Três dos medicamentos antialérgicos mais populares e eficientes foram propostos para reclassificação como medicamentos sem receita. Bravo!

As drogas Claritin, Allegra e Zyrtec são seguras e não exigem permissão de um porteiro para consumo geral, afirma Wellpoint Health Networks, uma HMO da Califórnia. O mais novo benefício da tríade de misturas examinadas é a falta do efeito colateral comum da sonolência. A petição está sob orientação da Food and Drug Administration e as audiências serão realizadas a partir de 11 de Maio para avaliar a alegação.

A Schering-Plough Corp., que faz a Claritin, a Aventis Pharma AG, fabricante da Allegra, e a Pfizer Inc., fabricante da Zyrtec, que provavelmente perderá dinheiro se as drogas ficarem disponíveis sem receita. Eles se tornarão imediatamente sujeitos à mão invisível de Adam Smith se vendidos no mercado aberto devido à concorrência de drogas similares, mas muito menos dispendiosas, como Benadryl. Por conseguinte, as três empresas em questão opõem-se veementemente ao fato de os consumidores poderem comprar os seus produtos como se fossem pastilhas para a tosse.

Além disso, há um movimento crescente entre os farmacêuticos para liberar medicamentos das algemas da prescrição do médico. Os farmacêuticos são altamente qualificados em seu ofício, com um grau de mestrado avançado como o ponto de entrada para a profissão e os doutorados não são incomuns. Eles sentem que são eminentemente qualificados para aconselhar os pacientes e prescrever medicamentos. O clínico geral é um intermediário, dizem eles.

Concordo. Vou dar um passo além dos farmacêuticos e sugiro que consigamos comprar nosso Zyrtec, penicilina ou morfina livremente, onde não há um farmacêutico à vista. Coloque-os nas prateleiras ao lado do Smith Bros. Cough Drops.

Por mais radical que isso pareça, foi o estado comum das coisas antes da aprovação da Lei de Alimentos e Medicamentos Puros de 1906 e da Lei Harrison de 1914. Antes da promulgação dessas leis infames, era o direito de qualquer cidadão americano se automedicar. Então hoje deveria ser também.

Se você, como um cidadão americano inteligente e alfabetizado, sabe que é alérgico a pólen de pinheiro, por que não tem permissão para comprar livremente um medicamento para aliviar seu problema? As razões não são aquelas que você pensa. Elas não têm nada a ver com a obtenção de conselhos adequados, juntamente com uma droga pura, mas sim a ver com a manutenção de um cartel. Não apenas um cartel farmacêutico, mas um cartel médico geral.

Considere este cenário: você está aflito com terríveis congestionamentos e ataques de espirros na primavera. Muito bem, você visita o seu médico profissional de escolha e ele diz que você provavelmente desenvolveu uma alergia bastante comum ao pólen e que basta tomar um Claritin com seu suco de laranja pela manhã. Você faz isso e funciona!

Na próxima Primavera, com o mesmo tempo, os mesmos sintomas horríveis. Por que você deveria ser forçado a visitar um porteiro já sobrecarregado para obter um recibo de permissão para o que você sabe que precisa? Você é forçado a fazer essa visita para apoiar financeiramente o cartel, cada membro, do chão ao topo.

Estou sugerindo a abolição de nossas escolas médicas e farmacêuticas? De modo algum. Diante de uma condição médica desconhecida, eu rapidamente visitaria meu médico. No caso de precisar de um medicamento mais poderoso do que uma aspirina, gostaria de ter a oportunidade de falar com um farmacêutico sobre sugestões e alternativas. Eu me oponho calorosamente a ser forçado a fazê-lo.

Estou sugerindo que as empresas farmacêuticas sejam obrigadas a distribuir seus produtos ou que o governo subsidie seus custos para os consumidores? De modo algum. Vende-os no balcão como qualquer outro bem e deixe que o mercado determine seu custo adequado. Se eu optar por fazer minhas compras em uma loja com um profissional farmacêutico à disposição para oferecer conselhos, pagarei um preço premium. Se eu for a uma loja de descontos com um funcionário entediado de plantão, pagarei menos. Minha escolha.

Como sociedade, precisamos desesperadamente colocar as inovações sociais do século XX sob um poderoso microscópio e fazer uma avaliação honesta do que elas nos custaram. Entregar a responsabilidade por nossa saúde ao Estado e aos cartéis médicos é sintomático do problema maior de uma perda geral de nossas liberdades como cidadãos de uma república outrora livre.


Escrito por: Jeff Elkins
Tradução por: Gabriel Belli (@Bellivre)
Revisão por: Paulo Droopy (@PauloDroopy)

Clique aqui para ler o artigo original.