Por: Allen Scott

O céu é o limite para o Bitcoin, cuja capitalização de mercado pode alcançar 100 trilhões de dólares quando observada a tendencia histórica para o dólar norte-americano e a criptomoeda mais popular lado a lado.

A inflação do Dólar é uma ferramenta

Passado o dia da mentira, a única coisa previsível sobre o dólar é que o poder de compra irá continuar a cair.

Desde 1913, o ano que o Federal Reserve foi fundado, o dólar já perdeu 96% de seu valor.

No entanto, os preços em 2016 eram 2.324% maiores que a média de preços em 1913, de acordo com o índice de preços ao consumidor da Secretaria de Estatísticas Trabalhistas dos Estados Unidos. Em outras palavras, a reserva monetária mundial experienciou uma média de inflação anual de 3.14% no último século.

E mais: outras moedas fiduciárias, particularmente em desenvolvimento econômico se saíram muito pior. Algumas como o Dinar argelino, por exemplo, perdeu cerca de 80% em comparação ao dólar nos últimos 5 anos.

Desde que o dólar é inerentemente desenhado para perder valor ao longo do tempo, manter seu dinheiro suado em moeda fiduciária garante, de forma absoluta, que pelo menos 3% da sua saúde financeira irá evaporar a cada ano.

Bitcoin atingiu a paridade com o dólar há 7 anos

Quando o Bitcoin foi lançado em 2009, como uma resposta à crise financeira, era considerado um sonho chegar a 1 dólar por bitcoin.

Milagrosamente, a criptomoeda levou apenas 2 anos para alcançar tal paridade. Isso aconteceu 8 anos atrás, em 9 de fevereiro de 2011, na condenável plataforma Mt.Gox, que foi por muito tempo a única exchange.

Esse foi o período da infame ‘bitcoin pizza‘ e alguns dos comentários desta época parecem bastante divertidos hoje. Por exemplo, esse trader escreveu:

“Eu não botava fé no BTC lá em fevereiro, e agora ele está sendo negociado a quase 30 dólares.

Ah, se arrependimento matasse…”

O medo de ficar de fora de outros era ainda mais palpável.

“Eu queria ter mantido meus 1.700 BTC em $0,06 ao invés de vendê-los a $0,30, agora eles valem $8,00 #bitcoin

Enquanto isso, os investidores que tinham preferência temporal baixa foram muito recompensados ​​nos anos seguintes, já que os preços viram somas de três, quatro e até cinco dígitos.

Esses investidores acharam a relação risco e retorno muito atraente. Eles sabiam que só haveria 21 milhões de bitcoins. Por outro lado, a oferta de dólares no mundo está nas dezenas de trilhões e em constante expansão.

Além disso, isso não leva em conta o mercado de derivativos, no qual é estimado em mais de dez vezes o PIB mundial. Este setor grandemente não regulamentado, é atualmente considerado ser um dos maiores riscos para a economia global e pode englobar um escalonamento de US$ 1,2 quadrilhão.

Ma…mas o preço do Bitcoin foi à ruína!

Comparar o valor do Bitcoin ao das tulipas, a bolha das empresas ponto com e outros fenômenos do mercado são semelhantes a colocar um pino quadrado em um buraco redondo. Isto é explicitado neste artigo.

Sua oferta é definida em 21 milhões. É digitalmente escasso. Sua taxa de emissão é predeterminada. Sua contabilidade é transparente e publicamente verificável. Não é uma matéria-prima, pois não segue a oferta e a demanda (no qual pode explicar sua volatilidade). No entanto, também não é uma moeda ou uma moeda legal, pois é de fora de qualquer governo ou autoridade central.

O Bitcoin é diferente de qualquer coisa que o mundo já viu. É o ‘dinheiro 2.0’ que se valorizou mais de 84.000% em relação ao dólar dos EUA de 2011 à 2018.

O Bitcoin não se importa

Portanto, não é de se admirar que esteja mais firme em países com controles de capital como a Venezuela, onde o dinheiro nacional se tornou, artificialmente, inútil. Mas as nações desenvolvidas também perceberão que o Bitcoin está vivo e bem, apesar das centenas de obituários na imprensa.

Ao mesmo tempo, apesar de ter batido contra o Dólar várias vezes ao longo de sua história, o Bitcoin sempre se recupera para registrar baixas mais altas.

Portanto, talvez devêssemos parar de olhar para a queda dos 20.000 Dólares. Em vez disso, é o momento de começar a olhar para as mínimas históricas anuais, que revelam uma tendência interessante, de fato.

2012 – 4 dólares
2013 – 65 dólares
2014 – 200 dólares
2015 – 185 dólares
2016 – 365 dólares
2017 – 780 dólares
2018 – 3200 dólares
2019 – ?

Bitcoin é um buraco negro para moedas fiduciárias

Hoje, as taxas de juros estão em sua baixa histórica. O Federal Reserve e outros bancos centrais têm mostrado que eles vão não apenas imprimir mais dinheiro para sustentar o sistema financeiro, mas também estão abertos para aplicar taxas de juros negativas.

Portanto, a questão que permanece é quando – e não se – todo esse dinheiro recém-criado vai disparar uma hiperinflação.

Bitcoin, por outro lado, continua a minerar blocos e confirmar transações 24 horas por dia, 7 dias por semana, com um tempo de atividade de 99,983% em dez anos de existência. Ao mesmo tempo, quase 85% de todos os bitcoins já foram minerados.

Com o preço do BTC agora mais uma vez formando um padrão de fundo, a tendência é evidente. De fato, o dólar caiu 10,3% em valor se comparado ao Bitcoin no primeiro trimestre.

As ações e títulos também se recuperaram no primeiro trimestre deste ano, à medida que os bancos centrais injetaram quase US$ 1 trilhão em liquidez nos mercados globais, observa o analista de mercado Holger Zschaepitz:

Você pode conferir o texto original do Allen Scott (@bitcoinister) clicando aqui.