Novo estudo mostra que políticas anti-petróleo podem estar causando mais consumo de petróleo

Anti-petróleo

A cada poucas semanas, fanáticos ambientais da organização “Just Stop Oil” aparecem nas manchetes por tentarem destruir algo importante para chamar a atenção para seu objetivo de acabar com o petróleo.

🚨Notícias de última hora🚨

O que parecem ser apoiadores do @JustStop_Oil estão pulverizando tinta laranja nas pedras de Stonehenge. pic.twitter.com/mgGFXb2beZ

Entretanto, como acontece com muitas medidas políticas míopes, os meios não levam ao fim desejado. Em outras palavras, os esforços legislativos para interromper a produção de petróleo podem fazer com que mais petróleo seja consumido em vez de menos.

Um recente documento de trabalho de Maya A. Norman e Wolfram Schlenker, do National Bureau of Economic Research (NBER), encontrou evidências de que o “Paradoxo Verde” é real.

Mas o que é o Paradoxo Verde? Bem, a ideia do Paradoxo Verde foi apresentada pelo economista Hans-Werner Sinn no que a Wikipédia chama de um livro “polêmico”. O livro de 2012 tem o título de The Green Paradox (O Paradoxo Verde), em homenagem à teoria.

A ideia é relativamente simples. Aqueles que possuem petróleo e reservas de petróleo são agentes econômicos racionais. Isso significa que eles extrairão e venderão seu petróleo em uma taxa específica que maximize os lucros de longo prazo. Os proprietários não querem extrair cada gota de petróleo do solo porque seria caro fazê-lo rapidamente, mas também querem vender o recurso em um ritmo suficientemente rápido para atender à demanda.

Entretanto, as chamadas “políticas verdes” mudam esse cálculo. Se os proprietários de petróleo acreditarem que, em algum momento no futuro, será aprovada uma política que tornará ilegal ou ainda mais cara a venda de seu petróleo, eles começarão a tentar extrair e descarregar o petróleo antes que a política seja aprovada.

O resultado é contraintuitivo para o pensamento superficial – as políticas verdes destinadas a regular o petróleo podem, na verdade, aumentar a velocidade com que o petróleo é produzido e consumido. Esse é o Paradoxo Verde.

Como mencionei anteriormente, a Wikipedia chama esse livro de “polêmico”, embora não cite nenhuma fonte para essa editorialização específica. Entretanto, mesmo que o livro fosse polêmico, esse novo artigo deveria torná-lo menos polêmico.

Os autores examinam o Paradoxo Verde com alguns testes, mas um resultado se destaca.

Eles examinam um projeto de lei Waxman-Markey de 2009-10, uma lei de limite e comércio que teria sido onerosa para o setor de petróleo.

Os autores consideram os preços dos futuros do petróleo em comparação com as expectativas do mercado sobre a probabilidade de aprovação do projeto de lei Waxman-Markey. Se o argumento do Paradoxo Verde estiver correto, o preço dos futuros do petróleo deve cair à medida que aumenta a probabilidade de aprovação do projeto de lei. Eles documentam os resultados, dizem:

“De acordo com essa previsão, encontramos um coeficiente negativo significativo; os preços dos futuros do petróleo caem sempre que a probabilidade esperada de aprovação do projeto de lei aumenta. Esse efeito é persistente em todos os contratos futuros, aumentando até mesmo nos vencimentos de prazo mais longo, o que sugere que a relação reflete ajustes de longo prazo na trajetória esperada do preço do petróleo e não choques temporários. Por meio de nossa análise, concluímos que (i) a aprovação do projeto de lei Waxman-Markey teria aumentado o consumo global de petróleo em 2 a 4% e (ii) as deliberações da Waxman-Markey aumentaram o consumo de petróleo em 8 a 27 milhões de toneladas métricas, o equivalente a 1 a 3 dias de consumo global de petróleo”.

Portanto, não apenas o projeto de lei teria levado a um aumento no consumo de petróleo se tivesse sido aprovado; a mera possibilidade de sua aprovação levou a milhões de toneladas de consumo extra de petróleo. O Paradoxo Verde se mantém.

Uma das funções mais importantes da economia é que ela frequentemente mostra que os meios dos formuladores de políticas não são realmente capazes de atingir os fins desejados. Os formuladores de políticas não gostam disso, é claro, e é por isso que boas ideias econômicas, como o Paradoxo Verde, tendem a ser menosprezadas com termos como “controversas”.

Isso não deveria nos surpreender.

Em sua obra-prima de 1949, Ação Humana, o economista Ludwig von Mises destacou esse fenômeno de forma brilhante:

“É impossível entender a história do pensamento econômico se não prestarmos atenção ao fato de que a economia, como tal, é um desafio ao conceito daqueles que estão no poder. Um economista nunca pode ser o favorito de autocratas e demagogos. Com eles, ele é sempre o causador de problemas, e quanto mais eles se convencem interiormente de que suas objeções são bem fundamentadas, mais o odeiam”.

Vida longa aos malfeitores.

Artigo escrito por Peter Jacobsen, publicado em Foundation for Economic Education e traduzido por Rodrigo


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Lei sancionada por Lula pode aumentar os custos com autoescola

O presidente Lula sancionou na última quarta-feira, 15, a lei 14.92/24, que estabelece a idade máxima dos veículos destinados à formação de condutores. Tal medida poderá aumentar os custos das autoescolas, já que elas precisarão trocar os veículos utilizados nos cursos de condução com mais frequência. A lei A lei 14.92/24 estabelece a idade máxima […]

Leia Mais
Economia

Isenção do imposto sobre a carne é derrota de Lula, e não sua vitória

Após a inclusão da carne bovina entre os alimentos isentos de impostos ser aprovada no Congresso, Haddad se manifestou afirmando que a decisão seria uma vitória do presidente Lula. No entanto, falas anteriores de Lula sobre tributar carnes nobres mostram que isso não era uma pretensão do petista. Carne isenta de impostos Na última quarta-feira […]

Leia Mais
Economia

Superpopulação: Um Mito Antigo Refutado

O príncipe Philip disse certa vez: “Caso eu reencarne, gostaria de voltar como um vírus mortal, para contribuir de alguma forma para resolver o problema da superpopulação”. O falecido Duque de Edimburgo faleceu em 2021, mas o sentimento histérico que ele expressou sobre a superpopulação continua vivo. Uma pesquisa da YouGov revelou que as preocupações […]

Leia Mais