“Quem construirá as estradas?” — Parte 1

"Quem construirá as estradas?"

Todos que defendem o mercado livre em detrimento do envolvimento do governo na economia já ouviram essa resposta comum: “Quem vai construir as estradas?” Às vezes, a pergunta é sincera e merece ser respondida com paciência.

Na maioria das vezes, no entanto, é a rejeição de um argumento complexo e tem a intenção de encerrar a discussão com uma vitória superficial.

É irritante responder e responder novamente à mesma pergunta por décadas, mas é importante fazê-lo porque a pergunta “Quem construirá as estradas?” capta um obstáculo fundamental para a realização de uma economia livre. Ou seja, muitas pessoas acreditam que o setor privado é incapaz de produzir os bens e serviços de que a sociedade precisa ou que os produziria de forma destrutiva; por exemplo, o mercado livre voltado para o lucro produziria um sistema de saúde tão caro que os pobres seriam deixados para morrer.

“Quem construirá as estradas?” Há muitas maneiras de responder a essa pergunta. O economista austríaco Murray Rothbard gostava de abordar a questão traçando um paralelo. A abordagem de Rothbard sobre essa questão ficou famosa por ser chamada de “A fábula dos sapatos”. Se o governo sempre teve o monopólio da produção de sapatos, observou ele, então alguém que defendesse a privatização da fabricação de sapatos seria visto como insensível ou idiota, ou ambos. “Como você pode!”, gritariam os defensores do monopólio dos calçados. “Você deve ser contra o público e as pessoas pobres que usam sapatos! E quem forneceria sapatos… se o governo saísse do negócio? Diga-nos isso! Seja construtivo! É fácil ser negativo e esperto em relação ao governo, mas diga-nos quem forneceria sapatos?” Esses defensores do monopólio governamental de calçados teriam identificado tão intimamente o governo com a fabricação de calçados que um ataque ao seu monopólio teria se tornado um ataque à própria fabricação de calçados e aos usuários de calçados.

A resposta de Rothbard, oferecendo um paralelo entre a fabricação de calçados e a construção de estradas, é poderosa por vários motivos.

Primeiro, ele revela uma dinâmica emocional que muitas vezes está subjacente ao que deveria ser uma questão puramente econômica. Esse viés oculto pode ser honesto, pois é fácil para as pessoas captarem inocentemente as suposições e atitudes de sua cultura. Entretanto, se o questionador perceber seu próprio viés oculto, é mais provável que ele ouça os contra-argumentos.

Em segundo lugar, a “Fábula dos Sapatos” muda a base do argumento e coloca o ônus da prova sobre o questionador. Lembre-se: O ônus da prova recai sobre a pessoa que faz uma afirmação. Na maioria dos casos, o questionador de estradas está implicitamente afirmando que as estradas exigem planejamento central e financiamento por meio de impostos. Em vez de ficar na defensiva, o defensor do livre mercado deve perguntar: “Não entendo por que as estradas de livre mercado seriam um problema. Por que você acha que elas seriam?” Afinal, assim como os calçados, as estradas privadas são comuns ao longo da história. Se houver uma razão para que elas não possam ocorrer em nossa sociedade – pelo menos, uma razão que não venha de obstáculos governamentais – então o ônus de demonstrar por que este momento da história é diferente de qualquer outro recai sobre o questionador.

Em terceiro lugar, Rothbard apela para o conhecimento comum. Desde a infância, todos experimentaram a fabricação de sapatos pelo setor privado; é uma prova inegável de como um serviço importante é prestado sem o governo. E isso é mais um combustível para o defensor do livre mercado perguntar: “Em princípio, por que as estradas do livre mercado seriam diferentes dos sapatos do livre mercado?”

Em quarto lugar, a fábula esvazia o suposto dilema das pessoas pobres que ficam sem sapatos. Na zona de livre mercado de calçados que são os Estados Unidos, quase ninguém fica sem sapatos. Por um lado, as instituições de caridade que proliferam na prosperidade distribuem roupas gratuitamente. Mas, acima de tudo, em um mercado livre, uma variedade deslumbrante de calçados é fabricada em massa, o que os torna mais baratos e mais disponíveis em formas novas e usadas, e mais propensos a serem descartados por aqueles que compram calçados com frequência. Na pior das hipóteses, algumas pessoas usarão sapatos decentes de segunda mão; isso não é culpa da liberdade, mas da pobreza inevitável que ocorre em todas as sociedades. A incrível produtividade causada pelo incentivo ao lucro faz com que seja muito mais provável que os pobres tenham sapatos nos Estados Unidos do que em um país comunista.

Leia também:

Sistemas complexos

A fabricação de calçados é um serviço/bem simples comparado a muitos outros. E a mesma pessoa que se convenceu com “A fábula dos sapatos” pode não gostar que o setor privado controle sistemas econômicos complexos sem regulamentação governamental. Os governos de todo o mundo estão agora prontos para hiper-regulamentar sistemas complexos que atualmente são de livre mercado ou um híbrido de livre mercado e controle governamental devido à intrusão gradual da lei; inteligência artificial, Internet e criptomoeda são exemplos. Com a criptomoeda de livre mercado, os governos querem afirmar um monopólio absoluto emitindo Moedas Digitais do Banco Central e eliminando as de livre mercado, se possível.

