sábado, novembro 26, 2022

Pagamento com criptomoedas são cada vez mais comuns na América Latina

De acordo com uma pesquisa da empresa global de recrutamento Deel, os residentes dos países latino-americanos provavelmente dirão “OK” para serem pagos em criptomoedas. Os residentes da região da EMEA (Europa, Oriente Médio e África) estão em segundo lugar.

O estudo de Deel estimou que 67% das movimentações de criptomoedas realizadas entre janeiro de 2022 e junho de 2022 foram feitas na América Latina. Também é importante ressaltar que a América Latina está cheia de países que lutam com graves problemas monetários e sociais.

As criptomoedas florescem em economias conturbadas

No que diz respeito à Venezuela, há muito tempo a Venezuela está em uma curva monetária descendente. A taxa de expansão lá está entre as mais notáveis do planeta, enquanto uma parte substancial da população local está desempregada.

El Salvador – o principal país a abraçar o bitcoin como uma forma de pagamento dentro de suas fronteiras – tem o status de ser o país absolutamente mais selvagem do distrito. Recentemente, registrou uma taxa de homicídios de 52 para cada 100.000 habitantes, posicionando-se em primeiro lugar no planeta nesta terrível medida.

A movimentação de criptomoedas é também bem conhecida na região EMEA. 24% de todos esses pagamentos foram realizados por lá, que é também o lar de muitas nações com problemas relacionados a dinheiro.

Também vale a pena ver quais recursos foram os mais executados. O maior por capitalização de mercado – Bitcoin (BTC) – é o pioneiro representando 47% de todos os assentamentos. A moeda estável do Circle – USDC – e o Éter (ETH) reuniram os três principais com 29% e 14% separadamente.

Os resultados do estudo foram multiplicados pelo entendimento de que as tarefas, incluindo recursos computacionais, florescem nas economias perturbadas. A história vem do fato de que muitos desses habitantes não têm acesso às administrações monetárias, enquanto que as criptomoedas poderiam oferecer uma resposta.

Latinos americanos são os mais otimistas sobre as criptomoedas

Uma pesquisa mais contínua conduzida pela Ripple verificou que os habitantes da América Latina são os mais sintonizados com a área de recursos avançados. Metade dos membros prevê que as criptomoedas causem um impacto crítico na futura estrutura monetária, enquanto 74% ficariam felizes em atuar com organizações que reconhecem bitcoin ou altcoins.

Esses entrevistados provavelmente iriam realmente investir recursos na forma de criptomoedas . Estranhamente, um número significativo deles confia mais em seus bancos do que em negócios famosos e faria circular sua abundância em recursos computadorizados por meio de uma fundação monetária aprovada.

Os residentes dos países do Oriente Médio foram igualmente otimistas, com 67% deles interessados em se envolver em trocas realizadas com essa classe de recursos.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

spot_img

CONFIRA