Os homeschoolers não precisam de regulamentação governamental

Homeschooling

Desde 2020, houve um aumento significativo no número de famílias que aderiram ao homeschooling, o que tem gerado discussões sobre regulamentações. Atualmente, as regulamentações sobre o ensino domiciliar são um fenômeno estado por estado, com Pensilvânia e Nova York entre os estados com mais regulamentações e Missouri, Texas e Oklahoma com menos. Exemplos de regulamentações incluem a exigência de que os pais enviem uma carta de intenção para a educação domiciliar antes de retirarem seus filhos da escola tradicional, possuam qualificações de ensino, ministrem disciplinas específicas, apresentem evidências de vacinação, garantam que cada criança receba uma certa quantidade de horas de educação em casa, entre outros requisitos.

Uma das muitas razões para a pressão por regulamentações tem a ver com o desejo de proteger as crianças do isolamento, negligência educacional e outras formas mais violentas de abuso. Uma razão menos dramática existe na crença de que as diferenças nas exigências de estado para estado levam a experiências educacionais desiguais dentro da comunidade de educação domiciliar. As discrepâncias frequentemente são atribuídas à falta de supervisão, e a solução geralmente implica o uso da estrutura estatal para promover a responsabilidade.

Acredito que a regulamentação estatal da educação domiciliar seja um equívoco e pode desvirtuar o que tornou a educação domiciliar bem-sucedida em primeiro lugar: a notável liberdade, diversidade e foco na educação centrada no indivíduo, que reflete as crenças pessoais de cada família, assim como os talentos de cada criança.

A educação domiciliar como um todo tem sido um grande sucesso. Desde o seu humilde início na década de 1970, com entre dez a quinze mil crianças sendo educadas em casa, até agora, com mais de três milhões a partir de 2022, a educação domiciliar teve um incrível crescimento. Junto com o crescimento em números, houve um crescimento em recursos, muitos deles gratuitos. Uma rápida pesquisa online pelo currículo da educação domiciliar produzirá dezenas de sites que oferecem suporte gratuito, planilhas, materiais de leitura e muito mais. Nunca foi tão fácil educar em casa.

Também houve conquistas na comunidade de educação domiciliar. Os alunos que estudam em casa superam seus colegas de escola pública em entre 15 e 30% em testes padronizados. Os alunos do ensino domiciliar como um todo são mais saudáveis social e emocionalmente e estão mais engajados em suas comunidades. No entanto, apesar desses resultados impressionantes, o crescimento do movimento de educação domiciliar atraiu a atenção de órgãos governamentais, bem como de indivíduos que defendem que toda a educação deve ser regulada pelo estado, ou no mínimo por uma entidade que não seja os pais. A preocupação é que, sem responsabilidade do estado, algumas crianças educadas em casa podem ficar desassistidas.

Isso desconsidera totalmente o fato de que a própria educação estatal muitas vezes não consegue evitar que suas próprias crianças sejam negligenciadas. Na verdade, há tantas rachaduras, é incrível que tudo ainda esteja de pé. No meu próprio estado do Missouri , em 2022, apenas 28% dos alunos da oitava série testados em leitura tinham proficiência igual ou superior. No geral, para os Estados Unidos, 19% de todos os formandos do ensino médio não sabem ler. Se os governos não conseguem resolver suas próprias falhas, como podemos esperar que eles evitem que crianças educadas em casa sejam negligenciadas?

Negligência educacional à parte, e os casos mais dramáticos de abuso e negligência? Estive pessoalmente envolvida num caso em que crianças, que eram educadas em casa, foram impiedosamente controladas e abusadas fisicamente pelos seus pais, ao ponto da exasperação, fazendo com que uma delas fugisse. Em outro caso, a família utilizou apenas a Bíblia como fonte de material educativo, deixando as crianças despreparadas para atender às demandas da sociedade moderna. As crianças que estudam em casa nesses tipos de situações precisam de proteções extras para protegê-las desses abusos? O governo é a melhor entidade para fornecer proteção?

