Trump diz que ‘deve combinar’ impressão de dinheiro da China

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, propôs que os EUA manipulem moeda chinesa e europeia, provocando uma queda no valor do dólar.

O presidente compartilhou seus pensamentos em um tweet publicado em 3 de julho:

A China e a Europa jogam muito e manipulam dinheiro em seu sistema para competir com os EUA. Devemos COMBINAR, ou continuar a ser os manequins que se sentam e olham educadamente enquanto outros países continuam a jogar seus jogos – como eles têm feito há muitos anos!

O ataque renovado vem apesar do fato de que a administração Trump formalmente parou de acusar a China de desvalorizar sua moeda para obter vantagens comerciais injustas apenas dois meses atrás.

Tanto no Twitter quanto no Reddit, os comentários foram rápidos em observar que, à luz dessa política monetária de “corrida para o fundo”, o tweet de Trump equivale praticamente a uma “ordem direta […] para comprar bitcoin”.

https://twitter.com/PeterMcCormack/status/1146519791684980737

Judy Shelton, nomeada para o conselho do Trump, havia tuitado no dia anterior que “se esforçaria para apoiar a agenda econômica pró-crescimento dos EUA com a política monetária apropriada”.

Em um tweet publicado em 3 de Julho, o analista da eToro, Mati Greenspan, afirmou acreditar que a influência das tendências macroeconômicas sobre o Bitcoin já é uma realidade, afirmando:

“Meu entendimento é que a política do banco central é o maior impulsionador de todos os mercados, incluindo a criptografia.”

A provocação do presidente provocou novas ondas na Europa, com um especialista em estratégia de câmbio dizendo à CNBC que teme que o governo possa aplicar “tarifas compensatórias” na UE. setor automotivo, justificando-o como uma resposta ao que o Departamento de Comércio considera como a depreciação artificial da moeda de certos países.

Outros estrategistas de moedas observaram o momento inesperado do ataque renovado à política cambial da China, argumentando que o yuan aparentemente não foi manipulado nos últimos dois anos.

Com os políticos a armarem moedas nacionais fiduciárias para ganhar vantagem no comércio, o argumento para a criptomoeda como um ativo de refúgio seguro parece mais robusto do que nunca.

Em comentários no início desta semana, o co-fundador da Morgan Creek Digital Assets, Anthony “Pomp” Pompliano, previu que o Bitcoin (BTC) atingiria US$ 100.000 até o final de 2021, citando o atual clima de instabilidade global como um grande fator determinante.

Fonte: Cointelegraph


Leia como a Guerra Comercial entre EUA e China pode afetar as criptomoedas clicando aqui.

Leia também sobre como a Sony, a Microsoft e a Nintendo, três das maiores empresas de games do mundo, se uniram contra o aumento de impostos nos EUA causado pela guerra tributária fomentada pelo governo Trump clicando aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fernando Haddad G20
Economia

Haddad defende medidas para que bilionários parem de usar brechas fiscais

Na última quinta-feira (29), o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, defendeu medidas para que bilionários pagassem sua parte “justa” de impostos. Para isso, o ministro defendeu uma “contribuição internacional” (na verdade, uma coerção coordenada internacional) para garantir que bilionários não usem das brechas fiscais, que o ministro chamou de “buracos tributários”. O discurso do ministro […]

Leia Mais
Luiz Marinho
Economia

Sem acordo, governo prorroga por 3 meses nova portaria sobre trabalho aos feriados

O ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, anunciou nesta terça-feira (27) que foi adiado por 90 dias a portaria que muda as regras sobre o trabalho aos feriados. O texto entraria em vigor nesta sexta-feira (1). A decisão do ministro foi tomada durante uma reunião com o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, representantes […]

Leia Mais
O Legado de Max Weber
Economia

A importância do Legado de Max Weber para a compreensão das ciências sociais

Como sabemos, as ciências sociais hoje são quase unicamente estudadas do ponto de vista marxista. E no Brasil isso é uma verdade maior ainda, a ponto de os cursos de ciências sociais terem se tornado verdadeiros púlpitos do discurso marxista. Por sorte, ideias que explicam melhor a realidade dos fenômenos sociais, e totalmente livres do […]

Leia Mais