O TikTok como ferramenta do Partido Comunista Chinês

Tiktop spyware chinês

Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Segundo artigo publicado no site da empresa de cybersegurança MalwareBytes, um ex-executivo, que trabalhou como chefe de engenharia da empresa ByteDance, controladora do popular aplicativo TikTok, alegou em documentos judiciais, referentes a um processo de demissão injusta, que o Partido Comunista Chinês (PCC) tem acesso aos dados da aplicação, mesmo quando armazenados nos EUA. As alegações incluem a existência de um escritório próprio do Partido na sede da ByteDance. O software da empresa estaria sendo utilizado para promover conteúdo de apoio ao PCC.

As recentes alegações são o mais novo capítulo de uma série de eventos polêmicos envolvendo a empresa. O aplicativo TikTok trava uma batalha de confiança de longa data com governos ocidentais, o que já resultou em uma série de banimentos em dispositivos utilizados por agentes estatais.

Curiosamente, o aplicativo foi criticado recentemente pelo diretor da Agência de Segurança Nacional (NSA). O elevado número de jovens que se informam e participam da rede de conteúdo que é o TikTok o torna uma arma para a promoção do Partido, bem como uma forma de disseminar conteúdo nocivo aos inimigos do estado chinês, gerando ou fortalacendo instabilidades internas.

As alegações incluem não apenas o acesso do Partido aos dados de usuários americanos por meio de uma backdoor, mas também que os dados mantidos pela empresa são utilizados para ajudar na identificação e rastreio de dissidentes e manifestantes, como os participantes dos protestos de Hong Kong.

A acusação continua com a afirmação de que a empresa coleta dados de usuário sem permissão, referentes a empresas concorrentes no ramo de redes sociais, como Instagram e Snapchat. Por fim, alega que, caso a backdoor fosse removida da versão americana, o governo chinês poderia punir a empresa banindo seus aplicativos.

Em resposta, a ByteDance nega a veracidade das alegações, chamando-as de “infundadas” e que obtém seus dados “conforme as práticas do setor”.

“Infundada”, mas não uma grande surpresa

Não é de hoje que os governos utilizam as inovações das tecnologias comunicativas como ferramenta de espionagem a seus cidadãos. Desde os primórdios do que viria a se tornar a internet, isso ocorre no meio digital. Como a tecnologia se faz cada vez mais presente nas interações interpessoais, o estado, por meio delas, é hoje capaz de estender seu poder de vigilância para um nível nunca antes possível. Tentar lutar por leis e decretos que reduzam seu poder é um esforço inútil, como um recente relatório nos fez lembrar. Há muito pouco incentivo para o estado obedecer suas próprias leis quando os benefícios são claramente maiores que os custos associados, estes últimos representados pela pressão política advinda da população geral. Como o estado vive de imagem, tende a realizar de forma cautelosa as ações que sabidamente trarão revolta generalizada. Nesse caso, a maioria não compreende o que se passa, ou simplesmente não dá o devido valor; tendo outras preocupações mais urgentes em mente.

Quando mal utilizada, a tecnologia não liberta seu usuário, mas o aprisiona na cela criada por terceiros e seus interesses próprios. O deslumbre com o novo pode esconder o perigo de confiar em algo que não se compreende. Um exemplo recente foi o caso do morador que instalou diversos dispositivos inteligentes em sua residência, controlados pela Amazon Echo. Quando um entregador, usando fones de ouvido, pensou ter ouvido um morador da casa proferir, por meio da campainha inteligente, xingamentos de cunho racial, sua conta foi travada e assim permaneceu por uma semana, o que o teria impedido de utilizar os dispositivos conectados a ela caso não as rodasse localmente. O que a campainha disse, na verdade, foi uma mensagem automática: “Olá, como posso ajudar?”. Não havia ninguém na residência no momento.

Mesmo que esse caso não tenha representado algo mais grave, o próprio dono dos dispositivos alerta para a cada vez maior dependência associada aos dispositivos smart. Também devemos lembrar que computação em nuvem não passa de computadores controlados por terceiros. Deve-se ter cuidado com a dependência nessas ferramentas e, quando possível, até mesmo evitá-las.

Para os leitores que desejam maior profundidade no assunto, a Gazeta possui uma séria abrangente sobre o tema, que pode ser encontrada aqui.

Gabriel Camargo

Autor e tradutor austrolibertário. Escreve para a Gazeta com foco em notícias internacionais. Suas obras podem ser encontradas em https://uiclap.bio/GabrieldCamargo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X
Tecnologia

E se o X for banido do Brasil?

Após as críticas de Elon Musk ao ministro Alexandre de Moraes, o STF incluiu o empresário no inquérito das fake news e já deu o aviso para que as operadores de internet fiquem de prontidão para bloquear o acesso dos internautas a rexe social X, caso o STF ordene. Além disso, Elon Musk recomendou, por […]

Leia Mais
Palel Durov
Tecnologia

CEO do Telegram alfineta a Meta após instabilidade do Facebook e Instagram

A partir do meio dia (horário de brasília) desta terça-feira, milhões de internautas foram surpreendidos com a instabilidade das redes sociais Facebook e Instagram. Ambas da empresa Meta, pertencente a Mark Zuckemberg. Enquanto as duas maiores redes sociais seguiam instáveis, Pavel Durov, o CEO do Telegram, aproveitou para alfinetar a Meta, afirmando que mesmo tendo […]

Leia Mais
Monark
Tecnologia

Bunker555: a plataforma de vídeos criada pelo Monark para concorrer com o YouTube

Após ter todas as contas no YouTube suspensas, o influencer Monark criou uma plataforma de vídeos concorrente, focada em total liberdade de expressão: o Bunker555. O anúncio foi feito pelo influencer em sua conta no X: Monark apresenta sua plataforma como capitalista e 100% livre de censura. Na página inicial do site, se encontra a […]

Leia Mais