Lula defende regulação das redes sociais a nível mundial

Lula defende regulação das redes sociais a nível mundial

Em entrevista ao UOL, o presidente Lula afirmou que defende a regulação das redes sociais a nível mundial. O petista ainda afirmou que pretende discutir o assunto com o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e defendeu que o tema seja debatido pelo G20 —grupo que reúne as maiores economias do mundo.

Eu acho que a única forma de ter uma regulação é mundial. Não dá para fazer uma regulação apenas no país. Portanto, é preciso que seja um assunto a ser discutido no G20. Porque, veja, o Biden derrotou o [ex-presidente] Trump, mas não derrotou a extrema-direita, ela está viva. Aqui no Brasil, a gente derrotou o [ex-presidente] Bolsonaro, mas ainda é preciso derrotar o bolsonarismo, que é aquele fanático, aquele que acredita em tudo, aquele que ofende as pessoas, aquele que xinga.

Lula também defendeu que as empresas responsáveis pelas redes sociais respondam pelo compartilhamento de mentiras e notícias falsas.

“Eu não sei como fazer, mas nós vamos tentar estabelecer uma discussão na sociedade brasileira, porque nós temos que responsabilizar um pouco as empresas, sabe? Que fomentam”.

afirmou o presidente

Lula também argumentou que a medida que ele defende não é censura, já que dependeria de apoio popular. Segundo o petista:

"Não é preciso censura. Se a sociedade participar e encontrar um denominador comum de que tal coisa tem que ser brecada pela própria empresa...Não pode publicar uma coisa e apenas dizer 'Isso é mentira'. Se é mentira, não pode ser publicada. Eu acho que sozinho talvez ninguém saiba como fazer, mas se a gente abrir um debate na sociedade, se a gente abrir às pessoas que são especialistas em Internet, se a gente abrir aos meios de comunicação, e a gente fazer uma discussão..."

Não é a primeira vez que Lula defende regulação das redes sociais

Essa não é a primeira vez que Lula defende a regulação das redes sociais. Em julho do ano passado, o petista havia defendido a regulação não apenas das redes sociais, mas também de rádio e TV.

Ele afirmou que queria apenas a “democratização” do discurso, e que a falta de oportunidade para se defender das acusações durante a Operação Lava Jato ajudaram a criar a imagem dele como um criminoso.

No mesmo artigo, Lula nega (assim como agora) que tal medida seja uma forma de censura. Para ele, tal medida seria uma forma de garantir a “democratização” do discurso nos meios virtuais. A mesma afirmação foi reforçada em um artigo publicado no site oficial de Lula.

O mesmo artigo ainda afirma que a internet é para “poucos”, mesmo em um país onde 70% da população possui smartphones e acesso à internet.

Censura como forma de calar a oposição

Por mais que Lula tente negar e venha com justificativas absurdas, o que ele defende, de fato, é censura. É uma violação clara do/a direito/liberdade do indivíduo de se expressar em sua propriedade.

Lula percebeu que a falta de um controle sobre a mídia permitiu que as acusações de corrupção permanecessem sobre ele. E ele não está disposto a correr esse risco novamente.

Apesar de Lula falar em combater as “fake news”, tudo indica que ele irá atacar qualquer informação que ele considere fake news, mesmo quando não seja o caso. Um exemplo disso, é a constante afirmação dele referindo-se as acusações feitas a ele durante a Operação Lava Jato como sendo falsas.

De forma conveniente, Lula e o PT continuam a espalhar informações falsas, como a de que Lula é inocente das acusações de corrupção e a de que Dilma sofreu um “golpe“. Isso não é nada surpreendente, quando se percebe que ele é o parasita-mor favorito do establishment político atual. Ao menos até agora.

No entanto, dessa vez Lula entendeu que um controle das redes sociais seria pouco efetivo sem a colaboração dos governantes do mundo todo. E sabendo que muitos desses governantes – como Biden e líderes de países membros da UE – veem tal controle como algo positivo, é provável que Lula encontre apoio para sua ideia.

Por sorte, é possível que dada a incompetência dos próprios estados essa medida não seja realizada de forma efetiva. No entanto, não é bom subestimar o Leviatã. Para aqueles que pretendem continuar na luta pela liberdade, fazer uso de ferramentas que protejam o anonimato na internet é essencial.

Se você quer saber como garantir sua imunidade à censura estatal na internet, clique aqui e leia nossa série sobre segurança virtual, privacidade e anonimato

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cavaco Chinês
Ética

Ilhados, moradores da ZN de Natal abrem vala em via para escoar água

Cansados de esperar pela ajuda do estado, moradores da comunidade Cavaco Chinês em Natal (RN) decidiram abrir uma vala para escoar a água que havia inundado toda a região. A inundação que impedia a passagem dos moradores havia sido causada pelas fortes chuvas na cidade. Chuvas fortes inundaram a região Após as últimas chuvas em […]

Leia Mais
Gradualismo
Ética

Gradualismo e o princípio da não agressão

O princípio central da filosofia libertária é o que é conhecido como princípio da não agressão. Ele sustenta que é moralmente errado uma pessoa usar a força contra outra, direta ou indiretamente, por meio do uso do governo. Os libertários entendem a importância fundamental do princípio da não agressão e o adotam… em sua maioria. […]

Leia Mais
Bem-estar
Ética

Bem-estar fora do estado

Uma razão frequentemente citada para a necessidade do estado é que ele é o único meio pelo qual os pobres podem ter acesso a bem-estar suficiente para aliviá-los das duras realidades que podem acompanhar suas circunstâncias. No entanto, apesar das promessas feitas ao longo de muitas décadas e das enormes somas gastas em programas de […]

Leia Mais