quarta-feira, dezembro 7, 2022

O governo canadense está mentindo sobre os caminhoneiros

Os caminhoneiros canadenses continuam seu protesto contra os mandatos de covid/vacina do governo. O protesto foi desencadeado pelo mandato do governo federal de novembro de que os motoristas de caminhão devem ser totalmente vacinados até 15 de janeiro ou estariam sujeitos a testes obrigatórios e requisitos de quarentena ao entrar no Canadá.

Vale ressaltar que em 12 de janeiro, vários funcionários do governo  anunciaram que os caminhoneiros estariam isentos do mandato. Então, naturalmente, muitos caminhoneiros americanos não vacinados rapidamente começaram sua jornada para a fronteira canadense, enquanto muitos caminhoneiros canadenses não vacinados foram rapidamente despachados pela fronteira, porque ambos os grupos esperavam entrar/reentrar no Canadá sem dificuldade. No entanto, em 13 de janeiro, o governo anunciou que as comunicações do dia anterior estavam erradas e que o prazo de 15 de janeiro continuava em vigor.

Essas mensagens confusas provavelmente intensificaram a determinação dos caminhoneiros que se opõem aos mandatos, e os planos para um comboio de liberdade dos caminhoneiros rapidamente tomaram forma. Milhares de pessoas – caminhoneiros e seus apoiadores – de costa a costa dirigiram-se à capital do país para protestar pacificamente contra os mandatos. Chegando no fim de semana de 29 de janeiro, seus esforços inspiraram protestos semelhantes no mundo todo. Além disso, o Freedom Convoy do Canadá não se limita a Ottawa, com outros protestos acontecendo na fronteira Detroit- Windsor e em outras diversas localidades do país.

A cidade de Ottawa quer remover os caminhões do centro da cidade, mas muitos caminhoneiros removeram suas rodas e as empresas de reboque estão recusando os pedidos da cidade para transportar os veículos.

Governo tenta cortar o financiamento do comboio dos caminhoneiros

Para financiar seu protesto, o Freedom Convoy rapidamente levantou dinheiro por meio da plataforma de financiamento coletivo GoFundMe. No entanto a plataforma cedeu a pressão política e e cancelou a arrecadação de fundos depois que dez milhões de dólares americanos foram arrecadados. Um milhão de dólares já foram liberados para os organizadores do Comboy, mas US$ 9 milhões serão devolvidos aos doadores.

O Freedom Convoy respondeu com uma nova arrecadação de fundos no GiveSendGo, que começou lentamente em 1º de fevereiro, com uma única doação de US$ 100. Na noite de 4 de fevereiro, as doações totalizaram apenas US$ 25.000, mas à medida que as notícias da nova campanha se espalharam, as doações começaram a chegar. Na noite de 9 de fevereiro, US$ 8 milhões foram arrecadados.

O Freedom Convoy é um protesto bem organizado e bem financiado. Seu consultor de segurança é Danny Bulford, um cabo da Polícia Montada Real Canadense (RCMP) que renunciou por causa da exigência da força de que os membros fossem vacinados. Bulford trabalhou nos detalhes de proteção pessoal de Justin Trudeau por muitos anos. “A ironia não passou despercebida para mim – e provavelmente também não passou despercebida para ele”, disse Bulford num discurso em novembro.

Acusações enganosas contra os caminhoneiros

Políticos e a grande mídia estão tropeçando em si mesmos para demonizar os manifestantes.

Jagmeet Singh, líder do Novo Partido Democrático (NDP), disse que o objetivo do Freedom Convoy é “derrubar o governo” e que os envolvidos estão “assediando cidadãos, ameaçando pessoas e agredindo pessoas”. Ele também comenta que o comboio é “liderado por aqueles que afirmam a superioridade da linhagem branca e equiparam o Islã a uma doença”.

A vereadora da cidade de Ottawa, Diane Deans, que também é presidente do Conselho de Serviços da Polícia de Ottawa, nomeia o protesto como uma “insurreição” e se refere  aos manifestantes como terroristas que estão torturando moradores locais.