As objeções ao controle do setor privado ficam ainda mais fortes quando o sistema complexo envolve um bem ou serviço essencial. Em economia, bens essenciais são itens físicos que os consumidores precisam para manter a saúde ou a vida, como produtos farmacêuticos. “Não estamos mais discutindo calçados”, declararão os céticos. “Sem padrões de saúde e segurança impostos às empresas farmacêuticas, elas produzirão medicamentos de má qualidade ou perigosos. Ou os produtos ficarão com preços fora do alcance de muitas das pessoas que mais precisam deles.” Como os medicamentos são essenciais e alguns consumidores poderiam ser excluídos, os defensores do controle governamental afirmam que esses produtos são importantes demais para permanecerem em mãos privadas. O oposto é verdadeiro, e esse é o terreno em que o mercado livre deve ser vigorosamente defendido.

Novamente, há muitos contra-argumentos sobre como a motivação do lucro protege o público. As empresas vivem ou morrem com base em suas reputações, que são difíceis de recuperar se forem prejudicadas pela produção de medicamentos perigosos. A reputação é essencial porque as empresas ávidas por lucro querem competir com seus rivais e conquistar uma fatia maior do mercado. A menos que a empresa tenha proteção governamental, há sempre o risco de grandes processos judiciais se os produtos farmacêuticos forem produzidos de forma negligente ou deturpados. Os economistas de livre mercado também podem apontar o papel de terceiros neutros e dependentes que avaliam e relatam sobre as empresas; essa é uma garantia de segurança, qualidade ou desempenho criada de forma privada. Essas são apenas algumas amostras dos contra-argumentos disponíveis.

Leia também:

A USP

Mas, novamente, como no exemplo da fabricação de calçados, o melhor contra-argumento na questão das drogas é uma prova de existência, ou seja, um empreendimento farmacêutico de livre mercado que foi um sucesso estrondoso. Felizmente, existem muitos. Considere apenas um. Quase todo mundo na América do Norte tem medicamentos prescritos, vitaminas ou suplementos semelhantes na prateleira do banheiro com as iniciais USP em algum lugar do rótulo. As iniciais são uma certificação de qualidade da United States Pharmacopeial Convention (Convenção Farmacopeica dos Estados Unidos). A USP é um exemplo fascinante de como o mercado livre pode fornecer, e de fato fornece, os padrões complexos dos quais dependem a saúde e a vida das pessoas.

Coumadin, um anti-coagulante com selo de qualidade da USP | Foto: Basicmedic Key

A USP foi criada como uma organização privada sem fins lucrativos em 1820, quando 11 médicos se uniram para proteger seus pacientes de medicamentos inconsistentes e de baixa qualidade. Naquela época, a maioria dos medicamentos era montada a partir de receitas por farmacêuticos individuais que tinham de confiar na precisão de suas receitas, em sua habilidade de “cozinhar” medicamentos e na qualidade de seus ingredientes. Isso significa que os medicamentos produzidos variavam muito em termos de qualidade, dosagem e ingredientes. Além disso, muitos dos ingredientes não eram testados em seres humanos, portanto, havia pouca ciência por trás de seu uso. Os pacientes eram frequentemente prejudicados e, às vezes, morriam devido a doses imprecisas ou outros problemas de controle de qualidade. Pouco depois de sua formação, a USP começou a publicar os resultados de suas análises laboratoriais e outras pesquisas sobre medicamentos na Farmacopeia dos Estados Unidos, que se tornou o compêndio oficial de medicamentos e uso de medicamentos, não apenas nos Estados Unidos, mas em grande parte do mundo. O compêndio inclui indicações padronizadas, recomendações de dosagem, advertências, contraindicações e usos não autorizados. A organização USP procurou ativamente os farmacêuticos e as escolas de farmácia para divulgar esses padrões de medicamentos, com incrível sucesso. Em vez de ser indiferente ao bem-estar público, a maioria esmagadora dos médicos não queria que os pacientes morressem por seguir seus conselhos.

Artigo escrito por Wendy McElroy, publicado em The Future of Freedom Foundation e traduzido por Rodrigo


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Lei sancionada por Lula pode aumentar os custos com autoescola

O presidente Lula sancionou na última quarta-feira, 15, a lei 14.92/24, que estabelece a idade máxima dos veículos destinados à formação de condutores. Tal medida poderá aumentar os custos das autoescolas, já que elas precisarão trocar os veículos utilizados nos cursos de condução com mais frequência. A lei A lei 14.92/24 estabelece a idade máxima […]

Leia Mais
Economia

Isenção do imposto sobre a carne é derrota de Lula, e não sua vitória

Após a inclusão da carne bovina entre os alimentos isentos de impostos ser aprovada no Congresso, Haddad se manifestou afirmando que a decisão seria uma vitória do presidente Lula. No entanto, falas anteriores de Lula sobre tributar carnes nobres mostram que isso não era uma pretensão do petista. Carne isenta de impostos Na última quarta-feira […]

Leia Mais
Economia

Superpopulação: Um Mito Antigo Refutado

O príncipe Philip disse certa vez: “Caso eu reencarne, gostaria de voltar como um vírus mortal, para contribuir de alguma forma para resolver o problema da superpopulação”. O falecido Duque de Edimburgo faleceu em 2021, mas o sentimento histérico que ele expressou sobre a superpopulação continua vivo. Uma pesquisa da YouGov revelou que as preocupações […]

Leia Mais