Redefinindo o entretenimento digital – os títulos da Web 3.0 desafiam o status quo e democratizam os jogos

Jogos Web 3.0

Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Web 3.0 – ou jogos de blockchain – está anunciando uma nova era no entretenimento digital, expandindo o escopo do que os jogos podem oferecer.

No primeiro trimestre de 2023, os projetos de jogos em blockchain atingiram US$ 739 milhões em investimentos, com a expectativa de que o setor geral ultrapasse US$ 30 bilhões até 2030.

Esse setor de jogos amadureceu de forma notável em um período relativamente curto.

As primeiras ofertas eram mais voltadas para transações financeiras do que para uma jogabilidade imersiva, mas a maré está mudando à medida que jogos mais recentes da Web 3.0, como o Axie Infinity, oferecem uma experiência de jogo holística e ainda aproveitam a tecnologia blockchain.

Apesar de algum amadurecimento, os jogos da Web 3.0 ainda enfrentam obstáculos significativos.

Hoje, os jogadores exigem mais agência, interação e retorno sobre seu investimento de tempo e esforço – e esse é apenas um dos muitos desafios que o setor precisa superar.

Desafios, oportunidades e características distintivas dos jogos da Web 3.0

A diferença mais evidente entre os jogos da Web 3.0 e os videogames tradicionais é a qualidade do jogo e a experiência geral do usuário.

Os videogames atuais são criados por estúdios profissionais que aperfeiçoaram a arte de criar universos imersivos com enredos atraentes e mecânica robusta.

Esse é um padrão muito alto para suas contrapartes de blockchain.

Proporcionar uma experiência que rivalize com esses gigantes e, ao mesmo tempo, ofereça um elemento orientado por blockchain é uma tarefa formidável.

Outro desafio urgente é o complexo processo de integração geralmente associado aos jogos da Web 3.0.

A tecnologia Blockchain, embora cada vez mais popular, ainda representa um grau de desconhecimento entre o público em geral.

Acrescente a isso o fato de que os jogadores geralmente precisam pagar altas taxas de inscrição, e não é difícil imaginar por que os jogos da Web 3.0 podem ter dificuldades para encontrar um apelo mais amplo.

No entanto, esses mesmos desafios são a chave para desbloquear o potencial dos jogos da Web 3.0.

Diferente dos jogos tradicionais – onde os jogadores geralmente têm direitos limitados sobre as compras no jogo – os jogos da Web 3.0 introduzem o conceito de propriedade real.

Uma vez comprados, os itens do jogo pertencem totalmente aos jogadores, que ficam livres para trocá-los ou vendê-los como bem entenderem.

Eles permanecem nas carteiras dos jogadores, fora do alcance de qualquer controle externo ou possíveis desligamentos de servidores.

Esse nível sem precedentes de controle e envolvimento econômico promove uma comunidade de jogos mais engajada e investida.

Os jogos da Web 3.0 oferecem uma tela interessante para novas estratégias de desenvolvimento, permitindo que os designers de jogos transformem os desafios atuais em oportunidades.

Ao se concentrar na criação de experiências atraentes, agradáveis e imersivas, os desenvolvedores podem atrair os jogadores tradicionais para esse novo mundo e, ao simplificar o processo de integração e reduzir as barreiras de entrada, tornar os novos títulos da Web 3.0 mais acessíveis a um público mais amplo.

Principais casos de sucesso

Na frente dessa onda transformadora, encontramos jogos como Alien Worlds, Splinterlands e Planet IX, cada um oferecendo uma mecânica de jogo exclusiva e estratégias voltadas para a comunidade.

Alien Worlds enfatiza o envolvimento do usuário por meio de seu mecanismo de mineração interativo e da dinâmica de vários planetas.

Splinterlands por outro lado, combina o charme nostálgico dos jogos de cartas colecionáveis com a tecnologia blockchain para criar um ambiente envolvente e recompensador.

Planet IX oferece um jogo de gerenciamento estratégico de recursos com a diferença de combinar a economia do mundo real com uma economia digital descentralizada.

Esses jogos continuam a ter sucesso, mesmo quando alguns de seus pares estão fracassando.

A Axie Infinity era um nome conhecido no espaço criptográfico, mas sofreu reveses debilitantes devido a um incidente de hacking.

A resiliência demonstrada por Alien Worlds e Splinterlands pode ser atribuída ao fato de atrair e envolver novos jogadores de forma consistente.

