Projeção? Influencer Pablo Marçal afirma que 99% dos usuários de Bitcoin são “bandidos”

Pablo Marçal

Em um vídeo polêmico publicado em seu canal no YouTube, o influencer (ou seria coach?) e político Pablo Marçal fez afirmações ousadas sobre o Bitcoin e seus usuários. No vídeo, Marçal afirmou que o Bitcoin “não possui lastro” e que 99% dos seus usuários são “bandidos”.

No vídeo publicado na última sexta-feira, o coach argumentou que a maioria das transações digitais já são digitais, sugerindo com isso a inutilidade do Bitcoin.

“Deixa eu falar pra vocês, 99% dos caras que mexe com o Bitcoin é bandido[sic], não perca seu tempo, vai pra economia real, tô falando sério… 99% do dinheiro do mundo é digital, eu tô falando, cuidado…”

Abaixo o vídeo:

Marçal também afirmou que o Bitcoin não possui um lastro, argumentando que, diferente de moedas fiat ou de investimentos atrelados a ativos reais, o Bitcoin opera sem uma base física ou institucional que assegure seu valor.

Com isso, ele afirmou que a “ausência de lastro” pode expor os investidores a maiores riscos, incluindo a volatilidade do mercado e a possibilidade de fraudes, dada a falta de compreensão sobre como as criptomoedas funcionam (e esse último ponto evidentemente se aplica ao Marçal).

“Você nem sabe do que é lastreado, nem sabe o que é isso, aí você vai lá e aposta com um cara, o cara vai lá e te engana porque você não entende de ‘exchange’, você não sabe onde ele tá pondo o dinheiro, e ó, não ponha. Se você não entende de dinheiro, Bitcoin fica por último.”

Histórico de golpes

Em um dado momento do vídeo, Marçal parece admitir ter investido em uma empresa suspeita, ao invés de investir diretamente em Bitcoin. Ele afirma que abandonou o investimento em Bitcoin após golpes.

Marçal também comentou que um de seus sócios perdeu R$ 300.000 em um suposto esquema que usava Bitcoin como fachada. Com este exemplo, ele reforçou sua posição de que muitos dos envolvidos no mercado de Bitcoin são bandidos.

Refutando as falácias de Marçal

Marçal está certo em se preocupar com os golpistas que utilizam do Bitcoin como fachada para seus esquemas e alertar o público quanto a isso. No entanto, ao não procurar se informar corretamente sobre a moeda e fazer uma distinção entre ela e as práticas fraudulentas, Marçal priva seu público de uma poderosa ferramenta financeira.

Ao longo de sua fala sobre o Bitcoin, fica claro que Marçal não conhece praticamente nada sobre a moeda. Ele cita as exchanges, enquanto os mais bem informados na comunidade Bitcoin sabem que elas não são muitos seguras e que o ideal é guardar seus BTCs em uma wallet com autocustódia.

Ele também faz afirmações equivocadas sobre a questão do lastro no Bitcoin e nas moedas fiat. O lastro do Bitcoin, como bem exposto pelo economista Fernando Ulrich, está na capacidade do Bitcoin em ser uma moeda verdadeiramente escassa e inconfiscável. Enquanto você detiver suas chaves privadas em segurança, ninguem poderá confiscar seus BTCs.

O mesmo não pode ser dito sobre as moedas fiat. Ao contrário do que é afirmado por Marçal, as moedas emitidas pelo estado não possuem nenhuma garantia pelo mesmo, podendo ser confiscadas por este, seja via impostos, seja via efeito Cantillon por meio da inflação. Que é o que de fato ocorre.

A crescente desvalorização e confisco das moedas estatais via seua respectivos estados por si só refutam o discurso de Marçal de que tais moedas sejam “seguras”. Além disso, não há sequer um único lastro nestas moedas, já que elas não são usadas porque os ususários reconheceram algum valor nelas, mas sim, por meio do curso forçado do estado.

Quanto ao Bitcoin, sua constante valorização (que já chegou a U$ 72 mil ou R$ 360 mil), se deve a adesão do público que cada vez mais reconhece o mesmo como uma alternativa a moeda fiat e tambem como uma proteção contra a inflação. Será que todas essas pessoas, que são a ampla maioria dos usuários do Bitcoin, são “bandidos” para o Marçal?

