Protestos no Líbano e Nigéria devido à escassez de dinheiro. Bitcoin como a solução

Protestos na Nigéria e no Líbano

Protestos vem tomando conta do Líbano e da Nigéria. O motivo? As moedas de ambos os países estão bastante desvalorizadas, impactando o poder de compra dos cidadãos. Além disso, os cidadãos são impedidos pelo governo de sacarem o próprio dinheiro.

Ataques aos bancos no Líbano

Na última quinta-feira (16), vários protestos haviam estourado no Líbano em reação à desvalorização da moeda local em relação ao dólar americano. A medida de desvalorização da moeda local foi feita pelo governo como parte do acordo com o FMI (Fundo Monetário Internacional ) para receber um empréstimo de US$ 3 bilhões.

Com tal decisão, cada dólar passará a valer 15 mil libras libanesas. A medida é uma tentativa do governo de se recuperar da crise financeira em que o país entrou devido aos gastos governamentais das últimas décadas e que chegou ao seu ápice em 2019.

Diante disto, vários bancos entraram em greve desde janeiro deste ano, exigindo que o governo imponha regulações fortes no setor bancário para lidar principalmente com os bancos considerados problemáticos. Devido à greve, os cidadãos libaneses ficaram impossibilitados de sacar dinheiro, o que levou a uma série de protestos no Líbano, incluindo incêndio de agências bancárias.

Houveram invasões e saques a bancos em Beiruti, Trípoli e no Vale do Bekaa.

Em janeiro, Edward Snowden havia publicado um tweet onde afirmava que “O Bitcoin resolveria isso”.

De fato, Snowden está certo: se a população libanesa pudesse recorrer ao Bitcoin, não estaria a mercê nem dos bancos nem do governo. E esse era o objetivo de Satoshi Nakamoto ao desenvolver o Bitcoin: trazer autonomia aos indivíduos sobre seu próprio dinheiro.

Escassez de dinheiro na Nigéria

Assim como o Líbano, a Nigéria também está enfrentando uma crise em relação ao dinheiro. Nesta caso, está havendo uma escassez de moeda, já que as cédulas da moeda local foram redesenhadas, tornando as cédulas antigas inúteis. Tal medida levou os cidadãos a inundar bancos e caixas eletrônicos para trocar suas notas antigas por novas.

O governo porém impôs um limite semanal de saque em dinheiro de 500.000 nairas para indivíduos (cerca de US$ 1.087) e 5.000.000 nairas (cerca de US$ 10.087) para organizações. A medida passou a valer em 9 de janeiro do corrente ano.

Para piorar a situação, as transações e taxas de ponto de venda (POS), de acordo com um relatório do The Guardian, dispararam. Os nigerianos são forçados a pagar de 2.000 a 3.000 nairas (US$ 4,3 a US$ 6,5) para cada saque de 10.000 nairas (US$ 22) via POS.

Tal situação levou a uma série de protestos no país, onde vários cidadãos ficaram feridos em confronto com a polícia.

Em uma publicação no site Crypto Potato, a autora Mandy Williams fez a correta observação de como o Bitcoin resolveria toda a situação. Com ele, a população recuperaria a autonomia sobre seu próprio dinheiro. Além disso, os nigerianos deixariam de ser reféns da inflação, que já chegou a mais de 21%.

Bitcoin como a solução

Como corretamente afirmaram Mandy Williams e Edward Snowden, o Bitcoin é a verdadeira solução para a situação dos libaneses e nigerianos. Os acontecimentos no Líbano e na Nigéria são um exemplo das consequências do estado ter monopólio sobre a moeda.

E foi justamente para evitar esse tipo de coisa e devolver aos indivíduos a soberania sobre seu próprio dinheiro e sua liberdade financeira que o BItcoin foi criado.

Revolução Satoshi

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Satoshi Nakamoto
Criptomoedas

A crescente fortuna de Satoshi Nakamoto está próxima de entrar para o ranking das 25 pessoas mais ricas do mundo

Acredita-se que, no início da rede Bitcoin, seu fundador, Satoshi Nakamoto, também minerou a moeda digital, acumulando entre 1 e 1,1 milhão de BTC. O consenso entre a maioria das estimativas sugere que Nakamoto provavelmente reuniu cerca de um milhão de moedas. A posse de um milhão de bitcoins coloca o patrimônio líquido de Nakamoto […]

Leia Mais
Halving Bitcoin
Criptomoedas

Bitcoin ultrapassa US$ 54.000 pela primeira vez desde 2021, e busca máximas históricas antes do halving

Pela primeira vez desde 2021, o Bitcoin (BTC) ultrapassou a marca de US$ 54.000, atingindo um pico de US$ 54.564 às 14h28 de segunda-feira. Com seu preço atual, a capitalização de mercado do bitcoin está navegando suavemente em US$ 1,06 trilhão, respondendo por 51,2% da criptoeconomia total de US$ 2,06 trilhões. Agora classificado como o […]

Leia Mais
Bitcoin Halving
Criptomoedas

Abril de 2024: O próximo halving do Bitcoin desperta curiosidade mundial, revelam os dados

Um estudo recente que enfocou o termo de pesquisa “bitcoin” por meio dos dados do Google Trends revelou que a curiosidade permaneceu moderada mesmo quando o preço ultrapassou a marca de US$ 50 mil. No entanto, a expectativa para o próximo halving atingiu um pico de 90 dias. Programada para abril de 2024, essa ocasião […]

Leia Mais