sábado, novembro 26, 2022

Novo museu testemunha os horrores do comunismo e homenageia suas vítimas

No total, mais de 100 milhões de pessoas foram mortas sob regimes comunistas nos últimos 100 anos.

No coração de Washington, D.C., atrás das portas de um prédio não muito diferente dos outros com os quais compartilha um quarteirão, encontra-se um testemunho muito assombroso dos horrores do comunismo – uma ideologia política que ainda é muito dominante no mundo de hoje.

O novo museu, da Fundação Memorial das Vítimas do Comunismo, está em funcionamento há muitos anos. Ele foi aberto ao público na segunda-feira.

Entrar nela é como entrar em um cofre. Ou talvez uma tumba. Ao passar um muro com grandes palavras em relevo lendo “LEMBRANDO as vítimas do comunismo”, o espaço rapidamente escurece e se estreita.

Muro na entrada do museu com os dizeres “LEMBRANDO as vítimas do comunismo”. Créditos:Comunista Crimes.

Imagens e pequenas telas de vídeo de ambos os regimes e vítimas o enfeitam, evocando um tom sombrio. Por trás destas imagens, em uma tela maior, está um filme de seis minutos descrevendo a ascensão de Vladimir Lenin e da União Soviética como uma potência comunista.

A sala então conduz os visitantes para o mundo do chão. Aqui estão artefatos dos infames campos prisionais soviéticos, relíquias físicas dos milhões de russos que passaram por eles. Em uma caixa está um ursinho de pelúcia e ao seu lado um “valenki” – uma bota de feltro na qual os prisioneiros Gulag foram equipados com sapatos.

Há também uma réplica do “pão preto”, um pão alongado, cor de coque, do qual os prisioneiros gulag dependiam para a alimentação. Pequenas medidas mostram quanto de um pão foi distribuído como ração para cada prisioneiro, dependendo de sua docilidade ou mau comportamento.

De 1934 a 1947, cerca de 10 milhões de pessoas foram enviadas para os campos. Outra estimativa coloca o número de mortes entre 1,2 e 1,7 milhões entre 1918 e 1956.

Um painel informativo explica como Joseph Stalin, o líder mais antigo da União Soviética, usou deliberadamente uma fome para matar à fome mais de 3 milhões de ucranianos em 1932 e 1933. Alguns estimam que o número de mortes tenha atingido 7 milhões.

No total, o museu estima, mais de 100 milhões.

Sala do museu onde são apresentados os crimes do regime stalinista .Créditos: Communistes Crimes.

Em uma parede está um filme, uma apresentação de slides de imagens simples, desenhadas à mão, retratando a dura vida nos gulags, prisões e campos de trabalho dos regimes comunistas em todo o mundo. As imagens foram gravadas pelos sobreviventes. Testemunhos sobre o que outros sobreviventes experimentaram enquanto estavam presos são lidos em voz alta enquanto as imagens rolavam.

“Em todos os casos em que [o comunismo] foi julgado, isso levou a atrocidades em massa”, disse-me o embaixador Andrew Bremberg, presidente e CEO da Victims of Communism Memorial Foundation. “Estes são verdadeiramente os piores exemplos de sofrimento humano da história em termos dos regimes mais brutais e massacradores”.

Na maior sala do museu, é apresentado um quadro mais amplo do sofrimento. Lá, um filme mostra a história da disseminação do comunismo pelo mundo, com detalhes de quais nações caíram presas a ele. Em um canto, o número de mortos do comunismo e daqueles que foram escravizados por ele se eleva.

Os painéis informativos do museu descrevem atrocidades específicas, como o genocídio de Pol Pot contra o povo cambojano, que exterminou 25% da população do sudeste asiático, e o fracasso de Mao Tse Tung na coletivização da agricultura chinesa, que resultou em uma fome que matou entre 20 e 43 milhões de pessoas.

Ao lado destas estão histórias – escritas e acompanhadas de fotografias – de resistência ao comunismo, desde manifestações pacíficas até revoltas armadas: a Revolução Húngara de 1956, a Primavera de Praga de 1968 e o Massacre da Praça Tiananmen de 1989 em Pequim, para citar apenas algumas.

Fotografias das vítimas dos regimes comunistas. Créditos: Communistes Crimes.

Bremberg disse que os dois primeiros exemplos, embora menos conhecidos, são tão importantes quanto a Praça Tiananmen.

Ele também mencionou uma estatística tecida em todo o museu: 1,5 bilhões. Esse é o número estimado de pessoas que ainda vivem sob o comunismo. A maior nação comunista hoje é a China, que responde pela grande maioria desse número.

O Partido Comunista Chinês, que governa o país, subjugou mais de 1 milhão de muçulmanos uyghur, uma minoria étnica, a campos de reeducação, esterilização forçada.

No ano passado, a Victims of Communism Memorial Foundation recebeu uma série de documentos internos vazados do Partido Comunista Chinês. As descobertas fornecem provas condenatórias de seus esforços coordenados contra os Uighurs. Você pode ler mais sobre isso aqui.

Vários países anteriormente sob controle comunista, como a Polônia, também possuem museus que contam sua própria história de sua existência sob o comunismo. Entretanto, nenhum museu oferece uma imagem tão singular do impacto global do comunismo como o novo museu em Washington.

“Não há nada parecido com isto no mundo”, disse Bremberg. “É muito importante ter isto na capital de nosso país. Há milhões de turistas chegando, especialmente grupos escolares, que realmente precisam aprender isto, porque o comunismo é um mal terrível”.

Painel onde são contabilizados o total de vítimas de vários regimes comunistas. Créditos: Communistes Crimes.

Embora pesquisas tenham mostrado que até 1 em cada 3 milênios são positivos sobre o comunismo, Bremberg acredita que foi o legado da ideologia – e certamente não viver sob tal ideologia – que lhe deu tal apelo.

“O que estamos realmente tentando fazer é apresentar o rosto das vítimas do comunismo como uma forma de educar as pessoas”, disse Bremberg. “Você pode tirar uma conclusão muito clara de que este é um sistema horrível de governo”.

“[É] o flagelo do século 20, e infelizmente ainda está conosco no século 21”, acrescentou ele. “Se quisermos evitar que isso custe vidas incontáveis no futuro, as pessoas devem aprender sobre os crimes do comunismo … através da experiência de suas vítimas”.

Ao lado da saída do museu há um muro pelo qual os visitantes passam antes de deixar o museu. Está coberto por uma colcha de retalhos de retratos – os rostos daqueles que lutaram contra o comunismo.

Em meio aos retratos, há duas palavras simples: “Lembre-se de nós”.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

SourceFEE.ORG
spot_img

CONFIRA