Leia tambem: Conheça a plataforma SpikeToSpike: a maneira mais anônima de se comprar Bitcoin

A revolução do Bitcoin

Como uma moeda em constante adoção, o Bitcoin já vem sendo utilizado como método de pagamento tanto direta quanto indiretamente. Neste último caso, alguns sites, como o Bitrefill, permitem ao usuário comprar gift cards de empresas ou produtos específicos, e com isso comprar tais produtos ou comprar em tais empresas.

Marçal tambem erra ao sugerir que a única finalidade do Bitcoin é de ser um método de pagamento digital, enquanto haveriam hoje opções “melhores”. Quando Satoshi Nakamoto desenvolveu o Bitcoin, ele não tinha somente um método de pagamento digital em mente. Ele tinha muito mais que isso em mente.

Seu grande objetivo quanto ao Bitcoin era justamente entregar uma moeda escassa (imune a inflação), descentralizada, auditável e autocustodial. Uma moeda que não pudesse ser controlada, manipulada e nem confiscada por nenhuma entidade central. Principalemente o estado. Seu intuito era devolver aos indivíduos a soberania e controle sobre seu próprio dinheiro.

E o Bitcoin é a única moeda hoje que pode entregar isso plenamente.

Além disso, diferente do que foi sugerido por Marçal em seu vídeo, não há risco de manipulação sobre o Bitcoin, já que sua rede é totalmente descentralizada, mantida por milhões de desenvolvedores, mineradores e usuários independentes, sem nenhum risco de algum deles controlar toda a rede.

O mesmo não pode ser dito das moedas fiat, manipuladas, desvalorizadas e confiscadas pelos seua respectivos estados emissores.

Marçal: desonestidade e desserviço

Pablo Marçal não é apenas desonesto e seu discurso um desserviço para seu público. Já é de longa data que o coach é apontado como mais o típico coach com promessas e fórmulas de enriquecimento mirabulantes, vendendo ilusões aos incautos. Além das histórias evidentemente (ou com toda a certeza?) mentirosas contadas por ele.

Além disso, sua postura arrogante e petulante lhe rendeu o merecido apelido de Pablo Boçal. E para completar, o coach tambem entrou para a política, postura típica de todos os oportunistas. Isso apena reforça o que Fredrich A. von Hayek e Hans-Hermann Hoppe sempre disseram sobre aqueles que chegam ao poder.

Além disso, Pablo Marçal já foi investigado pela Polícia Federal por embolsar a verba de sua campanha (advinda dos nossos impostos) e investir em sua empresa. E se tratando do Boçal não seria muito surpreendente que tal suspeita ss concretizasse e no fim seria um bandido acusando os outros do que ele é.

One thought on “Projeção? Influencer Pablo Marçal afirma que 99% dos usuários de Bitcoin são “bandidos””

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Lula imposto sobre o Bitcoin
Criptomoedas

Governo Lula quer aumentar para 22,5% os impostos para todos os usuários de Bitcoin no Brasil

O governo Lula anunciou que pretende aumentar os impostos para todos os usuários de criptomoedas em até 22,5%. Segundo o governo, a proposta não é criar um novo imposto, mas aumentar ainda mais as taxas para os usuários que possuem criptoativos. A ideia é ‘fechar o cerco’ com àqueles que estão usando criptoativos para driblar […]

Leia Mais
Halving do Bitcoin
Criptomoedas

O halving do Bitcoin está cada vez mais próximo, com menos de 2.900 blocos restantes

No momento, restam menos de 2.900 blocos até o próximo halving do Bitcoin. Para compreender o conceito de halving, é bom entender primeiro como surgem os novos bitcoins, principalmente por meio do processo de mineração de bitcoins. Isso envolve entidades, conhecidas como mineradores, que validam blocos repletos de transações que aguardam confirmação. Em sua busca […]

Leia Mais
União Europeia ALM Criptomoedas
Criptomoedas

Novas leis contra lavagem dinheiro da UE visam transações em criptomoedas

Como parte das novas leis contra lavagem de dinheiro, o Parlamento da União Europeia proibiu carteiras de criptografia de autocustódia não identificadas para transações na região. A proibição tem como alvo as transações anônimas em dinheiro que excedam € 3.000 e as carteiras de auto-custódia em várias plataformas. Em uma publicação recente nas redes sociais, […]

Leia Mais