas fundamentais no próprio sistema:

“O uso do aprendizado de máquina ou de outra inteligência artificial pode perpetuar ou até mesmo ampliar a tendência ou as imprecisões inerentes aos dados usados para treinar o sistema ou fazer previsões incorretas se esse conjunto de dados estiver incompleto ou não for representativo”.

Ele deu um exemplo:

“Por exemplo, o redlining digital no marketing – o uso de critérios para excluir comunidades de minorias majoritárias ou aplicativos de minorias – é um risco…”

Isso é certamente possível. Seria de se esperar que, em um relatório de crédito, o histórico financeiro e de empregos passados e atuais fosse considerado na avaliação, e não a raça.

Em última análise, o uso da IA deve ser adotado por seu potencial de economia de tempo e dinheiro. Embora possa ser empregada para auxiliar os agentes de crédito nas solicitações de crédito, ela pode levar a práticas de redlining. Definir essas práticas e provar sua ocorrência pode ser um desafio caro para os órgãos reguladores federais, que provavelmente não entendem a tecnologia. Ainda não estamos no estágio em que uma I.A. nefasta possa assumir a culpa por nossos problemas. Se esse dia chegar, teremos problemas muito maiores em mãos!

No entanto, em um mundo mais livre, sem um sistema do Federal Reserve responsável pelos altos e baixos econômicos, haveria menos comunidades empobrecidas e muito menos disparidade econômica. À medida que a IA avança, sem um órgão regulador financiado pelo contribuinte, o potencial da IA ajudaria os empreendedores de todo o espectro socioeconômico a lançar produtos valiosos no mercado.

Artigo escrito por Robert Aro, publicado em Mises.org e traduzido por @rodrigo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X
Tecnologia

E se o X for banido do Brasil?

Após as críticas de Elon Musk ao ministro Alexandre de Moraes, o STF incluiu o empresário no inquérito das fake news e já deu o aviso para que as operadores de internet fiquem de prontidão para bloquear o acesso dos internautas a rexe social X, caso o STF ordene. Além disso, Elon Musk recomendou, por […]

Leia Mais
Palel Durov
Tecnologia

CEO do Telegram alfineta a Meta após instabilidade do Facebook e Instagram

A partir do meio dia (horário de brasília) desta terça-feira, milhões de internautas foram surpreendidos com a instabilidade das redes sociais Facebook e Instagram. Ambas da empresa Meta, pertencente a Mark Zuckemberg. Enquanto as duas maiores redes sociais seguiam instáveis, Pavel Durov, o CEO do Telegram, aproveitou para alfinetar a Meta, afirmando que mesmo tendo […]

Leia Mais
Monark
Tecnologia

Bunker555: a plataforma de vídeos criada pelo Monark para concorrer com o YouTube

Após ter todas as contas no YouTube suspensas, o influencer Monark criou uma plataforma de vídeos concorrente, focada em total liberdade de expressão: o Bunker555. O anúncio foi feito pelo influencer em sua conta no X: Monark apresenta sua plataforma como capitalista e 100% livre de censura. Na página inicial do site, se encontra a […]

Leia Mais