O Facebook vem silenciosamente construindo sua criptomoeda por mais de um ano, e parece que esse tempo foi bem gasto, contando com o apoio de algumas das mais proeminentes empresas em pagamentos, varejo e tecnologia.

Conforme relatado recentemente pelo The Wall Street Journal, a criptomoeda do Facebook será governada por um consórcio de empresas conhecidas como Associação Libra, que inclui Visa, Mastercard e PayPal. Mas o The Blockcolocou as mãos em materiais de marketing do consórcio e apresentou dezenas de empresas não anteriormente envolvidas, incluindo investidores como a Andreessen Horowitz e a Union Square Ventures, a Coinbase, e organizações sem fins lucrativos como a Mercy Corps. A Calibra, uma subsidiária do Facebook formada para supervisionar a criptomoeda da gigante da mídia social, também está entre os membros fundadores, de acordo com uma fonte familiarizada com o assunto.

Aqui está tudo o que sabemos sobre o projeto:

Uma pessoa familiarizada com a situação disse que o Facebook cobra de cada membro US$ 10 milhões para gerenciar seu próprio nó, o que permite que os membros acessem e visualizem a rede. Originalmente, a empresa tinha ambições de envolver Wall Street, mas descobriu falta de interesse entre gigantes institucionais como o Goldman Sachs e o JPMorgan. Ainda está procurando ter 100 membros na associação governante, disse a pessoa.

Este financiamento dos membros do consórcio irá apoiar a moeda, que será atrelada a uma cesta de moedas.

Se for bem sucedido, o Facebook poderá obter US$ 1 bilhão das 100 empresas que espera incluir no projeto. Cada um desses nós também terá um assento na Associação Libra como operadores de nó, enviando um representante para o consórcio.

Os relatos de um criptomoeda no Facebook começaram a circular em maio de 2018, quando Cheddar informou que a gigante da mídia social havia começado a pesquisar sobre blockchain quase um ano antes. O Facebook anunciou então que David Marcus, vice-presidente de seu aplicativo Messenger e ex-membro do conselho da Coinbase, lideraria seus projetos de blockchain. Antes da nomeação de Marcus, Morgan Beller, membro da equipe de desenvolvimento corporativo do Facebook, era o único funcionário que estudava blockchain.

Desde então, o Facebook expandiu o projeto e a conversa sobre uma stablecoin aumentou a cada passo que a empresa dava no mundo das blockchain.

Em maio deste ano, o Facebook registrou a Libra Networks LLC em Genebra, na Suíça, onde está trabalhando no desenvolvimento de blockchain, de acordo com seu registro. A BBC informou mais tarde que a empresa está planejando o lançamento da moeda para o primeiro trimestre de 2020, e tem planos de começar a testá-la ainda este ano antes de lançar em uma dúzia de países.

Antes do lançamento de seu whitepaper oficial, que, segundo rumores, surgirá ainda esse mês, a empresa publicou anúncios de emprego para blockchain. Aberturas adicionais foram postadas na semana passada. Leia mais clicando aqui.

A moeda poderá ser usada como pagamento para aplicativos de mensagens, entre outras coisas. Em Dezembro, a Bloomberg informou que a moeda permitiria que os usuários transferissem dinheiro através do WhatsApp, seu serviço de mensagens. Contudo, já existe um bot programado para enviar Bitcoins através do aplicativo. Leia sobre o bot nesta matéria traduzida pelo Gazeta Libertária.

O New York Times reportou alguns meses depois, em Fevereiro deste ano, que o projeto havia se mudado para um lugar onde o Facebook estava discutindo a venda para os consumidores e estava em conversações com as exchanges.

Se isso for verdade, há uma demanda, de acordo com um estudo da LendEDU, que descobriu que a moeda poderia atrair novos usuários para as criptomoedas e poderia ser reforçada pelo uso do recurso do Marketplace do Facebook.

Embora um whitepaper ainda não tenha sido publicado, já surgiram preocupações com a regulamentação. Na esteira do relatório do Wall Street Journal de que o Facebook estava recrutando investidores para lançar sua criptomoeda, os senadores dos EUA no Comitê Bancário endereçaram uma carta aberta ao fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, perguntando como exatamente a moeda funcionaria, entre outras preocupações. A Comissão de Negociação de Futuros de Commodities (Commodity Futures Trading Commission – CFTC) também disse ao Financial Times que estava em conversas antecipadas com o Facebook e que nenhuma solicitação formal foi ainda apresentada. O comissário da CFTC, Christopher Giancarlo, disse que o órgão ainda está considerando se uma criptomoeda do Facebook se enquadraria na jurisdição de sua agência.

O Facebook também atraiu o lobista britânico do banco Standard Chartered, Ed Bowles, como seu diretor de políticas públicas em Londres, de acordo com o Financial Times.

Abaixo está o mapa da Associação Libra do Facebook, dividido por setor.

Blockchain

Coinbaseexchange e carteira de criptomoedas

BisonTrails – empresa de infraestrutura-como-serviço. Sua plataforma possibilita uma variedade de recursos, incluindo estacando, validando, votando, transacionando e protegendo protocolos blockchain

Xapo – provedor de custódia de criptomoeda

Anchorage – serviço de custódia para ativos digitais

Comércio eletrônico

Ebay – corporação de e-commerce que possibilita vendas de consumidor para consumidor e de empresa para consumidor através de seu website

Mercado Pago (MercadoLivre) – Site de comércio eletrônico Argentino

Farfetch – plataforma online para moda de luxo

Empresas de investimento

Andreessen Horowitz – empresa de capital de risco fundada por Marc Andreessen e Ben Horowitz

Union Square Ventures – empresa de capital de risco com sede em Nova Iorque

Creative Destruction Lab – programa de estágio de sementes para empresas escalonáveis ​​e relacionadas a ciência

Ribbit Capital – empresa de capital de risco que investe em empresas em estágio inicial

Thrive Capital – empresa de capital de risco focada em investimentos em internet e software

Sem fins lucrativos

Women’s World Banking – utiliza uma rede de 40 instituições independentes de microfinanciamento e os bancos fornecem apoio aos empreendedores do mundo subdesenvolvido, com ênfase nas mulheres

Kiva – organização sem fins lucrativos que permite aos usuários emprestar dinheiro para empreendedores de baixa renda em mais de 80 países através de sua plataforma

Mercy Corps – organização global de ajuda humanitária que presta apoio a regiões atingidas por desastres, sejam eles econômicos, ambientais, sociais ou políticos.

Pagamentos

Visa – empresa de tecnologia de pagamentos

Stripe – empresa de tecnologia onde as empresas podem enviar e receber pagamentos pela internet

PayPal – opera um sistema de pagamento mundial

PayU – auxilia empresas online com a aceitação e processamento de pagamentos

Mastercard – provedor global de pagamentos

Aplicativos de carona

Lyft – empresa de transporte que oferece compartilhamento de carona

Uber – plataforma de compartilhamento de carona

Rede social

Facebook (Calibra) – subsidiária Facebook criada para Libra

Telecomunicação

Vodafone – empresa de telecomunicações multinacional britânica

Illiad – provedor francês de serviços de telecomunicações

Booking Holdings – provedor de viagens on-line