A maioria dos defensores da infância afirma que crianças em escolas públicas, sob a supervisão de adultos que não são seus familiares, estão em uma posição mais favorável para que esses adultos identifiquem abusos e intervenham para proteger a criança. Se uma criança estiver presa em casa apenas com os pais, o abuso pode ocorrer com muito pouca responsabilização. Organizações como a The Coalition for Responsible Homeschooling, cuja missão é defender o direito de uma criança à educação, bem como um “ambiente doméstico seguro e solidário afirmado e protegido por leis, partes interessadas e sociedade como um todo”, esperam que o governo faça e aplique leis que protejam as crianças. A Coalizão para a Educação Domiciliar Responsável documentou centenas de casos de abuso horrendo, negligência e até fatalidades perpetrados por pais que praticam a educação domiciliar. Ao ler muitos desses casos documentados, um fato se destacou: os funcionários do governo designados para investigar o abuso já estavam, de fato, envolvidos, e o abuso – e até a morte em alguns casos não foi evitado.

Mesmo que responsabilizar os pais por meio do governo através das escolas fosse a melhor maneira de ajudar as crianças, isso ainda não impediria a maioria dos casos de abuso. Isso porque, na população geral de crianças nos Estados Unidos, mais da metade dos casos de maus-tratos envolviam crianças e mais da metade dos casos de maus-tratos envolve crianças em idade pré-escolar ou que não estão sob os cuidados da escola pública. Regulamentar a educação domiciliar devido ao abuso não será muito eficaz, pois a maioria dos casos de abuso no público em geral – que inclui crianças que frequentam escolas públicas, privadas ou são educadas em casa – ocorre antes mesmo de a criança atingir a idade escolar. E, claro, o abuso por parte dos professores raramente é discutido pelo público. Quem está responsabilizando os professores?

Em todas as situações acima mencionadas em que a responsabilidade moral dos pais de preparar seus filhos para a vida adulta está sendo abdicada por negligência educacional, ou abuso físico e emocional, a solução mais frequentemente proposta é a regulamentação pelo governo. Existem vários problemas com essa abordagem. A regulamentação pelo governo em casos de educação e abuso inevitavelmente refletirá os interesses do governo. A própria definição do que constitui uma educação e o que define abuso pode mudar dependendo de quem é capaz de ter mais influência. Assim, por exemplo, quando uma força motriz por trás da regulamentação estatal é a igualdade na educação, em suas várias formas, a desigualdade pode ser vista como abuso.

O objetivo de alguns de usar a lei para coagir os outros a educar da maneira que acharem adequada viola o direito dos pais de criar seus filhos de maneira consistente com seus próprios valores e crenças. Aqueles que policiam os pais definem o abuso. Acontece, em grande parte, a mesma coisa com o ensino. Os padrões educacionais têm sido um fenômeno em constante mudança, profundamente influenciado pelas tendências mais recentes. Desde o início dos anos 1960, a educação nos Estados Unidos tem aproveitado onda após onda de inovações educacionais destinadas a melhorar o ensino da leitura, escrita e aritmética. Por exemplo, Reginald Damerell em seu livro Education ‘s Smoking Gun apontou que “entre 1959 e 1976, os governos federal e estadual gastaram entre US $ 2,13 bilhões em equipamentos e materiais de mídia sob a Lei de Defesa da Educação Nacional”. Já naquela época, esperava-se que o uso da mídia melhorasse a experiência de aprendizado dos estudantes. Atualmente, cerca de 63% das salas de aula têm algum tipo de tecnologia que visa facilitar a educação dos alunos. Ao deslocar o foco do aprendizado dos conceitos básicos educacionais para o uso de diversas mídias, observou-se um impacto negativo no desempenho dos alunos. Os recursos são desviados dos três R’s e canalizados para o treinamento de administradores, professores e alunos sobre o uso da tecnologia mais recente. É um ciclo interminável que não produz bons resultados e desperdiça dinheiro dos impostos.

Além disso, onde há intervenção do governo, há também uma ruptura da coesão da comunidade. A comunidade de educação domiciliar é conhecida por sua incrível capacidade de atender espontaneamente às necessidades de seus membros. Muito antes dos pods de aprendizagem, havia cooperativas de educação domiciliar. Como veterana de quinze anos em educação domiciliar, posso atestar o quão incrivelmente solidários, informados, motivados e prestativos a maioria dos membros da minha própria comunidade de educação domiciliar realmente são. Somos muito unidos e a responsabilidade é um resultado natural dessa coesão.