Muitas pessoas, incluindo o primeiro-ministro de Ontário, Doug Ford, estão chamando o protesto de “ocupação”.

O primeiro-ministro Justin Trudeau frequentemente se refere aos manifestantes que se opõem às suas políticas de covid como um grupo marginal de pessoas com opiniões inaceitáveis. Então, previsivelmente, ele criticou os manifestantes de Ottawa por “tentarem bloquear nossa economia, nossa democracia e a vida cotidiana de nossos concidadãos”.

Mark Carney, ex-governador do Banco do Canadá e do Banco da Inglaterra, escreveu : “Em nossa capital, muitas pessoas foram aterrorizadas por mais de uma semana…. Isso é sedição.”

Em 6 de fevereiro, a cidade de Ottawa declarou estado de emergência, com o prefeito Jim Watson descrevendo o protesto como “a emergência mais séria que nossa cidade já enfrentou”. Atiradores de elite foram enviados e a polícia de Ottawa disse que “60 investigações criminais estavam em andamento, principalmente por danos, roubo, crimes de ódio e danos à propriedade”.

O que realmente está acontecendo

Todas essas alegações são infundadas. As autoridades não apresentaram nenhuma evidência convincente para apoiar suas alegações. Além disso, câmeras de televisão de circuito fechado (CCTV) estão offline em Ottawa. Se houvesse um problema com o CCTV, você pensaria que o governo o consertaria rapidamente para produzir evidências em vídeo para apoiar suas alegações, mas as câmeras permaneceram offline durante esses dias.

Quão difícil pode ser para os técnicos resolver um problema de CFTV, se ele realmente existe? Talvez a CCTV tenha sido intencionalmente retirada do ar porque as imagens de vídeo contradiziam a narrativa do governo. Afinal, o protesto foi pacífico, como evidenciado por muitos vídeos fornecidos por vários indivíduos transmitidos ao vivo de Ottawa. No National Post, Rex Murphy fez críticas a cobertura mainstream:

A reportagem simples e direta, não influenciada pelas disposições pessoais ou predefinições ideológicas dos repórteres ou das corporações para as quais eles trabalham, era difícil de encontrar. Eles pularam em travessuras individuais triviais e tentaram rotular todo o protesto como negativo e até odioso.

Centro de Justiça para Liberdades Constitucionais (JCCF), que representa o Freedom Convoy, diz que não há fundamento para o “estado de emergência” que Watson declarou:

[O prefeito Watson] não divulgou publicamente em quais fatos ele pode confiar para justificar sua avaliação dos caminhoneiros como sendo “um perigo de grandes proporções”, à luz de seu comportamento respeitador da lei desde que chegaram a Ottawa há mais de uma semana.

Na verdade, o JCCF diz:

De acordo com depoimentos apresentados no Superior Tribunal de Justiça de Ontário, o Freedom Convoy tem trabalhado em estreita colaboração com o Serviço de Polícia de Ottawa, a RCMP e o Serviço de Proteção Parlamentar. Foi um dos caminhoneiros do Freedom Convoy que denunciou à polícia um crime de dano material e uma agressão, cometidos por indivíduos não filiados aos caminhoneiros.

Dados preliminares mostram que o crime de rua na verdade diminuiu desde que o Freedom Convoy chegou ao Parlamento em Ottawa. E ao contrário das alegações dos políticos de que os manifestantes estão roubando comida dos sem-teto, o JCCF afirma que

[uma] das testemunhas na ação judicial declarou sob juramento que os caminhoneiros e seus apoiadores “estão alimentando os sem-teto na Wellington Street e enchendo suas mochilas com comida. Caminhoneiros levaram um trailer cheio de comida para o abrigo.

O JCCF continua:

Os caminhoneiros estão mantendo a limpeza das ruas da cidade, incluindo a coleta de máscaras descartadas no chão, coleta de lixo centralizada, remoção de neve no Memorial de Guerra e na estátua de Terry Fox e decoração e segurança no Memorial de Guerra e na estátua de Terry Fox.

