Introdução a Praxeologia

Praxeologia é uma estrutura para entender o comportamento propositado dos seres humanos. Ela nos dá as leis universais da ação. Historicamente, a praxeologia nasceu da economia, quando foi percebido que a lógica econômica não somente explicava preços e outros fenômenos do mercado, mas também a natureza de todas as ações humanas. O estudo da praxeologia é importante tal como o estudo da física e da química, pois ela explica o mundo em que vivemos.  A física diz que tocar em um fio desencapado é perigoso; mas se eu preciso tocar nesse fio, ela também diz que é possível fazê-lo com segurança, utilizando um material isolante como a borracha. Da mesma forma, a praxeologia nos dá as ferramentas para pensar sobre a ação humana além do que é visto.

Suponhamos que você conhece alguém que gosta de fazer as coisas por si mesmo.  Este diz: “Eu quis economizar dinheiro, então eu fiz o meu próprio telhado e gastei 1000 reais com materiais. Isso poderia ter me custado 5000 reais se eu tivesse que pagar alguém para fazê-lo!”. Mas o que aconteceria se esta pessoa, ao invés de fazer o telhado,  tivesse gasto seu tempo e seu esforço no seu trabalho habitual, ganhando um total de 8000 reais, de modo a repassar a tarefa de fazer o telhado para outra pessoa? Ele ainda teria um lucro de 3000 reais e um novo telhado! Pode ser que essa pessoa goste de trabalhar fazendo telhados mais do que trabalhar habitualmente; mas se o seu objetivo era economizar dinheiro, é evidente que ele errou.

Conhecer a praxeologia também pode lhe ajudar a entender as limitações do planejamento humano. Dado o exemplo de um lápis padrão, e ao compará-lo com as ferramentas do passado, tipo uma lança – na qual tem praticamente a mesma forma que o lápis -, eles são extremamente diferentes no seguinte aspecto: enquanto a lança foi historicamente criada por uma pessoa, o lápis se deu através do produto das ações humanas harmoniosas de um grande número de pessoas.  Isso permite afirmar que nem o dono ou o trabalhador da empresa de lápis conhecem inteiramente como fazer essa ferramenta de uso cotidiano. Da mesma forma, não cabe ao minerador de grafite ou ao marceneiro que fornece a madeira utilizada, considerarem o destino de longo prazo que seus produtos individuais têm.

O lápis é o resultado da cooperação social em escala mundial; isto sem nenhum planejador central. O desfecho é um item produzido eficientemente a um custo acessível à quase todo mundo. Mesmo que o lápis aparente ter um processo de fabricação complexo, ele é muito simples quando comparado a algo ainda mais complexo: a internet. Pergunta-se, pois, como que tantos recursos movem-se ao redor do mundo em harmonia. Ocorre que no passado as pessoas tinham somente um entendimento limitado da rede de cooperação; isso mudou quando a praxeologia nos iluminou para a natureza da ação humana, e nos explicou a origem da civilização.