Em seu livro The Prophets of Doom, Neema Parvini, em sua discussão sobre Peter Turchin, fala sobre a ideia de asabiya. Asabiya é definida como solidariedade coletiva e é demonstrada quando um “grupo aparentemente marginal que vive nas margens externas de um vasto império que, de alguma forma, apesar de estar em desvantagem numérica e tecnologicamente superado, acaba assumindo vastas porções de terra anteriormente detidas por uma ‘civilização‘ ou império aparentemente superior”. A tendência, ele explica, é uma diminuição na asabiya quando um império é estabelecido e as coisas estão indo bem. Asabiya aumenta nas margens onde há adversidade. Quando há intervenção e integração do governo, há baixa asabiya. A secessão silenciosa e constante de famílias individuais e grupos de famílias que agora compreendem o movimento de educação domiciliar é um grupo marginal que demonstra asabiya na medida em que há, apesar de diferentes abordagens educacionais e crenças religiosas, um profundo senso de solidariedade coletiva. Estamos todos unidos em nosso esforço para educar nossos filhos longe das garras do governo. A educação pelo governo é vista como uma adversidade.

Se o governo intensificar sua intervenção e impuser mais regulamentações, a solidariedade e coesão do grupo diminuirão, e o movimento do ensino domiciliar será simplesmente absorvido pelo sistema educacional de massa. Os grupos de elite, cuja pressão impulsiona a intervenção do governo, não serão contidos – inevitavelmente ultrapassarão o direito dos pais de criar seus filhos, incluindo a educação, conforme determinado por esses grupos. O tipo de diversidade presente na comunidade da educação domiciliar simplesmente não é permitida quando a força organizadora é uma entidade centralizada. A verdadeira liberdade e diversidade sempre foram odiadas pelo governo.

A regulamentação da educação domiciliar é uma má ideia em todos os lugares.

Não só não fornecerá o tipo de proteção contra o abuso educacional, físico e emocional que aqueles que o pressionam esperam, mas também se tornará um terreno fértil para outros abusos perpetrados por aqueles que controlam o governo, bem como o próprio governo. Todas as formas de abuso de crianças são uma realidade horrível em nossa sociedade. Regulamentar a comunidade de educação domiciliar não fará com que ela desapareça. A coesão da comunidade e a responsabilidade natural que se desenvolve dentro de uma comunidade que reflete suas crenças precisam ser mais examinadas como uma alternativa à intervenção do governo, se quisermos preservar o incrível sucesso do movimento de educação domiciliar.

Artigo escrito por Heather Carson, publicado em Mises.org e traduzido por Isaías Lobão


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sérgio Sacani
Educação

Sérgio Sacani é criticado por youtubers comunistas por não reagir ao conteúdo deles

O youtuber, geofísico e divulgador científico, Sérgio Sacani, desabafou em uma publicação do X sobre as críticas que têm recebido de youtubers comunistas por ele não reagir ao conteúdo deles. Em sua publicação, Sacani criticou aqueles que o acusaram de ser “descompromissado com o Brasil” e que não reagia a conteúdo comunista porque não entendia […]

Leia Mais
Mariner Learning Collaborative
Educação

O momento em que um professor veterano desistiu das escolas públicas e lançou a sua própria escola

Numa noite de primavera de 2022, Ross Hill estava a tentar deitar vários dos seus filhos (ele tem oito) na cama para passar a noite. Ele não estava tendo muita sorte. Os três mais velhos, em particular, tinham dificuldades e ele se sentia impotente para resolver os problemas que eles tinham. “Eles estavam chorando porque […]

Leia Mais
Doutrinação
Educação

A doutrinação estatal vai além do que você imagina

Muito se fala sobre doutrinação, mas você sabe o que é? Sempre que vejo alguém falar sobre doutrinação, há algo ali incompleto que não parece tocar no real problema. Uma demonstração disso é o fato de muitos acreditarem que o projeto “Escola sem Partido” é a solução para o problema da doutrinação. O entendimento sobre […]

Leia Mais