Outra testemunha, moradora de Ottawa, jura que “os caminhoneiros com quem interagi sempre foram amigáveis, corteses, humildes, atenciosos e pacíficos. Não observei nenhum comportamento agressivo ou inapropriado.” Ele diz que os caminhoneiros são diversos, incluindo sikhs, negros, aborígenes e outros. Ele “observou caminhoneiros decorando o túmulo do soldado desconhecido com flores e o guardando” e “não viu nenhum comportamento violento ou ameaçador”. Ele observa que “os caminhoneiros não buzinam à noite. Minha vida cotidiana não foi interrompida por nenhum ruído relacionado ao Freedom Comvoy durante o dia.” Ele afirma: “Minha capacidade de estacionar e viajar no centro de Ottawa, ou de e para Parliament Hill, não foi impedida pela presença dos caminhoneiros”.

Outro residente de Ottawa, que trabalha para a Statistics Canada, descreve a realidade no terreno da seguinte forma:

Os manifestantes foram pacíficos e respeitosos, não vi violência ou assédio. Eu não era impedido de forma alguma e podia andar livremente e com segurança. Não vi nenhum símbolo de ódio, na verdade, vi uma abundância de bandeiras do Canadá e bandeiras de Quebec, além de inúmeros sinais pedindo liberdade e o fim dos mandatos relacionados ao Covid. Eu vi algumas bandeiras anti-Trudeau usando linguagem dura. No entanto, eu descreveria a cena como uma manifestação pacífica e pró-liberdade. Minha vida cotidiana não foi interrompida por nenhum barulho relacionado às manifestações no centro da cidade.

Tudo isso é apoiado por transmissões ao vivo diárias de Ottawa, mostrando os manifestantes interagindo agradavelmente com os habitantes locais; moradores locais doando comida e café e oferecendo chuveiros para os manifestantes; cantando nas ruas, incluindo o hino nacional; manifestantes instalando castelos insufláveis ​​para crianças; e jogos de hóquei (você não fica mais canadense do que isso).

Rex Murphy resumiu bem: “Já vi piqueniques mais ameaçadores feitos por algumas freiras”.

Os manifestantes foram pacíficos, mas o mesmo não pode ser dito da polícia de Ottawa que prendeu e agrediu um pequeno homem de 78 anos.

Problemas no Partido Liberal?

Em 8 de fevereiro, um membro do Parlamento do próprio Partido Liberal de Trudeau, Joël Lightbound, disse que 

ele está desconfortável com a forma como o governo federal está lidando com a atual crise do COVID-19, dizendo que sua resposta à pandemia se tornou “politizada” e “divisiva”.

O deputado de Quebec disse que a linha dura do governo sobre o mandato de vacina para caminhoneiros transfronteiriços não é baseada na ciência. Lightbound disse que o governo não produziu pesquisas para sugerir que esse tipo de mandato – que poderia deixar de lado doze a dezesseis mil motoristas comerciais – terá um impacto significativo na trajetória da pandemia.

Lightbound disse que o mandato da vacina se tornou uma questão de “cunha” projetada para marcar pontos políticos dos oponentes do governo.

Resta saber se este é o início de uma revolta dentro do Partido Liberal de Trudeau. De sua parte, Trudeau se recusa a ceder, permanecendo firme em suas crenças de que os canadenses estão unidos por suas políticas de covid, apesar de uma nova pesquisa em que

44% dos entrevistados concordaram com a afirmação: “Estou vacinado contra o COVID-19, mas simpatizo com as preocupações e frustrações expressas pelas pessoas envolvidas no protesto dos caminhoneiros em Ottawa”. A mesma proporção concordou que o primeiro-ministro e os primeiros-ministros “compartilham a culpa pelo protesto em Ottawa por causa de sua atitude condescendente em relação aos canadenses que discordam dos mandatos e bloqueios de vacinas”.

A reputação de gentileza do Canadá foi validada pelos manifestantes, mas não pela classe política. Talvez os dois grupos devam trocar de papéis. A infusão de algumas centenas de adultos respeitosos no governo seria uma mudança refrescante.

Texto escrito por Lee Friday, publicado no site Mises.org e traduzido por Gazeta Libertária.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

SourceMises.org
spot_img

CONFIRA