Essa atração depende do forte envolvimento da comunidade, do desenvolvimento contínuo e de uma experiência de jogo envolvente.

Portanto, a escrita está na parede – um jogo bem-sucedido da Web 3.0 precisa encontrar um equilíbrio delicado entre uma experiência de jogo agradável e uma economia robusta de blockchain.

Desafio para a adoção

Considerando as possíveis implicações desses sucessos, precisamos enfrentar as possíveis barreiras à adoção generalizada.

Em seu estado atual, os jogos da Web 3.0 enfrentam obstáculos como economias insustentáveis, excesso de oferta de tokens não fungíveis (NFTs) dentro do jogo, altas taxas de entrada, ecossistemas incompletos e jogabilidade que, muitas vezes, não está à altura dos padrões estabelecidos pelos jogos tradicionais.

Os desenvolvedores podem preencher a lacuna entre a Web 3.0 e os jogos tradicionais, mudando o foco para melhorar a jogabilidade e aprimorar a experiência de jogo.

Ao empregar tokenomics sólidos e projetar ecossistemas completos, eles podem atrair os jogadores convencionais oferecendo algo que os jogos clássicos não podem oferecer, ampliando o alcance dos jogos da Web 3.0.

À medida que os jogos da Web 3.0 ultrapassam essas barreiras, eles também devem estar atentos aos possíveis riscos.

Os riscos inerentes associados ao blockchain e à criptomoeda, como vulnerabilidades de contratos inteligentes e ataques de phishing – são igualmente aplicáveis aos jogos da Web 3.0.

Dessa forma, é fundamental educar os jogadores e manter medidas de segurança robustas.

O futuro dos jogos é brilhante

Com a combinação certa de inovação, paciência e perseverança, os jogos da Web 3.0 têm o poder de transformar esse setor nascente em um setor que transcende os limites tradicionais e redefine a experiência de jogo.

Acredito que veremos uma maior integração das tecnologias de IA, que podem proporcionar experiências de jogo mais personalizadas e desafiadoras.

Apesar de alguma controvérsia, acho que veremos a adoção de NFTs nos principais IPs de jogos tradicionais, o que provavelmente impulsionará significativamente os títulos da Web 3.0.

A convergência total do setor tradicional de jogos e da tecnologia blockchain acabará se tornando uma realidade, e é melhor se preparar para isso.

No limiar dessa mudança transformadora, lembre-se de que o objetivo final dos jogos continua o mesmo – entreter, conectar e enriquecer nossas vidas.

Como desenvolvedores, é nossa responsabilidade garantir que esses princípios fundamentais permaneçam no centro de todos os avanços.

Artigo escrito por Ilman Shazhaev, publicado em Daily Hodl e traduzido e adaptado por @rodrigo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Lula imposto sobre o Bitcoin
Criptomoedas

Governo Lula quer aumentar para 22,5% os impostos para todos os usuários de Bitcoin no Brasil

O governo Lula anunciou que pretende aumentar os impostos para todos os usuários de criptomoedas em até 22,5%. Segundo o governo, a proposta não é criar um novo imposto, mas aumentar ainda mais as taxas para os usuários que possuem criptoativos. A ideia é ‘fechar o cerco’ com àqueles que estão usando criptoativos para driblar […]

Leia Mais
Halving do Bitcoin
Criptomoedas

O halving do Bitcoin está cada vez mais próximo, com menos de 2.900 blocos restantes

No momento, restam menos de 2.900 blocos até o próximo halving do Bitcoin. Para compreender o conceito de halving, é bom entender primeiro como surgem os novos bitcoins, principalmente por meio do processo de mineração de bitcoins. Isso envolve entidades, conhecidas como mineradores, que validam blocos repletos de transações que aguardam confirmação. Em sua busca […]

Leia Mais
União Europeia ALM Criptomoedas
Criptomoedas

Novas leis contra lavagem dinheiro da UE visam transações em criptomoedas

Como parte das novas leis contra lavagem de dinheiro, o Parlamento da União Europeia proibiu carteiras de criptografia de autocustódia não identificadas para transações na região. A proibição tem como alvo as transações anônimas em dinheiro que excedam € 3.000 e as carteiras de auto-custódia em várias plataformas. Em uma publicação recente nas redes sociais, […]

Leia Mais